Pular para o conteúdo principal

O dia em que descobri o Rock'n Roll

Tava me lembrando da maneira como descobri o Rock and Roll. Sim, eu me lembro perfeitamente como foi! Tá certo que eu não lembro da minha idade na época, mas eu era bem novo, e dentre os meus discos preferidos estavam "Rap Brasil 2" e "Ioiô Dance". Ah, eu também tinha o LP do Bozo, mas esse eu já não tinha mais o costume de ouvir...

Tudo começou nas Lojas Americanas. Os discos dos Beatles tinham sido lançados em CD, e estavam em promoção. Minha mãe, ao perceber que o "Abbey Road" estava custando uma pechincha, não resistiu e colocou o disco no carrinho de compras:
- Esse era o disco dos Beatles que eu mais gostava quando era adolescente!

Não dei a mínima atenção para aquele disco com quatro cabeludos atravessando uma rua em fila, um deles descalço e um carro de funerária ao fundo. Foi assim por muito tempo. Não sei exatamente quanto tempo, mas foi muito.

Um belo dia então, depois de alguns meses vendo aquele disco na sala da minha casa, sem sequer ter sido tirado da embalagem, resolvi escutá-lo - afinal, todas as pessoas velhas gostavam dos Beatles! Tudo bem que elas também gostavam do Roberto Carlos, mas nem pensei nisso na hora.

Tirei o disco da embalagem, e comecei a ouvi-lo. "Come Together" foi meio esquisita, seguida por "Something", a música que Frank Sinatra dizia ser a mais bela canção de amor já escrita. "Maxwell's Silver Hammer" foi a primeira música que ouvi inteira: animadinha, com cara de música de criança. Mas foi a quarta faixa do disco que me fez perceber que eu era um rocker e não sabia: "Oh! Darling" ficou na minha cabeça, ouvi várias vezes, e fui correndo falar com minha mãe:
- Mãe, esse CD agora é meu!

Comecei então a gostar de música de verdade. O "Rap Brasil" foi aposentado, os Beatles passaram a povoar minha infância, e aos poucos, o rock começou a fazer parte da minha vida...

É... Fui salvo pelos Beatles!

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

O custo de um carro popular é muito maior do que você pensa (uma história real)

Nunca tive o sonho de comprar um carro, até mesmo porque nem gosto de dirigir fora do videogame. E como até pouco tempo atrás eu tinha transporte da empresa para o trabalho, comprar um carro seria um capricho muito caro e desnecessário. Até que voltei para Belo Horizonte e senti a necessidade de comprar um automóvel para ter um pouco mais de conforto. Comprei meu primeiro carro em maio de 2014.

Em 30 meses e pouco mais de 43.000 km rodados, o meu carro gerou um custo mensal de R$1407,02.


Esse valor não inclui o valor que paguei no automóvel, ele refere-se apenas a gastos realizados que não poderão ser repostos com a venda do carro. Pode até parecer um valor muito alto, mas ele foi rigorosamente calculado e pode surpreender os desavisados.

E veja só, meu carro não é extravagante: é um Volkswagen up! com a maioria dos opcionais. Tem motor 1.0, consome muito pouco combustível e a manutenção é relativamente barata. É que mesmo um carro popular pode sair muito caro.

R$27.044,14 com despesas …

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…