Pular para o conteúdo principal

Diário de bordo - Um dia na capital paulista

Quase dez horas de ônibus, e finalmente chego à São Paulo. Vou fazendo minha programação de turista do dia.
1 - Rua Santa Efigênia: paraíso dos eletrônicos, legais, ilegais e algo mais. Compro umas encomendas para amigos e saio com mais um joguinho pra me divertir no Nintendo DS;
2 - Rua 25 de Março - lotada, lotada, uma loucura. Só pra passear mesmo e ver a multidão, e no fim de tudo me sentir apenas um indivíduo entre os milhões que circulam por São Paulo diariamente;
3 - Galeria Pajé - que lugar quente, até ficam jogando água na gente(!). Não conhecia o lugar, e a visita serviu pra descobrir que lá é o melhor lugar para se comprar calculadoras HP e videogames;
4 - Mercado Municipal - o mercado é muito legal, e as pessoas vão lá pra comer pastel de bacalhau e sanduíche de mortadela. Eu não gosto de bacalhau, e o sanduíche vem um absurdo de mortadela que eu nunca conseguiria comer até o fim. Optei por um pastel de carne com um eventual cheiro de bacon;
5 - Depois de voltar pra casa, almoçar e descansar, finalmente fui assitir ao Eragon. Eu sei que em BH tem cinema, mas eu só volto pra lá no fim de fevereiro, e o filme não tem a menor previsão de passar em Araxá. Resolvi assití-lo por aqui mesmo, e valeu a pena. A vontade foi sair do cinema e comprar o segundo livro da série, mas eu resisti, já que vou pegar esse livro emprestado daqui a alguns dias e eu consigo esperar!
6 - Fim da programção turística do dia. Hora de escrever o diário de bordo e anotar os gastos. São Paulo é uma cidade cara...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

O custo de um carro popular é muito maior do que você pensa (uma história real)

Nunca tive o sonho de comprar um carro, até mesmo porque nem gosto de dirigir fora do videogame. E como até pouco tempo atrás eu tinha transporte da empresa para o trabalho, comprar um carro seria um capricho muito caro e desnecessário. Até que voltei para Belo Horizonte e senti a necessidade de comprar um automóvel para ter um pouco mais de conforto. Comprei meu primeiro carro em maio de 2014.

Em 30 meses e pouco mais de 43.000 km rodados, o meu carro gerou um custo mensal de R$1407,02.


Esse valor não inclui o valor que paguei no automóvel, ele refere-se apenas a gastos realizados que não poderão ser repostos com a venda do carro. Pode até parecer um valor muito alto, mas ele foi rigorosamente calculado e pode surpreender os desavisados.

E veja só, meu carro não é extravagante: é um Volkswagen up! com a maioria dos opcionais. Tem motor 1.0, consome muito pouco combustível e a manutenção é relativamente barata. É que mesmo um carro popular pode sair muito caro.

R$27.044,14 com despesas …

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…