Pular para o conteúdo principal

The Killers

Eles se denominam "Os Assassinos". O primeiro hit da banda contava a história de uma garota que tinha uma namorado que se parecia uma namorada. A partir daí, a primeira coisa que se imagina é que são uma banda sem a menor credibilidade. Será mesmo?

O grupo "The Killers" conquistou notoriedade mundial com a música "Somebody Told Me", que conta a história descrita acima. Foram apontados como uma boa promessa do Indie Rock mundial, mas seu primeiro álbum , "Hot Fuss", é um tanto quanto irregular. Algumas músicas boas, outras nem tanto, e nada de se levar a sério. Mesmo assim, venderam discos o suficiente para se criar uma grande espectativa em torno do segundo álbum.

Mas eu já tinha perdido as minhas espectativas, tanto que quando "Sam's Town" foi lançado, não me dei ao trabalho de ouvi-lo. Erro meu, pois o segundo disco do "The Killers" surpreendentente, foi um dos melhores álbuns que apareceu no rock alternativo nos últimos meses.

Resolvi dar uma chance aos caras, e fui ouvir o disco mais recente... A abertura "Sam's Town" já deixa claro que eles mudaram. Música bem construída, empolgante, anunciando o bom disco que eu começo a ouvir.

Vem "Enterlude", um trecho de menos de um minuto com o único objetivo de dizer "Esperamos que goste de sua estadia. É bom tê-lo conosco, mesmo que apenas por um dia". Diplomacia aprovada.

A partir daí, uma faixa melhor que a outra, atingindo o ápice com "Uncle Johnny" num coro que dá vontade de sair cantando e me faz pensar o quanto seria legal assistir um show deles ao vivo. "Tell me what's going on!!"

Chegando ao fim, "Exitlude" nos agradece novamente, com os versos "We hope you enjoy your stay. It's good to have you with us, even if it's just for a day". Garotos educados, agora sim uma banda para se levar a sério. Escuto a música novamente - é muito boa!

E assim, o disco que eu ouviria "apenas por um dia" passa a fazer parte da minha trilha sonora diária. A banda continua com um nome péssimo (Os Assassinos, em português), mas e daí? Temos os Paralamas do Sucesso, o Kid Abelha, o Los Hermanos, e tantas outras bandas legais com o nome péssimo... O que importa é que a música seja boa, e isso o "The Killers" provou que sabe fazer.

Comentários

  1. Horse1:55 PM

    Nao disse que era bom?
    hahahahaha
    mudou mto o som deles do "Hot Fuss" para esse novo!!
    que bom que mudou para melhor neh?
    abraços

    ResponderExcluir
  2. Renata6:46 PM

    bom, eu gostava muito deles no começo, e continuo gostando, mas não tanto...
    mudaram muito,realmente, e eu considero essas músicas mais novas como uma outra banda diferente dos antigos The Killers que conheci.
    valeu!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

O custo de um carro popular é muito maior do que você pensa (uma história real)

Nunca tive o sonho de comprar um carro, até mesmo porque nem gosto de dirigir fora do videogame. E como até pouco tempo atrás eu tinha transporte da empresa para o trabalho, comprar um carro seria um capricho muito caro e desnecessário. Até que voltei para Belo Horizonte e senti a necessidade de comprar um automóvel para ter um pouco mais de conforto. Comprei meu primeiro carro em maio de 2014.

Em 30 meses e pouco mais de 43.000 km rodados, o meu carro gerou um custo mensal de R$1407,02.


Esse valor não inclui o valor que paguei no automóvel, ele refere-se apenas a gastos realizados que não poderão ser repostos com a venda do carro. Pode até parecer um valor muito alto, mas ele foi rigorosamente calculado e pode surpreender os desavisados.

E veja só, meu carro não é extravagante: é um Volkswagen up! com a maioria dos opcionais. Tem motor 1.0, consome muito pouco combustível e a manutenção é relativamente barata. É que mesmo um carro popular pode sair muito caro.

R$27.044,14 com despesas …

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…