Pular para o conteúdo principal

O patofã

Publicado originalmente no Jornal Interação (Araxá - MG) e posteriormente na página oficial do Pato Fu.



"Ele gosta mais de Pato Fu do que eu" - foi o que a Fernanda Takai disse, se referindo à mim.

Quando soube que o Pato Fu iria tocar na calourada da Uniaraxá, rapidamente comecei a providenciar minha ida à Araxá. Há alguns anos já aguardava um show da minha banda preferida na cidade onde primeiro se avista o sol, mas nunca tinha sido atendido.

Depois de alguns dias de espera, finalmente peguei o ônibus viajei 370 quilômetros, e cheguei na sexta-feira, 31 de março, dia do show. Eu sabia que a banda já estava na cidade. Restava descobrir onde. Depois de inúmeros telefonemas e informações desencontradas, consegui chegar na entrevista coletiva para a imprensa. Mas eu não era da imprensa, nem tinha nenhuma autorização para ir ao local, só tinha minha velha e surrada camiseta do Pato Fu, uma câmera fotógrafica na mão e muitos CDs na mochila.

Dei de cara com a banda, respondendo à perguntas que eu gostaria de estar fazendo e aguardei o fim das gravações. Trabalho da imprensa encerrado, fui atrás dos meus ídolos.
Comecei pelo novo integrante, o tecladista Lulu Camargo, que passou a fazer parte do Pato Fu apenas no trabalho mais recente da banda. Pedi que autografasse meu disco "Toda Cura Para Todo Mal" e que tirasse uma foto comigo. Pedi as mesmas coisas para o baterista Xande Tamietti e fui atendido pelos dois. Enquanto isso, meu irmão fotograva todos os momentos. Pra ninguém falar que é mentira!

Fui atrás do líder da banda, o guitarrista John Ulhôa, que também compõe a maioria das canções. Enquanto ele autografava meu CD, abri minha mochila, tirei dela outros 9 CDs e 2 DVDs, e falei em tom de brincadeira com a vocalista Fernanda Takai: "Eu tenho mais esse monte aqui!". Mas ela levou a brincadeira a sério e resolveu autografar todos os meus discos. Quando percebi, a banda estava autografando toda minha coleção, e várias pessoas fotografando a situação. Por minutos, virei o centro das atenções, afinal, não é todo dia que um fanático aparece com a discografia completa de uma banda, junto com essa banda. "Será que ele gosta de Pato Fu?" - pergunta meu irmão - "Ele gosta mais de Pato Fu do que eu" - responde a Fernanda Takai. O pior é que essa afirmação corre o risco de ser verdade! Pra mim foi a frase do dia, que ainda vai ficar martelando na minha cabeça por um bom tempo.

Acredito que é muito gratificante para um artista chegar em uma cidade onde você nunca tocou, e encontrar pessoas que sabem todas as suas músicas e acompanham sua carreira há muitos anos. E para o fã também é muito recompensador encontrar sau banda favorita e ter um contato tão direto, descontraído e expontâneo. A viagem já tinha valido a pena, mas faltava o show...

Fui um dos primeiros a chegar. Junto com algumas amigas que curtem o Pato Fu (quase) o mesmo tanto que eu, fomos reservar nosso lugar na primeira fila. Sair de lá, só depois do show. Eu já tinha assistido a outros quatro shows do Pato Fu, mas nunca tão de perto.
Eles abrem o show com a música "Estudar Pra Quê?", com o John no vocal, provando que são uma banda poderosa mesmo sem sua principal vocalista. Na segunda música, a estrela Fernanda Takai entra no palco cantando o hit "Anormal", que é acompanhado por grande parte da platéia. A partir daí, o repertório tocado mistura temas de novelas ("Perdendo Dentes", "Ando Meio Desligado"), sucessos radiofônicos ("Eu", "Depois", "Made In Japan"), experimentações ("Simplicidade", "Capetão"), músicas do disco mais recente ("Amendoim", "No Aeroporto") e canções de discos mais antigos ("Deus", "Gol de Quem?").
Enquanto isso, eu cantava todas as músicas, além de fotografar e filmar boa parte do show. Ao tocarem "O Processo de Criação Vai de 10 até 100000", do primeiro CD da banda, o John perguntou se tinha alguém na platéia que conhecia a a música. Além do meu, vi só mais um braço levantado. É, acho que o maior fã que estava lá era eu mesmo...

A banda conseguiu levantar o público, que tinha uma animação surpreendente. Na última música, milhares de pessoas cantavam "Uh Uh Uh, La La La, Ié Ié", dançando e sorrindo. Os patos conseguiram cumprir bem sua missão, e em agradecimento voltaram ao palco para cantar mais três músicas. Ao final dos últimos acordes de "Sobre o Tempo", John faz malabarismos com a guitarra, Fernanda dá sua palheta, Xande presenteia o público com suas baquetas e o baixista Ricardo Koctus distribui camisetas autografadas. Não ganhei nenhuma dessas preciosidades, mas levei o setlist do show de lembrança. Tudo bem, depois de tudo que ocorreu no dia, eu nem precisava disso.

Comentários

  1. Gregório, você é praticamente um tiete! Abração.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…

O que acontece se um vampiro morder um zumbi? E se um zumbi morder um vampiro?

Já parou pra pensar no que acontece quando um vampiro morde um zumbi? Será que o zumbi vira um vampiro? E quando a situação é a inversa? Será que uma mordida de zumbi transforma o ser de dentes pontudos?
Tanto vampiros quanto zumbis são seres que podem ser classificados como "mortos-vivos". Isso significa que, apesar deles conseguirem executar certas ações que usualmente apenas os seres vivos são capazes, eles estão mortos. Na prática, se um vampiro morder um zumbi ou vice-versa não acontece nada. 

A razão desse efeito (ou da ausência de efeito) é que os zumbis mordem apenas seres vivos. Por esse motivo, eles não mordem outros zumbis, vampiros e múmias, por exemplo.
Por outro lado, os vampiros precisam se alimentar de sangue de seres vivos. E, embora os zumbis tenham sangue circulando em suas veias, eles já estão mortos.
Assim sendo, se um vampiro cruzar com um zumbi, certamente eles não se atacarão. E mesmo supondo que seja um vampiro doidão que queira morder um ser um put…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…