Pular para o conteúdo principal

O patofã

Publicado originalmente no Jornal Interação (Araxá - MG) e posteriormente na página oficial do Pato Fu.



"Ele gosta mais de Pato Fu do que eu" - foi o que a Fernanda Takai disse, se referindo à mim.

Quando soube que o Pato Fu iria tocar na calourada da Uniaraxá, rapidamente comecei a providenciar minha ida à Araxá. Há alguns anos já aguardava um show da minha banda preferida na cidade onde primeiro se avista o sol, mas nunca tinha sido atendido.

Depois de alguns dias de espera, finalmente peguei o ônibus viajei 370 quilômetros, e cheguei na sexta-feira, 31 de março, dia do show. Eu sabia que a banda já estava na cidade. Restava descobrir onde. Depois de inúmeros telefonemas e informações desencontradas, consegui chegar na entrevista coletiva para a imprensa. Mas eu não era da imprensa, nem tinha nenhuma autorização para ir ao local, só tinha minha velha e surrada camiseta do Pato Fu, uma câmera fotógrafica na mão e muitos CDs na mochila.

Dei de cara com a banda, respondendo à perguntas que eu gostaria de estar fazendo e aguardei o fim das gravações. Trabalho da imprensa encerrado, fui atrás dos meus ídolos.
Comecei pelo novo integrante, o tecladista Lulu Camargo, que passou a fazer parte do Pato Fu apenas no trabalho mais recente da banda. Pedi que autografasse meu disco "Toda Cura Para Todo Mal" e que tirasse uma foto comigo. Pedi as mesmas coisas para o baterista Xande Tamietti e fui atendido pelos dois. Enquanto isso, meu irmão fotograva todos os momentos. Pra ninguém falar que é mentira!

Fui atrás do líder da banda, o guitarrista John Ulhôa, que também compõe a maioria das canções. Enquanto ele autografava meu CD, abri minha mochila, tirei dela outros 9 CDs e 2 DVDs, e falei em tom de brincadeira com a vocalista Fernanda Takai: "Eu tenho mais esse monte aqui!". Mas ela levou a brincadeira a sério e resolveu autografar todos os meus discos. Quando percebi, a banda estava autografando toda minha coleção, e várias pessoas fotografando a situação. Por minutos, virei o centro das atenções, afinal, não é todo dia que um fanático aparece com a discografia completa de uma banda, junto com essa banda. "Será que ele gosta de Pato Fu?" - pergunta meu irmão - "Ele gosta mais de Pato Fu do que eu" - responde a Fernanda Takai. O pior é que essa afirmação corre o risco de ser verdade! Pra mim foi a frase do dia, que ainda vai ficar martelando na minha cabeça por um bom tempo.

Acredito que é muito gratificante para um artista chegar em uma cidade onde você nunca tocou, e encontrar pessoas que sabem todas as suas músicas e acompanham sua carreira há muitos anos. E para o fã também é muito recompensador encontrar sau banda favorita e ter um contato tão direto, descontraído e expontâneo. A viagem já tinha valido a pena, mas faltava o show...

Fui um dos primeiros a chegar. Junto com algumas amigas que curtem o Pato Fu (quase) o mesmo tanto que eu, fomos reservar nosso lugar na primeira fila. Sair de lá, só depois do show. Eu já tinha assistido a outros quatro shows do Pato Fu, mas nunca tão de perto.
Eles abrem o show com a música "Estudar Pra Quê?", com o John no vocal, provando que são uma banda poderosa mesmo sem sua principal vocalista. Na segunda música, a estrela Fernanda Takai entra no palco cantando o hit "Anormal", que é acompanhado por grande parte da platéia. A partir daí, o repertório tocado mistura temas de novelas ("Perdendo Dentes", "Ando Meio Desligado"), sucessos radiofônicos ("Eu", "Depois", "Made In Japan"), experimentações ("Simplicidade", "Capetão"), músicas do disco mais recente ("Amendoim", "No Aeroporto") e canções de discos mais antigos ("Deus", "Gol de Quem?").
Enquanto isso, eu cantava todas as músicas, além de fotografar e filmar boa parte do show. Ao tocarem "O Processo de Criação Vai de 10 até 100000", do primeiro CD da banda, o John perguntou se tinha alguém na platéia que conhecia a a música. Além do meu, vi só mais um braço levantado. É, acho que o maior fã que estava lá era eu mesmo...

A banda conseguiu levantar o público, que tinha uma animação surpreendente. Na última música, milhares de pessoas cantavam "Uh Uh Uh, La La La, Ié Ié", dançando e sorrindo. Os patos conseguiram cumprir bem sua missão, e em agradecimento voltaram ao palco para cantar mais três músicas. Ao final dos últimos acordes de "Sobre o Tempo", John faz malabarismos com a guitarra, Fernanda dá sua palheta, Xande presenteia o público com suas baquetas e o baixista Ricardo Koctus distribui camisetas autografadas. Não ganhei nenhuma dessas preciosidades, mas levei o setlist do show de lembrança. Tudo bem, depois de tudo que ocorreu no dia, eu nem precisava disso.

Comentários

  1. Gregório, você é praticamente um tiete! Abração.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

O custo de um carro popular é muito maior do que você pensa (uma história real)

Nunca tive o sonho de comprar um carro, até mesmo porque nem gosto de dirigir fora do videogame. E como até pouco tempo atrás eu tinha transporte da empresa para o trabalho, comprar um carro seria um capricho muito caro e desnecessário. Até que voltei para Belo Horizonte e senti a necessidade de comprar um automóvel para ter um pouco mais de conforto. Comprei meu primeiro carro em maio de 2014.

Em 30 meses e pouco mais de 43.000 km rodados, o meu carro gerou um custo mensal de R$1407,02.


Esse valor não inclui o valor que paguei no automóvel, ele refere-se apenas a gastos realizados que não poderão ser repostos com a venda do carro. Pode até parecer um valor muito alto, mas ele foi rigorosamente calculado e pode surpreender os desavisados.

E veja só, meu carro não é extravagante: é um Volkswagen up! com a maioria dos opcionais. Tem motor 1.0, consome muito pouco combustível e a manutenção é relativamente barata. É que mesmo um carro popular pode sair muito caro.

R$27.044,14 com despesas …

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…