boo-box

28 março 2007

Zoo

Observando um elefante sair do banho...

22 março 2007

300


Desde que tenho uns dez anos de idade, convivo com a pergunta: "Você já não está muito grandinho pra ler essas coisas?". "Essas coisas" são revistas em quadrinhos, que me acompanham desde que comecei a aprender a ler.

Entre os milhares de quadrinhos com os quais eu tive contato, posso destacar a série "Os 300 de Esparta" como uma das melhores que já li. Isso foi em 1999 e agora, quase oito anos depois, o filme "300", baseado nessa série, tem conquistado o público em todos os lugares em que estreou. Provavelmente no Brasil não será diferente, até porque o filme conta com Rodrigo Santoro como um dos protagonistas, no papel do imperador Xerxes.

O brasileiro tem costume de rotular as histórias em quadrinhos (HQs) como "coisa de criança". A maioria das pessoas pensa assim equivocadamente, pois não sabe que existem quadrinhos para adultos, e que eles são muito populares. Até mesmo Hollywood está descobrindo esse mercado, nos brindando com ótimos filmes como "V de Vingança", "Sin City", "A Liga Extraordinária", "Do Inferno" e "Constantine", só pra citar alguns. Ahá, aposto que você não sabia que todos esses filmes eram baseados em revitas em quadrinhos!

Mas voltando aos "300"... A HQ foi escrita por Frank Miller, um dos roteiristas mais respeitados do mundo dos quadrinhos e responsável pela série Sin City, por exemplo. "Os 300 de Esparta" narra a batalha das Termópilas, na Grécia Antiga e, apesar de existir todo um contexto histórico envolvendo a HQ, o autor não pretende tornar sua obra uma referência para os professores. Quer apenas contar uma boa história, mostrando que quadrinhos também são coisa pra gente grande. E isso ele consegue com louvor!

E sobre o filme? Ainda não posso falar... Ele só estréia no Brasil no dia 30 de março. Estarei lá pra assistir e poder sair da sessão dizendo "Mas a revista em quadrinhos é muito melhor!".

Recentemente, a Editora Devir lançou no Brasil uma nova versão de "Os 300 de Esparta", em um volume único, de capa-dura. É possível encontrá-lo à venda nas maiores livrarias e também pela internet. Mas não se esqueça de procurar também na seção infantil! Talvez os vendedores não estejam preparados para vender quadrinhos para marmanjos!

Iabadabadu!

Tchibum!

20 março 2007

Agora também no site do Ralfim

Fui convidado pelo meu amigo Ralfer a fazer parte da equipe de colaboradores do site dele. Fiquei responsável pela parte de "Cultura Pop".

Para visitar o site, digite www.ralfim.com.br na barra de endereços do seu browser, ou clique no link ao lado.

Minha página está no link " Contribuições".

17 março 2007

Ah, minha infância...

Coisas que eu NÃO ENTENDO sobre minha infância:
Coisa número 1: Eu não entendo como eu comia tanta areia no parquinho. Bastava descer o escorregador, e lá estava eu com a boca cheia de areia, cuspindo para todos os lados. Até hoje eu não fui capaz de compreender como a areia ia para dentro da minha boca.
Coisa número 2: Eu não entendo como eu tomava tanto choque nas tomadas. Tudo 110 volts. Felizmente nenhuma dela me trouxe algum dano, apenas pequenos desconfortos no momento do choque e só. Mas hoje em dia eu acho tão difícil conseguir tomar um choque (mesmo fazendo engenharia elétrica)...

Coisas que eu SÓ HOJE EU ENTENDO sobre minha infância:
Coisa número 1: Hoje eu entendo porque os adultos não gostavam de Power Rangers. Por mais que eu achasse o seriado uma das coisas mais legais que existia na TV, eu achava muito estranho o fato de nenhum adulto gostar. Assistindo novamente 10 anos depois eu finalmente percebi o motivo.
Coisa número 2: Hoje eu entendo porque os homens não têm, o costume de usar pochete. Eu achava esse apetrecho uma das coisas mais práticas do mundo, ainda mais para uma pessoa que sempre gostou de carregar tranqueiras como eu. Com o tempo, fui largando minhas pochetes e comecei a carregar uma mochila, praticamente como se fosse um casco de tartaruga - o que, esteticamente, é muito mais agradável de se ver.

15 março 2007

Invasão

Não há nada pior que você fazer pose para uma foto e um engraçadinho brotar do nada e pular na sua frente!

10 março 2007

Pessoas com nomes de super-heróis

Sávio Samir, Hélio Aurélio, Clara Camelo, Fernanda França. Nenhum desses é personagem de revistas em quadrinhos, embora os nomes possam sugerir isso. São apenas alguns de meus amigos com nomes de super-heróis.

Completam a lista Angélica Almeida, Daniel Dolabella, Izabela Cancela, Rodrigo Rodrigues, Alberto Aleixo, Guilherme Guedes, Andrea Araújo, Karen Costa, Alexandre Alvarenga, Natália Nássara, Adriano Amâncio, Omar Mattar, Ramon Rossi, Saulo Ceolin, Talita Thâmara, Gustavo Gomes, Raquel Leonel, entre outros.

Mas o que esses nomes têm em comum? Alguém se lembra de quando estudou as aliterações, nas aulas de português? A repetição de sons está presente na maioria das histórias em quadrinhos de super heróis, como exemplifica a lista abaixo:
- Clark Kent, Lex Luthor, Lois Lane, Lana Lang (de Superman);
- Peter Parker, J. Jonah Jameson, Otto Octavius - Doutor Octopus, Green Goblin - Duende Verde (do Homem-Aranha);
- Matt Murdock (o Demolidor, ou Dare Devil);
- Mulher Maravilha (Wonder Woman);
- Bruce Banner (o Hulk);
- Wally West (o Flash);
- Teen Titans (os Jovens Titãs);
- Scott Summers, Charles Xavier, Ororo Monroe (de X-Men);
- Reed Richards, Sue Storm (Quarteto Fantástico, ou Fantastic Four);
- Billy Batson (Capitão Marvel);
- Silver Surfer (Surfista Prateado);
- Doutor Destino (Doctor Doom);
- Martian Manhunter (Caçador de Marte);
- Gregório Goyle, Peter Pettigrew, Salazar Slytherin, Godric Gryffindor (de Harry Potter);- e mais incontáveis exemplos.

Uma potencial vantagem de ter um nome de super-herói é que ele fica fácil de se memorizar. Pra quem quer ficar famoso, já é um grande diferencial. Outra vantagem? Sei lá... Eu não preciso de um nome de super-herói pra sair por aí salvando o mundo!

Calouros

Tradicional foto que eu tiro semestralmente, no momento de confraternização calouros x veteranos da engenharia elétrica da UFMG.

08 março 2007

Os famosos do meu segundo grau


O Ciniro (vulgo Sayid) estudou comigo no segundo grau, CEFET em Araxá, e recentemente ele colocou essa foto no orkut. Tomei a liberdade de surrupiá-la para o meu blog, dando os devidos créditos, é claro. Isso é só pra vocês verem que só estudei com famosos no meu segundo grau.
Ah, vocês podem clicar na foto para vê-la ampliada!

04 março 2007

A Vaquinha da Surfistinha


Pelas minhas estimativas, aproximadamente 16 pessoas leram o meu exemplar do best seller "O Doce Veneno do Escorpião", de autoria da ex-garota de programa Bruna Surfistinha. Acontece que recentemente ela lançou um novo livro!

A única vez que gastei dinheiro com uma prostituta na minha vida foi quando comprei o livro da Bruna Surfistinha, e eu não quero gastar mais com isso. Mas eu queria ler o livro. Por isso sugiro a vocês, a VAQUINHA DA SURFISTINHA!

E como isso funciona?
Cada um dos interessados em ler essa nova obra-prima da literatura brasileira contribui com 1 real. É só ir pra à pé pra faculdade ou ficar um dia sem almoçar pra juntar o dinheiro! Quando eu juntar o necessário para comprar o livro, o farei.

Mas quem vai ler primeiro?
Primeiro eu! Depois, fica sendo por ordem de contribuição. quem pagou 1 real primeiro, lê antes. Como visto no primeiro livro, o estilo de escrita não exige praticamente nada da sua capacidade cerebral, e a fila acaba andando rápido (com "O doce veneno do escorpião", a média de tempo para leitura foi de 3 dias).

A partir de amanhã estarei recolhendo as contribuições para a Vaquinha da Surfistinha! E se você não leu o primeiro livro, basta me pedir!