boo-box

30 novembro 2007

Desfazendo a coleção

"- (...) aí eu perguntei pro meu professor o que eram aquelas revistas em quadrinhos saindo da mochila dele e ele me disse que estava se desfazendo da coleção...
- Mas porque ele estava se desfazendo da coleção? Ele se casou?
- É... Tem um mês."

Que isso fique de aviso para minha futura esposa: Eu não vou me desfazer da minha coleção de histórias em quadrinhos!

Garoto-propaganda

Virei garoto propaganda da loja Bits Games graças ao meu cosplay de Mario no último Anime Festival!
Confira AQUI!

17 novembro 2007

Coisas de engenharia

Como sugerir que seus alunos não copiem os trabalhos de seus colegas:

"SE APENAS UMA OU DUAS OPÇÕES, DAS OFERECIDAS ABAIXO, FOREM ESCOLHIDAS POR TODOS, UMA LEI ESTATÍSTICA TERÁ SIDO VIOLADA. INTERPRETAREI QUE ALGO TERÁ INFLUENCIADO A TODOS A TEREM UM COMPORTAMENTO ESTRANHO. AS NOTAS DO EXERCÍCIO PODERÃO REFLETIR ESSA MINHA INTERPRETAÇÃO. DESSA FORMA, SUGIRO QUE VOCÊ ESCOLHA LIVREMENTE A OPÇÃO, DANDO OPORTUNIDADE A QUE A TAL LEI ESTATÍSTICA POSSA CUMPRIR O SEU PAPEL."

Retirado de um enunciado real de um exercício.

16 novembro 2007

O patofã

Publicado originalmente no Jornal Interação (Araxá - MG) e posteriormente na página oficial do Pato Fu.



"Ele gosta mais de Pato Fu do que eu" - foi o que a Fernanda Takai disse, se referindo à mim.

Quando soube que o Pato Fu iria tocar na calourada da Uniaraxá, rapidamente comecei a providenciar minha ida à Araxá. Há alguns anos já aguardava um show da minha banda preferida na cidade onde primeiro se avista o sol, mas nunca tinha sido atendido.

Depois de alguns dias de espera, finalmente peguei o ônibus viajei 370 quilômetros, e cheguei na sexta-feira, 31 de março, dia do show. Eu sabia que a banda já estava na cidade. Restava descobrir onde. Depois de inúmeros telefonemas e informações desencontradas, consegui chegar na entrevista coletiva para a imprensa. Mas eu não era da imprensa, nem tinha nenhuma autorização para ir ao local, só tinha minha velha e surrada camiseta do Pato Fu, uma câmera fotógrafica na mão e muitos CDs na mochila.

Dei de cara com a banda, respondendo à perguntas que eu gostaria de estar fazendo e aguardei o fim das gravações. Trabalho da imprensa encerrado, fui atrás dos meus ídolos.
Comecei pelo novo integrante, o tecladista Lulu Camargo, que passou a fazer parte do Pato Fu apenas no trabalho mais recente da banda. Pedi que autografasse meu disco "Toda Cura Para Todo Mal" e que tirasse uma foto comigo. Pedi as mesmas coisas para o baterista Xande Tamietti e fui atendido pelos dois. Enquanto isso, meu irmão fotograva todos os momentos. Pra ninguém falar que é mentira!

Fui atrás do líder da banda, o guitarrista John Ulhôa, que também compõe a maioria das canções. Enquanto ele autografava meu CD, abri minha mochila, tirei dela outros 9 CDs e 2 DVDs, e falei em tom de brincadeira com a vocalista Fernanda Takai: "Eu tenho mais esse monte aqui!". Mas ela levou a brincadeira a sério e resolveu autografar todos os meus discos. Quando percebi, a banda estava autografando toda minha coleção, e várias pessoas fotografando a situação. Por minutos, virei o centro das atenções, afinal, não é todo dia que um fanático aparece com a discografia completa de uma banda, junto com essa banda. "Será que ele gosta de Pato Fu?" - pergunta meu irmão - "Ele gosta mais de Pato Fu do que eu" - responde a Fernanda Takai. O pior é que essa afirmação corre o risco de ser verdade! Pra mim foi a frase do dia, que ainda vai ficar martelando na minha cabeça por um bom tempo.

Acredito que é muito gratificante para um artista chegar em uma cidade onde você nunca tocou, e encontrar pessoas que sabem todas as suas músicas e acompanham sua carreira há muitos anos. E para o fã também é muito recompensador encontrar sau banda favorita e ter um contato tão direto, descontraído e expontâneo. A viagem já tinha valido a pena, mas faltava o show...

Fui um dos primeiros a chegar. Junto com algumas amigas que curtem o Pato Fu (quase) o mesmo tanto que eu, fomos reservar nosso lugar na primeira fila. Sair de lá, só depois do show. Eu já tinha assistido a outros quatro shows do Pato Fu, mas nunca tão de perto.
Eles abrem o show com a música "Estudar Pra Quê?", com o John no vocal, provando que são uma banda poderosa mesmo sem sua principal vocalista. Na segunda música, a estrela Fernanda Takai entra no palco cantando o hit "Anormal", que é acompanhado por grande parte da platéia. A partir daí, o repertório tocado mistura temas de novelas ("Perdendo Dentes", "Ando Meio Desligado"), sucessos radiofônicos ("Eu", "Depois", "Made In Japan"), experimentações ("Simplicidade", "Capetão"), músicas do disco mais recente ("Amendoim", "No Aeroporto") e canções de discos mais antigos ("Deus", "Gol de Quem?").
Enquanto isso, eu cantava todas as músicas, além de fotografar e filmar boa parte do show. Ao tocarem "O Processo de Criação Vai de 10 até 100000", do primeiro CD da banda, o John perguntou se tinha alguém na platéia que conhecia a a música. Além do meu, vi só mais um braço levantado. É, acho que o maior fã que estava lá era eu mesmo...

A banda conseguiu levantar o público, que tinha uma animação surpreendente. Na última música, milhares de pessoas cantavam "Uh Uh Uh, La La La, Ié Ié", dançando e sorrindo. Os patos conseguiram cumprir bem sua missão, e em agradecimento voltaram ao palco para cantar mais três músicas. Ao final dos últimos acordes de "Sobre o Tempo", John faz malabarismos com a guitarra, Fernanda dá sua palheta, Xande presenteia o público com suas baquetas e o baixista Ricardo Koctus distribui camisetas autografadas. Não ganhei nenhuma dessas preciosidades, mas levei o setlist do show de lembrança. Tudo bem, depois de tudo que ocorreu no dia, eu nem precisava disso.

12 novembro 2007

Elevadores

Sinceramente, eu não entendo o porquê das pessoas apertarem os botões dos elevadores mesmo quando as suas luzes já estão acesas. Será que elas não confiam na tecnologia? Ou confiam tanto que acham que o elevador vai chegar mais rápido se elas apertarem o botão novamente?

10 novembro 2007

Eu acredito em super-heróis

"Garoto vestido de Homem-Aranha salva bebê em SC"
Notícia no Estado de São Paulo

Alguém aí ainda duvida que os super-heróis existem, e estão entre nós?

GEEE

"Até a pé nós iremos
Para o que der e vier
Mas o certo é que nós estaremos
Com o Grêmio onde o Grêmio estiver!"

09 novembro 2007

Usando o celular

Uma das coisas legais dos telefones celulares é o histórico de tempo das ligações que você fez. Graças à ele, descobri que nos últimos 348 dias, passei 48 horas inteiras falando ao telefone, e mais 24 horas acessando a internet via WAP GPRS.

O que isso muda na minha vida? Praticamente nada. Mas eu achei legal.

03 novembro 2007

Formatura

Parabéns, Raíssa!

Censura 12 anos

Eu não sei porquê um filme com censura 12 anos é colocado à venda na seção infantil das lojas!

(...)


Tá bom, eu sei por quê sim... É porquê tem um tanto de gente que acha que Homem-Aranha é coisa de criancinha. Criança gosta sim, mas o filme não foi feito pra elas. Caso contrário, não teria a censura 12 anos...

A tropa de elite da engenharia

Mensagens enviadas para a lista de e-mails do curso de engenharia elétrica da UFMG:

Sent: Thursday, November 01, 2007 5:35 PM
Subject: [Eletrica-l] reopção

Alguem sabe me informar como faço para mudar de curso?
Obrigado
Rodolfo


From: Anderson
Sent: Friday, November 2, 2007 9:34 PM
Subject: Re: [Eletrica-l] reopção

06 pediu pra sair!
pega sua cruz na sala do colegiado e planta ela no jardinzinho do prédio novo, deve ser pra isso que eles fizeram tantos gramados!
"Nem o exército de Israel treina engenheiros como a gente."




02 novembro 2007

Marvels

Lançado em 1994 e até hoje não tive a oportunidade de ler esse clássico. Mas agora já estou com a edição encadernada em mãos, e vou corrigir esse atraso de 13 anos.

Minha namorada já leu Marvels e eu não. Isso não me mata de inveja, só me enche de orgulho! Eu poderia arrumar uma melhor namorada no mundo? Creio que não...