Pular para o conteúdo principal

Mallu Magalhães

Primeiro show da cantora de 16 anos em Minas Gerais e já no Grande Teatro do Palácio das Artes. Chegou bem cheia de moral, hein?

Antes do show começar, a atração era observar o público. Em sua maior parte, era composto por garotas entre 13 e 18 anos, muitas delas acompanhadas pelos pais. Completavam os assentos do teatro muitas pessoas da imprensa, vários indiezinhos e indiazinhas e fãs das bandas que iriam tocar depois da Mallu.

Ao começar a apresentação, o público tinha um olhar que misturava curiosidade e desconfiança . O fato de todos estarem sentados contribuiu um pouco para a frieza da recepção, e Mallu entrou em cena já reclamando da fumaça de gelo seco.

Pelo fato da maioria das gravações disponíveis em MP3 da Mallu Magalhães serem ao vivo, já tinha uma idéia do que esperar do show de Belo Horizonte. Mas fiquei muito surpreso com a banda que a acompanhava, composta por um guitarrista vindo dos Beatles, um tecladista do Oasis, o baterista do The Who e um trovador solitário no baixo (visualmente era o que pareciam..) Muito divertida e competente, segurou a onda em muitos momentos do show.

A platéia cantou em J1 e Tchubaruba. O público delirou com a participação de Hélio Flanders do Vanguart (e nessa hora Mallu visivelmente ficou diferente...). E o povo só não dançou com a empolgante Don't You Leave porque ficou com vergonha de levantar da cadeira.

Depois de uns 70 minutos, Mallu encerrou sua apresentação, e juntamente com sua banda, foi bastante aplaudida. E ela realmente tem potencial para extender esses seus 15 minutos de fama por mais alguns anos e se tornar uma rockstar.

Não quis enfrentar a multidão de fãs enlouquecidas na fila do camarim pra tietar essa menina que eu tanto gosto de ouvir cantar. Mas saindo do show do Hurtmold, que tocou depois, percebo que é ela quem está atrás de mim, num corredor escuro do Grande Teatro. E é claro que pedi uma foto. Só que eu não tinha câmera, só um celular velho, sem flash, e o máximo que consegui foi um borrão. Depois de algumas horas de edição, consegui identificar dois corpos verdes, e a prova de que eu já estive do lado de Mallu Magalhães está aí!

Leia também: O patofã

Comentários

  1. Anônimo12:35 AM

    Muito bom!vc relatou muito bem o show!
    Pq a quantidade de sózias(seja lá co mo se escreve isso..)de mallu q tinha no paláco das artes era ipressionante, e pelo fato de eu n ter ido vetida de litras ou xadrez, me senti pouco incluida naqle mundarel de indies com lenços...
    Mas como asssim/depois ond especificamente ela estava do canto escuro?qndo?depois daquela conferencia la embaixo?
    vlw,
    Elisa Aguiar. Entra la na comunidade do show dela aqui em BH:http://www.orkut.com.br/Community.aspx?cmm=67594625

    ResponderExcluir
  2. Respondendo a sua pergunta então, Elisa: depois do show do Hurtmolf, estava saindo do grande teatro, e encontrei com a Mallu no corredor de entrada do Teatro mesmo, quase já no saguão do Palácio das Artes. Não sei se foi depois da conferência, porque eu nem soube que tinha tido isso.
    Mas ela não tava parada lá, estava só de passagem, assim como eu.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

O custo de um carro popular é muito maior do que você pensa (uma história real)

Nunca tive o sonho de comprar um carro, até mesmo porque nem gosto de dirigir fora do videogame. E como até pouco tempo atrás eu tinha transporte da empresa para o trabalho, comprar um carro seria um capricho muito caro e desnecessário. Até que voltei para Belo Horizonte e senti a necessidade de comprar um automóvel para ter um pouco mais de conforto. Comprei meu primeiro carro em maio de 2014.

Em 30 meses e pouco mais de 43.000 km rodados, o meu carro gerou um custo mensal de R$1407,02.


Esse valor não inclui o valor que paguei no automóvel, ele refere-se apenas a gastos realizados que não poderão ser repostos com a venda do carro. Pode até parecer um valor muito alto, mas ele foi rigorosamente calculado e pode surpreender os desavisados.

E veja só, meu carro não é extravagante: é um Volkswagen up! com a maioria dos opcionais. Tem motor 1.0, consome muito pouco combustível e a manutenção é relativamente barata. É que mesmo um carro popular pode sair muito caro.

R$27.044,14 com despesas …

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…