Pular para o conteúdo principal

Planeta Terra

Mallu 

Meio-dia. Saio de casa, almoço e pego o metrô. Hoje é dia de rock'n roll.

O Planeta Terra Festival que aconteceu no último fim de semana contou com a minha presença e a de mais 15000 pagantes (ingressos esgotados).

A escalação de bandas não decepcionou. Na verdade surpreendeu. O grande problema do Indie Rock é que muitas vezes você acaba não conhecendo a banda, mesmo sendo fã do estilo. E eu não conhecia 50% das bandas que iam tocar lá até um mês antes do festival. É claro que fui me preparando.

Chegando à Villa dos Galpões, já fui direto pro primeiro show, do Brothers of Brazil, no palco Indie. O Supla, de tão trash, é legal. E o show que misturou MPB com punk rock, surpreendentemente foi divertidíssimo e super animado.

Corri pro Main Stage pra assistir o Vanguart. Grande show, com a banda satisfeita de ver tanta gente à luz do dia. Depois do show dos cuiabanos, voltei ao palco Indie para assistir o final do show do Curumin. É um show interessante e diferente, mas não é o tipo de música que eu ouviria em casa. Valeu a pena.

Hora de voltar pro Main Stage pra assistir a musa infanto-juvenil Mallu Magalhães. Ela parecia um pouco deslocada no festival, e o público não se interessou muito pelo show. Foi bom pra ouvir músicas inéditas e pra rir do backing vocal, que ficava fazendo umas dancinhas bisonhas.

Aí deu fome, e eu perdi o show do Animal Collective pra comer. Dei uma passada no Jesus & Mary Chain mas não ouvi mais de duas músicas. Passeei no galpão onde o Mau Mau discotecava, mas estava um pouco vazio.

Aí veio a grande surpresa do festival, o Foals. Tinha ouvido o disco deles só uma vez, mas o show foi fantástico. Incrível como as músicas são poderosas ao vivo, e como a platéia pulou e dançou. A banda ganhou um fã.

Hora da banda que provalmente levou mais gente ao festival, The Offspring. Creio que se eu fosse ao show deles uns 8 anos atrás eu gostaria mais. No começo achei as músicas todas iguais e resolvi dar uma volta no show do Spoon, que rolava no outro palco. Fiquei um pouquinho e voltei pro punk rock, bem na hora certa - eles tocaram uma sequência de 4 músicas do Americana, um disco que ouvi bastante na minha adolescência. E valeu pela nostalgia.

Grande parte do público saiu do Main Stage, e pude chegar bem perto da grade, pra ver o Bloc Party. Eles estavam morrendo de medo da recepção da platéia brasileira, após o vergonhoso playback no VMB. Pediram desculpas, a gente aceitou, e eles tocaram felizes. Apareci no telão várias vezes (mas o tipo de aparição em que só eu me reconheço) e terminei o show em êxtase.

Sem conseguir ficar em pé direito, todo moído, sentei um pouco pra poder esperar o Kaiser Chiefs. Foi o show internacional onde mais conversaram com a platéia, e em português. Com muita presença de palco aliada a grandes hits, fizeram o show pra um tanto de gente cansada e conseguiram arrancar os últimos resquícios de voz platéia.

3 da manhã, fim dos shows de rock. Mas a estação de trem só abre às 4! Então vamos lá no tuntituntz, ouvir o Felix da Housecat.

6 da manhã, já estou em casa pronto pra dormir.

Top 5 Shows

1 - Foals

2 - Kaiser Chiefs

3 - Bloc Party

4 - Brothers of Brazil

5 - Mallu Magalhães

Comentários

  1. Gregs, muita gente falou mal do Bloc Party, disseram que os caras sao mega desanimados no palco. E quanto ao Kaiser Chiefs, so vi criticas boas.
    Enfim, to me mordendo de inveja de nao ter podido ir. Enquanto vc se divertia, eu fazia prova do ENADE. Beleza.
    Beijos! =*

    ResponderExcluir
  2. Talvez o fato de eu ter ficado bem lá na frente no show do Bloc Party tenha contribuído para que eu tenha achado tão legal. Não achei que eles estavam desanimados, achei que eles realmente temiam por uma reação hostil da platéia. O Kele Okereke até comentou o "accident" da última visita deles ao Brasil...

    Mas o ENADE deve ter bombado! Grande parte dos meus amigos estava lá!

    Beijo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

O custo de um carro popular é muito maior do que você pensa (uma história real)

Nunca tive o sonho de comprar um carro, até mesmo porque nem gosto de dirigir fora do videogame. E como até pouco tempo atrás eu tinha transporte da empresa para o trabalho, comprar um carro seria um capricho muito caro e desnecessário. Até que voltei para Belo Horizonte e senti a necessidade de comprar um automóvel para ter um pouco mais de conforto. Comprei meu primeiro carro em maio de 2014.

Em 30 meses e pouco mais de 43.000 km rodados, o meu carro gerou um custo mensal de R$1407,02.


Esse valor não inclui o valor que paguei no automóvel, ele refere-se apenas a gastos realizados que não poderão ser repostos com a venda do carro. Pode até parecer um valor muito alto, mas ele foi rigorosamente calculado e pode surpreender os desavisados.

E veja só, meu carro não é extravagante: é um Volkswagen up! com a maioria dos opcionais. Tem motor 1.0, consome muito pouco combustível e a manutenção é relativamente barata. É que mesmo um carro popular pode sair muito caro.

R$27.044,14 com despesas …

A regra básica para verificar se algo é verdade na internet

Um dia eu ainda quero compreender o que se passa na cabeça de alguém que inventa um boato e espalha pelo mundo. Será que o objetivo é apenas ser um agente do caos ou simplesmente rir das pessoas que acreditam. Só sei que não é de hoje que essas coisas existem (ou você realmente acredita que a Xuxa fez um pacto com o demônio e o Fofão tinha um punhal dentro do seu boneco?), só sei que a internet amplificou o alcance e a velocidade de todo tipo de boatos.

Por muitas vezes atuei (e continuo atuando) como um desmascarador de mensagens falsas entre os membros da minha família e amigos mais próximos, mas não adianta: se antes as bobagens eram espalhadas via e-mail, a diferença é que agora elas chegam via WhatsApp. Tento fazer o papel de mensageiro da verdade, mas é difícil ter sucesso...

Não espalho nada que eu não tenha verificado ou não confie na fonte. Se já espalhei alguma bobagem, pode ter certeza que foi na ignorância e que sinto vergonha por isso. Hoje em dia é muito fácil procurar …