Pular para o conteúdo principal

Outravision

Um ano atrás, a Wonkavision disponibilizou para download uma música inédita. A proposta da banda: um single inédito por mês, durante um ano. Detalhe: eles não fizeram nenhuma apresentação em 2008. O resultado: 12 ótimas músicas, muitas discussões na comunidade no Orkut e uma grande expectativa para um novo show da banda.

impar perfeito O Ímpar Perfeito abriu o ano com uma canção triste, cruel, mas que traz um dos melhores nomes de música que eu conheço.

 

 

double dealingDouble Dealing surpreendeu por ser uma faixa em inglês, que nunca tinha sido cantada em português. Dá vontade de fazer a namorada decorar e ficar cantando em dupla com ela. Mas não pra levar a letra a sério, só pra fazer teatrinho mesmo.

rebobinar Rebobinar é meio hipnótica. Não sei porque, mas minha tendência ao ouvir essa música é colocá-la de novo pra tocar. E de novo. E de novo. Ela ainda traz uma brincadeira legal pra quem escuta acompanhando a letra.

 

paranoiaParanóia é claustrofóbica, tensa, paranóica. Dá medo. Talvez seja por isso que eu goste tanto.

 

 

 

tanto fazTanto Faz é um caldeirão de referências à cultura pop em geral, num jogo de palavras e sons divertidíssimo.

 

 

not for me A Wonkavision se aventura pela country music em Not For Me. Quando eu aprender a tocar violão, vou colocar um matinho na boca e sair por aí cantando essa canção em meu cavalo alazão.

 

 

pumadidasUm hino anti-undergroundice, como definiu a própria banda, Pumadidas foi uma das músicas mais esperadas pelos fãs. E valeu a pena.

 

 

a farsaA farsa que eu fracasso em ser tem o melhor título do tipo "Peraí... Ah, entendi"  desde Fingi na hora rir, do Los Hermanos. O engraçado dessa música é que eu sempre ouvia "Há algo MACABRO em mim", quando a palavra que estava sendo dita era MARCADO. Eu acho a minha versão mais legal.

write a noteWrite a Note é uma música de tirar o fôlego, que vai crescendo até um ponto em que eu me embolo todo e não consigo cantar mais. Um dia eu ainda consigo!

 

 

o fora O Fora ganhou o posto de minha favorita. Extremamente melancólica, pode fazer garotinhas chorarem. Mas é linda.

 

 

superpoderSuperpoder traz o mesma temática que O Fora. O contraste é que é uma canção aparentemente alegre, que diz "Não há jeito fácil de dizer eu não te amo mais". Cruel.

 


1-2 amor1/2 Amor é o último dos singles prometido pela banda, e encerra a sequência em grande estilo. Mostra um lado pop da banda, que não era conhecido tempos atrás.

 


É bom destacar o ótimo trabalho na criação das capas para cada um dos singles, que fiz questão de reproduzir aqui.

Todas as músicas podem ser baixadas gratuitamente nos caminhos indicados no site da banda.

http://www.wonkavision.com.br/

P.S.: No contador de execuções do meu iPod, essas músicas foram tocadas 517 vezes. A campeã foi Rebobinar, com 66 execuções.

Comentários

  1. Fiquei feliz com teus comentários. Que bom que a Wonka contribui tanto pros teus ouvidos nesse ano de 2008. Grande beijo e ótimo 2009.

    ResponderExcluir
  2. Hahaha! Gostei!
    No meu i-tunes quem ganha é "A Fersa que em fracasso em ser" com 108 reproduções, seguido por 47 de "o ímpar perfeito"...

    o/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…

O que acontece se um vampiro morder um zumbi? E se um zumbi morder um vampiro?

Já parou pra pensar no que acontece quando um vampiro morde um zumbi? Será que o zumbi vira um vampiro? E quando a situação é a inversa? Será que uma mordida de zumbi transforma o ser de dentes pontudos?
Tanto vampiros quanto zumbis são seres que podem ser classificados como "mortos-vivos". Isso significa que, apesar deles conseguirem executar certas ações que usualmente apenas os seres vivos são capazes, eles estão mortos. Na prática, se um vampiro morder um zumbi ou vice-versa não acontece nada. 

A razão desse efeito (ou da ausência de efeito) é que os zumbis mordem apenas seres vivos. Por esse motivo, eles não mordem outros zumbis, vampiros e múmias, por exemplo.
Por outro lado, os vampiros precisam se alimentar de sangue de seres vivos. E, embora os zumbis tenham sangue circulando em suas veias, eles já estão mortos.
Assim sendo, se um vampiro cruzar com um zumbi, certamente eles não se atacarão. E mesmo supondo que seja um vampiro doidão que queira morder um ser um put…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…