Pular para o conteúdo principal

Moptop em São José dos Campos

Moptop

Sexta-feira 13, primeira vez que vou a um show de rock relevante em São José dos Campos. Foi no reinaugurado Hocus Pocus, um lugar pequeno, quente e abafado. De qualquer forma, meu espírito rock’n roll relevou a situação e me permitiu apreciar um grande show.

A noite começou com a banda Five-O-Five, que animou o pessoal com músicas do Arctic Monkeys, fez um interessante cover dos Strokes e arriscou tocar Radiohead. Foi seguida pela banda Regra de Três, que fez um bom show, mas não levantou a platéia.

O Moptop fez um show bastante intenso, que dividiu os presentes em 5 grupos: os fãs da banda que estavam lá para assistir à apresentação; os adolescentes roqueiros que se batiam na mosh pit, as groupies rebolativas na beirada do palco; os que não conheciam a banda mas queriam acompanhar um bom show de rock; e os que estavam lá apenas para ir à uma balada genérica – que eram a maioria, visto que quando o show terminou, a casa estava praticamente vazia.

Mas valeu a pena. O Moptop, com seus dois discos oficialmente lançados, já tem um repertório suficiente pra se fazer um grande show – e ao vivo eles mantem a qualidade das gravações.

Comentários

  1. Foi fodido o show *---*
    Eu sou do grupo dos fãs, no ultimo show deles na Hocus não pude assistir até o final

    E foi fodidasso quando a Five-O-Five tocou The Strokes, até sair do bar para ir lá curtir da pista mesmo

    E sobre a Hocus, é pequena e abafada mesmo
    Mas sempre tem shows bons, quem curte underground não se importa com luxo LoL

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. acho que a melhor parte do Hocus Pocus é o fato de ser pequeno, quente e abafado mesmo.

    Até o Cavern Club era assim, pq não o Hocus?

    O show foi foda mesmo.

    E o 505 mandaram bem pra caralho.

    ResponderExcluir
  3. Bom dia meu querido amigo "Gregório", no Hocus é sempre asim né, um lugar quente, pekeno, pertado porem com uma energia "inoxidavel", na sua póstagem eu apenas não entendi o seguinte comentario : "Foi seguida pela banda Regra de Três, que fez um bom show, mas não levantou a platéia." pelo que eu vi desde a fila, todos estavam em PÉ, e pel oqeu presenciei, curtindo muito, talvez na hora do show do regram vc poderia estar no banheiro, não? Bom, não sei ao certo o seu ponto de vista real durante o show, mas opnião é opnião certo?

    ResponderExcluir
  4. Marcos Leandro,
    não conhecia o local, mas embora seja pequeno, quente e abafado, espero voltar lá mais vezes.
    Sobre o show da Regra de Três (banda com um dos nomes mais originais que conheço), eu disse que foi bom e eu gostei de verdade. Mas eu realmente achei que a platéia não estava tão animada. É só uma opinião, mas fico feliz que você achou o inverso, pois a banda realmente é boa.

    ResponderExcluir
  5. Anônimo2:19 AM

    achei o show muito bom!! o moptop foi bem lega, 505 mandaram muuuito, só o regra de tres que eu achei parado, parece los hermanos.

    ResponderExcluir
  6. Anônimo7:10 PM

    realmente sexta foi demais, a primeira banda, de covers foi fenomenal.. o moptop destruiu.
    gostei mto tambem

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…

O que acontece se um vampiro morder um zumbi? E se um zumbi morder um vampiro?

Já parou pra pensar no que acontece quando um vampiro morde um zumbi? Será que o zumbi vira um vampiro? E quando a situação é a inversa? Será que uma mordida de zumbi transforma o ser de dentes pontudos?
Tanto vampiros quanto zumbis são seres que podem ser classificados como "mortos-vivos". Isso significa que, apesar deles conseguirem executar certas ações que usualmente apenas os seres vivos são capazes, eles estão mortos. Na prática, se um vampiro morder um zumbi ou vice-versa não acontece nada. 

A razão desse efeito (ou da ausência de efeito) é que os zumbis mordem apenas seres vivos. Por esse motivo, eles não mordem outros zumbis, vampiros e múmias, por exemplo.
Por outro lado, os vampiros precisam se alimentar de sangue de seres vivos. E, embora os zumbis tenham sangue circulando em suas veias, eles já estão mortos.
Assim sendo, se um vampiro cruzar com um zumbi, certamente eles não se atacarão. E mesmo supondo que seja um vampiro doidão que queira morder um ser um put…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…