Pular para o conteúdo principal

Radiohead e eu (8)

(Ou como foi o show que eu mais esperei pra ver ao vivo)

Domingo, 22 de março de 2009, Just a Fest. Seis e trinta, e tem início o show do Los Hermanos. Escuto o trio de metais tocar os acordes iniciais de Todo Carnaval Tem Seu Fim, mas eu ainda estou do lado de fora, por causa de todo o trânsito e confusão. Dentro da Chácara do Jóquei, já consigo ouvir Primeiro Andar, mas sem enxergar o palco ainda.

Já tinha visto a banda carioca quase uma dezena de vezes ao vivo, e esse foi um dos shows mais mornos. A maior parte do público não estava lá pra vê-los, Marcelo Camelo parecia desanimado e Rodrigo Amarante um pouco mais feliz. Longe da empolgação que tinha nos tempos áureos da banda.

Conseguiram levantar o público mesmo só em músicas como O Vencedor, Além do Que Se Vê e A Flor. Mas foi pouco perto dos grandes espetáculos que já vi do Los Hermanos.

O Kraftwerk fez um show muito interessante. Não é o tipo de música que tenho costume de ouvir, mas aliado a infraestrutura de palco, telões e iluminação, a banda conseguiu fazer um show agradável e curioso. Creio que se o Radiohead não fosse tocar depois, eu apreciaria mais o show dos alemães.

Mas a noite era do Radiohead! 15 step foi a abertura do show, seguida da fantástica There There. Senti um frio na espinha e me dei conta eu realmente estava num show do Radiohead. E parecia que todos os presentes ainda estavam em estado de choque. Foi em Karma Police, a sexta música, que o voz da platéia se fez ouvir em alto e bom som.

O show foi longo, cheio de altos e altos! Um momento bonito foi quando Thom Yorke acompanhado de Jonny Greenwood tocaram Faust Arp no violão. 30 mil pessoas ficaram em silêncio, apenas apreciando e se emocionando. Jigsaw Falling Into Place e Idioteque foram tocadas na sequência, e ninguém foi capaz de ficar parado.

Duas músicas do filme Romeu e Julieta foram tocadas: a desconhecida Talk Show Host, e a, talvez minha preferida, Exit Music (For a Film). Até pensei que fosse chorar, mas meninos não choram e eu resisti.

No primeiro bis, os fãs pareciam que não queriam deixar a música Paranoid Android, de quase 7 minutos, terminar. Continuaram cantando. Thom Yorke acompanhou. Na sequência veio a clássica Fake Plastic Trees, num dos momentos mais belos do show.

No segundo bis, House of Cards apareceu numa nova roupagem. Durante You And Whose Army?, um close olho de Thom Yorke era visto no telão, provocando um misto de tensão e risadas na platéia.

O álbum mais recente, In Rainbows, foi tocado na íntegra, com algumas canções um pouco diferentes do original. Só o primeiro disco não tinha sido lembrado, até o terceiro (!!!) bis, quando tocaram Creep, fechando assim um dos shows mais completos e emocionantes que já assisti. Talvez o maior de todos!

Valeu toda a expectativa, valeu a espera, valeu o dinheiro, valeu a emoção.

Comentários

  1. Que maravilha gregoriano!! Eu também fui neste show e também relatei a experiência no meu humilde blog. hehe

    Aliás achei o seu blog procurando informações sobre o Sérgio Malandro na UFMG.

    Parabéns meu caro!

    Abraço
    Vital

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

O custo de um carro popular é muito maior do que você pensa (uma história real)

Nunca tive o sonho de comprar um carro, até mesmo porque nem gosto de dirigir fora do videogame. E como até pouco tempo atrás eu tinha transporte da empresa para o trabalho, comprar um carro seria um capricho muito caro e desnecessário. Até que voltei para Belo Horizonte e senti a necessidade de comprar um automóvel para ter um pouco mais de conforto. Comprei meu primeiro carro em maio de 2014.

Em 30 meses e pouco mais de 43.000 km rodados, o meu carro gerou um custo mensal de R$1407,02.


Esse valor não inclui o valor que paguei no automóvel, ele refere-se apenas a gastos realizados que não poderão ser repostos com a venda do carro. Pode até parecer um valor muito alto, mas ele foi rigorosamente calculado e pode surpreender os desavisados.

E veja só, meu carro não é extravagante: é um Volkswagen up! com a maioria dos opcionais. Tem motor 1.0, consome muito pouco combustível e a manutenção é relativamente barata. É que mesmo um carro popular pode sair muito caro.

R$27.044,14 com despesas …

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…