Pular para o conteúdo principal

Radiohead e eu (8)

(Ou como foi o show que eu mais esperei pra ver ao vivo)

Domingo, 22 de março de 2009, Just a Fest. Seis e trinta, e tem início o show do Los Hermanos. Escuto o trio de metais tocar os acordes iniciais de Todo Carnaval Tem Seu Fim, mas eu ainda estou do lado de fora, por causa de todo o trânsito e confusão. Dentro da Chácara do Jóquei, já consigo ouvir Primeiro Andar, mas sem enxergar o palco ainda.

Já tinha visto a banda carioca quase uma dezena de vezes ao vivo, e esse foi um dos shows mais mornos. A maior parte do público não estava lá pra vê-los, Marcelo Camelo parecia desanimado e Rodrigo Amarante um pouco mais feliz. Longe da empolgação que tinha nos tempos áureos da banda.

Conseguiram levantar o público mesmo só em músicas como O Vencedor, Além do Que Se Vê e A Flor. Mas foi pouco perto dos grandes espetáculos que já vi do Los Hermanos.

O Kraftwerk fez um show muito interessante. Não é o tipo de música que tenho costume de ouvir, mas aliado a infraestrutura de palco, telões e iluminação, a banda conseguiu fazer um show agradável e curioso. Creio que se o Radiohead não fosse tocar depois, eu apreciaria mais o show dos alemães.

Mas a noite era do Radiohead! 15 step foi a abertura do show, seguida da fantástica There There. Senti um frio na espinha e me dei conta eu realmente estava num show do Radiohead. E parecia que todos os presentes ainda estavam em estado de choque. Foi em Karma Police, a sexta música, que o voz da platéia se fez ouvir em alto e bom som.

O show foi longo, cheio de altos e altos! Um momento bonito foi quando Thom Yorke acompanhado de Jonny Greenwood tocaram Faust Arp no violão. 30 mil pessoas ficaram em silêncio, apenas apreciando e se emocionando. Jigsaw Falling Into Place e Idioteque foram tocadas na sequência, e ninguém foi capaz de ficar parado.

Duas músicas do filme Romeu e Julieta foram tocadas: a desconhecida Talk Show Host, e a, talvez minha preferida, Exit Music (For a Film). Até pensei que fosse chorar, mas meninos não choram e eu resisti.

No primeiro bis, os fãs pareciam que não queriam deixar a música Paranoid Android, de quase 7 minutos, terminar. Continuaram cantando. Thom Yorke acompanhou. Na sequência veio a clássica Fake Plastic Trees, num dos momentos mais belos do show.

No segundo bis, House of Cards apareceu numa nova roupagem. Durante You And Whose Army?, um close olho de Thom Yorke era visto no telão, provocando um misto de tensão e risadas na platéia.

O álbum mais recente, In Rainbows, foi tocado na íntegra, com algumas canções um pouco diferentes do original. Só o primeiro disco não tinha sido lembrado, até o terceiro (!!!) bis, quando tocaram Creep, fechando assim um dos shows mais completos e emocionantes que já assisti. Talvez o maior de todos!

Valeu toda a expectativa, valeu a espera, valeu o dinheiro, valeu a emoção.

Comentários

  1. Anônimo3:39 PM

    Que maravilha gregoriano!! Eu também fui neste show e também relatei a experiência no meu humilde blog. hehe

    Aliás achei o seu blog procurando informações sobre o Sérgio Malandro na UFMG.

    Parabéns meu caro!

    Abraço
    Vital

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…

O que acontece se um vampiro morder um zumbi? E se um zumbi morder um vampiro?

Já parou pra pensar no que acontece quando um vampiro morde um zumbi? Será que o zumbi vira um vampiro? E quando a situação é a inversa? Será que uma mordida de zumbi transforma o ser de dentes pontudos?
Tanto vampiros quanto zumbis são seres que podem ser classificados como "mortos-vivos". Isso significa que, apesar deles conseguirem executar certas ações que usualmente apenas os seres vivos são capazes, eles estão mortos. Na prática, se um vampiro morder um zumbi ou vice-versa não acontece nada. 

A razão desse efeito (ou da ausência de efeito) é que os zumbis mordem apenas seres vivos. Por esse motivo, eles não mordem outros zumbis, vampiros e múmias, por exemplo.
Por outro lado, os vampiros precisam se alimentar de sangue de seres vivos. E, embora os zumbis tenham sangue circulando em suas veias, eles já estão mortos.
Assim sendo, se um vampiro cruzar com um zumbi, certamente eles não se atacarão. E mesmo supondo que seja um vampiro doidão que queira morder um ser um put…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…