Pular para o conteúdo principal

mpQualquercoisa

avio c1000 - Cópia

Quando um dos meus celulares estragou, achei que seria interessante comprar um novo aparelho que suportasse 2 chips simultâneos.

As grandes fabricantes não produzem esse tipo de telefone, nem é possível encontrá-los nas lojas das operadas. Quem quiser tem que comprar um importado Made in China.

O que eu comprei é essa da foto, o Avio C1000. Mas isso não importa – você encontra dezenas de modelos diferentes, cujas diferenças são mínimas. Podem ser chamados de MP7 a MP10, mas isso tudo é bobagem. Só pra ter uma idéia, encontrei o meu C1000 sendo vendido como MP7, MP8 e MP10.

Para esclarecer essa nomenclatura picareta, sugiro uma consulta ao artigo MPx Player, da Wikipédia.

Mas além de funcionar com 2 chips ao mesmo tempo, o que o meu MPinfinito tem?

MP3 player: O som é bom, e o tempo de mudança de música para outra não incomoda. O grande problema é que não há um software de organização de músicas tal qual o iTunes, o que implica ao usuário organizar suas músicas em pastas antes de gravá-las no cartão de memória.

Vídeo player: A tela tem um bom tamanho para visualização dos vídeos. O ideal é salvar os filmes no formato 3gp (e não MP4, como sugerido). Eficiente.

Câmeras: São 2 câmeras. Embora a carcaça do aparelho informe que elas tem 6 Megapixels de resolução, a maior foto que você consegue tirar é em VGA (0.3 MP). E a impressão que dá é que, mesmo em VGA, a foto é interpolada, pois a imagem é muito ruim. O flash de LED não ilumina o suficiente. Para filmar, 2 (dois) quadros por segundo. Dispensa qualquer outro comentário.

Saídas de som: Há uma caixa de som boa, e uma saída para fone de ouvido, que acompanha o aparelho. Mas qualquer fone convencional pode ser usado.

TV: Recepção de sinal analógico da TV, com a imagem muito boa. Serve basicamente pra duas coisas: você chegar pra um amigo e falar: “Olha que legal, meu telefone pega televisão!” ou então pra assistir um jogo de futebol quando você estiver no meio de uma viagem. É possível gravar o programa que está passando na TV.

Touch Screen: Serve principalemnte pra dar um charme pro aparelho, pois todas as suas funções são acessiveis pelo teclado. É interessante usá-la pra escrever SMS. Mas a resposta aos comandos é lenta.

Acelerômetro:  Se você virar o aparelho 90 graus, a tela também vira. Chacoalhando o aparelho, você troca o papel de parede. Dispensável, mas ajuda a vender.

Internet: Acessa apenas WAP, via GPRS. A tela grande facilita a navegação. O difícil é configurá-la – as operadoras não estão preparadas, então você tem que fazer tudo manualmente. Nada que umas pesquisas na web não resolvam, embora isso tenha me demandado um tempo considerável.

Softwares: Nada relevante. Uns joguinhos bobos, calendário, conversor de unidades, etc. Uma grande falha é que não é possível instalar novos aplicativos.

Memória: Aceita cartões MicroSD de até 4 gigabytes. É mais do que o suficiente, pois as fotos e vídeos que você fizer vão ocupar um espaço irrisório da memória. Dá pra colocar umas 1000 músicas.

Bluetooth: Não usei muito, só posso dizer que funciona.

Conclusões

Está bem longe de ser um smartphone, é um aparelho voltado principalmente para multimídia. Mas ele é meio “pato”: sabe nadar, andar e voar, mas não faz nada disso direito.

Seu grande mérito está na possibilidade de uso de 2 chips – aliás, esse foi o motivo que me fez comprá-lo. Mesmo que ele não tivesse nenhum dos outros recursos acima citados, valeria a pena. O preço é baixo, o que faz com que a relação custo-benefício seja interessante.

P.S.: Meu aparelho que estragou não foi o Motofone F3, foi um outro bem mais antigo. Vendi o meu F3, mas ainda acho que ele é uma boa pedida, dependendo da sua necessidade!

Comentários

  1. Obrigado achei interessante suas dicas. Abraços

    ResponderExcluir
  2. Pra você que diz gostar de todos os aparelhos separados e com suas funções específicas... até que um meio pato veio a calhar...

    ResponderExcluir
  3. E ainda prefiro aparelhos separados com funções específicas!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…

O que acontece se um vampiro morder um zumbi? E se um zumbi morder um vampiro?

Já parou pra pensar no que acontece quando um vampiro morde um zumbi? Será que o zumbi vira um vampiro? E quando a situação é a inversa? Será que uma mordida de zumbi transforma o ser de dentes pontudos?
Tanto vampiros quanto zumbis são seres que podem ser classificados como "mortos-vivos". Isso significa que, apesar deles conseguirem executar certas ações que usualmente apenas os seres vivos são capazes, eles estão mortos. Na prática, se um vampiro morder um zumbi ou vice-versa não acontece nada. 

A razão desse efeito (ou da ausência de efeito) é que os zumbis mordem apenas seres vivos. Por esse motivo, eles não mordem outros zumbis, vampiros e múmias, por exemplo.
Por outro lado, os vampiros precisam se alimentar de sangue de seres vivos. E, embora os zumbis tenham sangue circulando em suas veias, eles já estão mortos.
Assim sendo, se um vampiro cruzar com um zumbi, certamente eles não se atacarão. E mesmo supondo que seja um vampiro doidão que queira morder um ser um put…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…