Pular para o conteúdo principal

150 shows

Eu realmente gosto de ir a shows. E sempre que possível, procuro comparecer àqueles que considero interessantes – ou não.

Tentei contar em quantos já fui. Impossível, pois são muitos e minha memória já excluiu vários deles. Principalmente aqueles de bandas pequenas, que assisti e nunca mais ouvi falar.

Resolvi listar então algumas das bandas cuja performance já presenciei ao vivo, e que ainda me lembro. Queria parar no número 50, mas ele foi aumentando… Embalei e nem percebi que passei das 100, parando assim em 150.

A lista inclui shows incríveis como Radiohead e Keane, românticos como Maria Rita e Marisa Monte, familiares (para mim) como B-Atrix e Danilo França. Há bandas que já fui em diversos shows (somando Pato Fu, Los Hermanos, Skank e Tianastácia, o número passa de 30), e outras que eu nem deveria ter ido, como KLB e Calypso.

Tem música clássica (Arthur Moreira Lima, Orquestra Sinfônica), rock progressivo (Cartoon, Cálix), metal (Angra, Sepultura), emocore (Fresno, Dance Of Days). Já fui em alguns shows de gosto duvidoso, de axé (É o Tchan, Jammil), sertanejo (Edson e Hudson, Vítor e Leo), pagode (Só Pra Contrariar)…

Aí vai a lista!

Internacionais

All Systems Go!
Bloc Party
Foals
Interpol
Kaiser Chiefs
Keane
Kraftwerk
Lemonheads
Oasis
Radiohead
Soul Asylum
Spoon
The Jesus And Mary Chain
The Offspring

Nacionais

Angra
Antenafobia
Arthur Moreira Lima
B-Atrix
Bendz
Bidê ou Balde
Biquini Cavadão
Brothers Of Brazil
Cachorro Grande
Cálix
Cameloucos
Capital Inicial
Cartoon
Charlie Brown Jr
Cidade Negra
Clã
cLAP!
CPM 22
Curumin
Czar
Dance Of Days
Danilo França
Dead Fish
Detonautas
Di Vinnil
Dib Six
Elétrika
Engenheiros do Hawaii
Fernanda Abreu
Fernanda Takai
Five-O-Five
Fr!la
Frejat
Fresno
Gabriel, O Pensador
Gardenais
Gatalógica
Germano Soraggi
Gram
Hot Rod Combo
Hurtmold
Ira!
Jam Pow!
Jota Quest
Juca Chaves
Kawabanga
Kid Abelha
Korzus
La Sangria
Leela
Lenine
Lísias
Los Beduínos
Los Hermanos
Ludov
Mallu Magalhães
Manitu
Marcelo D2
Marcelo Nova
Maria Rita
Mariana Rios
Marisa Monte
Mary's Band
Max Andrya
Monno
Moptop
Móveis Coloniais de Acaju
Nação Zumbi
Nando Reis & Os Infernais
Natasha
Natiruts
Nem Secos Nem Molhados
Nenhum de Nós
O Rappa
O Surto
Orquestra Sinfônica de Minas Gerais
Os Mutantes
Os Paralamas do Sucesso
Os Patto
Pato Fu
Peixe Piloto
Pitty
Planet Hemp
Punkose
Raimundos
Ramirez
Reação em Cadeia
Reggae B
Regra de Três
Rodox
RPM
Sepultura
Sérgio Mallandro
Serial Punker
Sgt. Peppers
Shaman
Sideral
Skank
Squadra
Symbollic
Terceira Edição
Terral
Tianastácia
Tihuana
Titãs
Udora
Ultraje a Rigor
Vanguart
Wander Wildner
Wartime
Wiwi
Wonkavision
Zabumba
Zé Ramalho
Zoom Bee Doo

O resto, pra completar os 150

Álvaro Jr e Alex Ribeiro
Arasamba
Aurélio e Eliane
Bamdamel
Banda Bakana
Beto Jamaica
Calypso
Chitãozinho e Xororó
Daniel
É o Tchan
Edson e Hudson
Emílio e Eduardo
Flávio e Leandro
Jammil e Uma Noites
KLB
Leonardo
Rionegro e Solimões
Silvio e Robson
Só Pra Contrariar
Vítor e Leo
Wanessa Camargo

Comentários

  1. eu acho que... vc tava um pouquinho entediado pra conseguir lembrar de tantos shows. hehe. invejinha do kaiser chiefs. mas tem vários que eu não ia nem de graça. x]

    ResponderExcluir
  2. Anônimo4:54 PM

    Posso roubar sua idéia?

    Alto lá!
    O Clã não é uma banda portuguesa não?

    ResponderExcluir
  3. Ei Ana! Entediado sim, estudar demais faz mal... KLB foi de graça, tá? =] E olha só, você pode me fazer inveja pq foi ao Linkin Park (?)

    E Vital, conheço o Clã de Portugal (uma espécie de Pato Fu da Europa), mas esse show que listei é de uma banda homônima lá de Araxá. Ah, já vi que você roubou a ideia, mas tá autorizado, hehe

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…

O que acontece se um vampiro morder um zumbi? E se um zumbi morder um vampiro?

Já parou pra pensar no que acontece quando um vampiro morde um zumbi? Será que o zumbi vira um vampiro? E quando a situação é a inversa? Será que uma mordida de zumbi transforma o ser de dentes pontudos?
Tanto vampiros quanto zumbis são seres que podem ser classificados como "mortos-vivos". Isso significa que, apesar deles conseguirem executar certas ações que usualmente apenas os seres vivos são capazes, eles estão mortos. Na prática, se um vampiro morder um zumbi ou vice-versa não acontece nada. 

A razão desse efeito (ou da ausência de efeito) é que os zumbis mordem apenas seres vivos. Por esse motivo, eles não mordem outros zumbis, vampiros e múmias, por exemplo.
Por outro lado, os vampiros precisam se alimentar de sangue de seres vivos. E, embora os zumbis tenham sangue circulando em suas veias, eles já estão mortos.
Assim sendo, se um vampiro cruzar com um zumbi, certamente eles não se atacarão. E mesmo supondo que seja um vampiro doidão que queira morder um ser um put…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…