Pular para o conteúdo principal

Pato Fu no Boulevard Tatuapé

Eu estranhava o fato do Pato Fu fazer mais shows em São Paulo que no resto do país. Entendi o porquê no último domingo, no Shopping Boulevard Tatuapé. Confesso que nunca tinha visto tantos gritinhos histéricos e aplausos acalorados num show dos patos. E olha que já fui em uma dezena.

A música que eles fazem trata de temas universais, sem nenhuma espécie de regionalismo. Logo, quanto maior a cidade, maior o número de fãs. Com o local lotado, um público que mesclava vovós, crianças de colo, famílias reunidas, manos e os indies de sempre, o Pato Fu fez todos esquecerem que era hora do almoço.

Músicas de todos os álbuns da banda foram executadas, embora os 3 primeiros discos tenham contribuído com apenas uma canção cada (Gimme 30, Sobre o Tempo e Capetão 66.6 FM). Os hits Perdendo Dentes, Depois e Ando Meio Desligado fizeram todos cantar juntos. Canção pra você viver mais foi emocionante como sempre.

As belas músicas do último trabalho, Daqui Pro Futuro, ainda não emplacaram ao vivo. Muitos ainda não as conhecem, talvez pela menor presença da banda nas rádios e novelas desde que se tornou independente. A belíssima 30.000 pés e a divertida Nada Original se destacaram. Em Woo!, John se vangloriou de fazer um refrão mais fácil que os do Jota Quest.

Ainda houve tempo para tocarem os lados-b preferidos de muitos fãs: Imperfeito e Um Dia, Um Ladrão, músicas-irmãs que usualmente não são tocadas no mesmo show.

No já tradicional encerramento com Uh Uh Uh, Lá Lá Lá, Ié Ié, cheguei à conclusão que não importa quantas vezes eu assistir o Pato Fu – eu sempre vou achar sensacional.

Comentários

  1. Anônimo4:53 PM

    "Você não vai, não vou também..."

    ;o)

    ResponderExcluir
  2. voce devia colocar fotos aqui pra gente ver não acha ficaria legal , porque nao coloca...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…

O que acontece se um vampiro morder um zumbi? E se um zumbi morder um vampiro?

Já parou pra pensar no que acontece quando um vampiro morde um zumbi? Será que o zumbi vira um vampiro? E quando a situação é a inversa? Será que uma mordida de zumbi transforma o ser de dentes pontudos?
Tanto vampiros quanto zumbis são seres que podem ser classificados como "mortos-vivos". Isso significa que, apesar deles conseguirem executar certas ações que usualmente apenas os seres vivos são capazes, eles estão mortos. Na prática, se um vampiro morder um zumbi ou vice-versa não acontece nada. 

A razão desse efeito (ou da ausência de efeito) é que os zumbis mordem apenas seres vivos. Por esse motivo, eles não mordem outros zumbis, vampiros e múmias, por exemplo.
Por outro lado, os vampiros precisam se alimentar de sangue de seres vivos. E, embora os zumbis tenham sangue circulando em suas veias, eles já estão mortos.
Assim sendo, se um vampiro cruzar com um zumbi, certamente eles não se atacarão. E mesmo supondo que seja um vampiro doidão que queira morder um ser um put…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…