Pular para o conteúdo principal

The Killers debaixo d'água


A chuva não deu trégua, e ao chegar à Chácara do Jockey para assistir ao show do The Killers, fui recebido com uma grande poça de lama. Achei que seria só na entrada, mas ao ver a pista em frente ao palco percebi que não tinha jeito: era torcer pra não pegar leptospirose e afundar o pé na enchente.

Durante as duas horas que antecederam o show, fiz um barquinho de papel, vi pessoas caírem na água ou mergulharem de propósito, concurso de camiseta molhada e outras bizarrices.

Qualquer organizador sensato teria cancelado ou transferido o show, e se a secretaria de saúde vistoriasse o local provavelmente não teríamos a apresentação. Eu resolvi não pensar nas consequências para minha saúde e deixei o espírito do rock an roll me levar.

Eu e mais 12 mil pessoas.

O hit Human abriu o show, no mais arrepiante início de show que já presenciei. Bastou a primeira nota para que todos começassem a pular e a água suja que estava quase nos joelhos espirrar até o pescoço. A plateia cantou junto com a banda e a partida começou ganha para Brandon Flowers e sua trupe.

A partir daí o que se viu foi um público entregue (que está na chuva é pra se molhar) e uma sequência de canções de tirar o fôlego: This Is Your Life, Somebody Told Me, For Reasons Unknown, Bones, The World We Live In, e a dançante Joy Ride, uma das minhas favoritas.

Com apenas 3 discos lançados (mais um de b-sides), a banda consegue preencher um show só com hits, acompanhados em uníssono pelos espectadores. Flowers ainda tentou cantar o cover Can't Help Falling In Love, de Elvis Presley, mas a plateia não deixou e cantou junto.

Há quem diga que o The Killers pensa que é o U2 atualmente. Pelo que vi, pelas canções épicas, efeitos especiais, e resposta do público, a banda tem tudo para se tornar o substituto dos irlandeses nos estádios lotados no futuro.

O verso "I got soul but I'm not a soldier" transcendeu a música All These Thing That I've Done e virou um hino de uma geração de americanos marcados pela guerra. Repetido à exaustão, encerrou a primeira parte do show.

No bis, duas canções dos primeiros discos, Jenny Was A Friend Of Mine e When You Were Young recheadas de efeitos especiais, deixando o público extasiado.

Cinco anos após o lançamento do primeiro disco, o The Killers se despediu deixando a impressão de que em breve estarão lotando estádios e arrastando multidões.

P.S.: Eu achava que a Chácara do Jockey não poderia ser um lugar pior do que foi na época no show do Radiohead, que os organizadores aprenderiam com os erros. A grande ironia é que dois dos shows mais fantásticos que assisti aconteceram no pior lugar o possível para realizá-los.

Na área em que permaneci durante o show, vi 3 celulares/câmeras mergulharem no pântano. Não quis arriscar o meu também: a chuva não deu trégua, e o movimento dos humanos em volta era perigoso. Por esses motivos, não tenho nenhuma foto do show, só do antes e depois.

Comentários

  1. Gregório,

    Uma coisa é certa: a chuva deu um tom bem especial para o show. Quem não se emputeceu e entrou na onda, se divertiu deveras. Esse é meu caso e pelo visto foi o seu tb. E concordo que a Chácara do Jockey é o pior lugar pra se fazer shows, mas incrivelmente abrigou meus melhores shows tb.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. É revoltante não haver um lugar adequado pra receber gigantes da música contemporânea como Killers e Radiohead aqui no Brasil. Mas a gente vai levando. Afinal, quem se importa em levar um pouco de lama pra casa pra ouvir essas maravilhas ao vivo?

    ResponderExcluir
  3. Juliana2:05 AM

    Fiquei tentando tirar um monte de fotos e vídeos e só consegui aproveitar dois, pois a lente ficou toda embaçada com a chuva. Só perdi tempo... Você fez bem em não usar a câmera, já que disponibilizaram muitas fotos legais no orkut.

    Na hora do show nem pensei na lama e só quando terminou percebi que meu estado era pior do que eu pensava. Pelo menos vai ser mais uma história pra contar desse show memorável!!!

    ResponderExcluir
  4. Fuck you !! _I_

    ResponderExcluir
  5. Bonito, muito bonito!

    ResponderExcluir
  6. O tênis e meias ainda são aproveitáveis?

    ResponderExcluir
  7. A meia foi direto pro lixo.

    O tênis eu tentei lavar algumas vezes, mas ele anda colorindo as meias de marrom...

    ResponderExcluir
  8. Meu all star era branco e roxo, agora tenho um marrom e... Marrom, Mas valeu a pena e acho até que a chuva e suas conseqüências só influenciaram para que o show mostrasse o quanto foi contagiante e, espetacular independente de qualquer coisa.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

O custo de um carro popular é muito maior do que você pensa (uma história real)

Nunca tive o sonho de comprar um carro, até mesmo porque nem gosto de dirigir fora do videogame. E como até pouco tempo atrás eu tinha transporte da empresa para o trabalho, comprar um carro seria um capricho muito caro e desnecessário. Até que voltei para Belo Horizonte e senti a necessidade de comprar um automóvel para ter um pouco mais de conforto. Comprei meu primeiro carro em maio de 2014.

Em 30 meses e pouco mais de 43.000 km rodados, o meu carro gerou um custo mensal de R$1407,02.


Esse valor não inclui o valor que paguei no automóvel, ele refere-se apenas a gastos realizados que não poderão ser repostos com a venda do carro. Pode até parecer um valor muito alto, mas ele foi rigorosamente calculado e pode surpreender os desavisados.

E veja só, meu carro não é extravagante: é um Volkswagen up! com a maioria dos opcionais. Tem motor 1.0, consome muito pouco combustível e a manutenção é relativamente barata. É que mesmo um carro popular pode sair muito caro.

R$27.044,14 com despesas …

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…