Pular para o conteúdo principal

The Killers debaixo d'água


A chuva não deu trégua, e ao chegar à Chácara do Jockey para assistir ao show do The Killers, fui recebido com uma grande poça de lama. Achei que seria só na entrada, mas ao ver a pista em frente ao palco percebi que não tinha jeito: era torcer pra não pegar leptospirose e afundar o pé na enchente.

Durante as duas horas que antecederam o show, fiz um barquinho de papel, vi pessoas caírem na água ou mergulharem de propósito, concurso de camiseta molhada e outras bizarrices.

Qualquer organizador sensato teria cancelado ou transferido o show, e se a secretaria de saúde vistoriasse o local provavelmente não teríamos a apresentação. Eu resolvi não pensar nas consequências para minha saúde e deixei o espírito do rock an roll me levar.

Eu e mais 12 mil pessoas.

O hit Human abriu o show, no mais arrepiante início de show que já presenciei. Bastou a primeira nota para que todos começassem a pular e a água suja que estava quase nos joelhos espirrar até o pescoço. A plateia cantou junto com a banda e a partida começou ganha para Brandon Flowers e sua trupe.

A partir daí o que se viu foi um público entregue (que está na chuva é pra se molhar) e uma sequência de canções de tirar o fôlego: This Is Your Life, Somebody Told Me, For Reasons Unknown, Bones, The World We Live In, e a dançante Joy Ride, uma das minhas favoritas.

Com apenas 3 discos lançados (mais um de b-sides), a banda consegue preencher um show só com hits, acompanhados em uníssono pelos espectadores. Flowers ainda tentou cantar o cover Can't Help Falling In Love, de Elvis Presley, mas a plateia não deixou e cantou junto.

Há quem diga que o The Killers pensa que é o U2 atualmente. Pelo que vi, pelas canções épicas, efeitos especiais, e resposta do público, a banda tem tudo para se tornar o substituto dos irlandeses nos estádios lotados no futuro.

O verso "I got soul but I'm not a soldier" transcendeu a música All These Thing That I've Done e virou um hino de uma geração de americanos marcados pela guerra. Repetido à exaustão, encerrou a primeira parte do show.

No bis, duas canções dos primeiros discos, Jenny Was A Friend Of Mine e When You Were Young recheadas de efeitos especiais, deixando o público extasiado.

Cinco anos após o lançamento do primeiro disco, o The Killers se despediu deixando a impressão de que em breve estarão lotando estádios e arrastando multidões.

P.S.: Eu achava que a Chácara do Jockey não poderia ser um lugar pior do que foi na época no show do Radiohead, que os organizadores aprenderiam com os erros. A grande ironia é que dois dos shows mais fantásticos que assisti aconteceram no pior lugar o possível para realizá-los.

Na área em que permaneci durante o show, vi 3 celulares/câmeras mergulharem no pântano. Não quis arriscar o meu também: a chuva não deu trégua, e o movimento dos humanos em volta era perigoso. Por esses motivos, não tenho nenhuma foto do show, só do antes e depois.

Comentários

  1. Gregório,

    Uma coisa é certa: a chuva deu um tom bem especial para o show. Quem não se emputeceu e entrou na onda, se divertiu deveras. Esse é meu caso e pelo visto foi o seu tb. E concordo que a Chácara do Jockey é o pior lugar pra se fazer shows, mas incrivelmente abrigou meus melhores shows tb.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. É revoltante não haver um lugar adequado pra receber gigantes da música contemporânea como Killers e Radiohead aqui no Brasil. Mas a gente vai levando. Afinal, quem se importa em levar um pouco de lama pra casa pra ouvir essas maravilhas ao vivo?

    ResponderExcluir
  3. Juliana2:05 AM

    Fiquei tentando tirar um monte de fotos e vídeos e só consegui aproveitar dois, pois a lente ficou toda embaçada com a chuva. Só perdi tempo... Você fez bem em não usar a câmera, já que disponibilizaram muitas fotos legais no orkut.

    Na hora do show nem pensei na lama e só quando terminou percebi que meu estado era pior do que eu pensava. Pelo menos vai ser mais uma história pra contar desse show memorável!!!

    ResponderExcluir
  4. Fuck you !! _I_

    ResponderExcluir
  5. Bonito, muito bonito!

    ResponderExcluir
  6. O tênis e meias ainda são aproveitáveis?

    ResponderExcluir
  7. A meia foi direto pro lixo.

    O tênis eu tentei lavar algumas vezes, mas ele anda colorindo as meias de marrom...

    ResponderExcluir
  8. Meu all star era branco e roxo, agora tenho um marrom e... Marrom, Mas valeu a pena e acho até que a chuva e suas conseqüências só influenciaram para que o show mostrasse o quanto foi contagiante e, espetacular independente de qualquer coisa.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…

O que acontece se um vampiro morder um zumbi? E se um zumbi morder um vampiro?

Já parou pra pensar no que acontece quando um vampiro morde um zumbi? Será que o zumbi vira um vampiro? E quando a situação é a inversa? Será que uma mordida de zumbi transforma o ser de dentes pontudos?
Tanto vampiros quanto zumbis são seres que podem ser classificados como "mortos-vivos". Isso significa que, apesar deles conseguirem executar certas ações que usualmente apenas os seres vivos são capazes, eles estão mortos. Na prática, se um vampiro morder um zumbi ou vice-versa não acontece nada. 

A razão desse efeito (ou da ausência de efeito) é que os zumbis mordem apenas seres vivos. Por esse motivo, eles não mordem outros zumbis, vampiros e múmias, por exemplo.
Por outro lado, os vampiros precisam se alimentar de sangue de seres vivos. E, embora os zumbis tenham sangue circulando em suas veias, eles já estão mortos.
Assim sendo, se um vampiro cruzar com um zumbi, certamente eles não se atacarão. E mesmo supondo que seja um vampiro doidão que queira morder um ser um put…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…