Pular para o conteúdo principal

Planeta Terra

DSC00458

A primeira grande sacada do Planeta Terra Festival desse ano foi realizar o evento dentro do Playcenter, com os brinquedos à disposição do pessoal. Ótima ideia!

Pra melhorar a situação, fui um dos vencedores da promoção do ônibus do Terra, e pude aproveitar o festival do ônibus-camarote.

Comecei assistindo ao show instrumental do Macaco Bong. Mas aí o parque começou a me chamar e resolvi brincar um pouco.

O show dos Móveis Coloniais de Acaju foi animado como sempre, embora o local ainda estivesse um pouco vazio. Gritei “toca Gregório”, mas não consegui que atendessem o pedido de tocarem uma música com meu nome.

Vi o começo da apresentação do Maxïmo Park. Eles devem ser uma espécie de Jota Quest na Inglaterra: músicos competentes, canções cheias de refrões grudentos, presença de palco, carisma, mas nada de revolucionário. No meio do show meu espírito dançante acabou me levando ao palco onde o Copacabana Club tocava. E foi uma boa escolha, pois o show dos curitibanos foi animadíssimo.

Comecei a assistir o Primal Scream, e achei melhor do que esperava. Até porque pelo pouco que conhecia da banda, eu não esperava nada. Mas preferi seguir para o palco onde o elfo andrógino Patrick Wolf tocava seu rock celta recheado de violinos, danças exageradas e roupas esquisitas. E uma das músicas eu vi da montanha russa!

Na hora do Sonic Youth chovia muito. Fiquei dentro do ônibus-camarote assitindo da janelinha. Nem aproveitei muito mas gostei, principalmente porque tocaram muitas canções do disco mais recente, meu favorito.

Meia-noite, hora de escolher entre Iggy Pop e Ting Tings. Preferi o Ting Tings, e pra mim foi o melhor show do festival. Incrível como apenas duas pessoas conseguem fazer um show tão empolgante e cheio de atitude.

Ainda consegui ver o finalzinho do show do vovô Iggy Pop, mas não acompanhei a hora da confusão e invasão do palco. Tenho a impressão de que no mundo do rock and roll, os melhores momentos, que ficam para a história, são aqueles em que tudo dá errado.

Mas melhor que os shows, foi o clima de Big Brother do ônibus do Terra. Pessoas que só se conheciam nas redes sociais acabaram compondo uma turma que parecia ser formada por amigos de infância.

E o Planeta Terra continua sendo o melhor festival de música do Brasil.

get

Comentários

  1. Mônica7:25 PM

    Sim, foi um ótimo festival.Tings Tings realmente foi o melhor, Copacabana também foi bom demais.A galera mais animada foi a do ônibus *-*

    ResponderExcluir
  2. Caaaara, não sei se vc lembra de mim, mas sou o Neto, de Araxá! Haha, eu fui com o Bruno (tb de Araxá) para o festival e, num momento bem a toa a gnt olhou pro ônibus do Terra e vimos vc lá, ai o Bruno "Eu já vi aquele cara em Araxá, eu acho", dai lembrei "Ah, é o Gregório, irmão do Pedrinho e que é louco por Pato Fu", hahaha. Enfim, te vi comentando no Move That Jukebox! e resolvi vir dar um alô! E by the way, bem legais seus textos! Abraço

    ResponderExcluir
  3. Ei Neto, valeu pela visita!
    O Pato Fu ainda é minha banda favorita, sempre que dá vou aos shows deles (eles tocaram no festival em 2007)
    Abraço

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…