Pular para o conteúdo principal

Os 5 melhores discos internacionais de 2009

Usualmente, as discussões em torno das listas de fim de ano fica em torno de quem ficou de fora, e não de quem está dentro dela. Limitei a 5 o número de álbuns eleitos, o que me deixou com um aperto no coração ao não incluir o Muse, Matt & Kim, Lily Allen e muitos outros. Mas não vamos discutir as ausências, o que importa é a lista dos 5 melhores discos internacionais de 2009:

God Help The Girl God Help The Girl - God Help The Girl
É um projeto solo do vocalista do Belle and Sebastian, Stuart Murdoch. Detalhe: aqui ele não é o vocalista principal. Diversas cantoras desconhecidas foram convidadas para cantar nessa empreitada. Como uma espécie de ópera-rock, o disco apresenta uma série de músicas com personagens em comum, e parece - muito - a banda escocesa. Natural, pois o Belle and Sebastian toca em todo álbum. Com belas e fofas melodias e letras inteligentes, God Help The Girl é uma extensão do trabalho de uma das bandas mais populares do rock alternativo.

 

Folder Julian Casablancas - Phrazes For The Young
Pegue os Strokes, tire as guitarras marcantes e deixe a voz soar de forma mais natural, sem distorções. Uma análise simplória definiria assim o disco solo do vocalista Julian Casablancas. É um album curto - apenas 8 músicas - mas muito gostoso de se ouvir. Com influências dos anos 80, muitos barulhinhos de teclado e uma veia dançante, foi uma boa surpresa pra mim, embora os críticos da indústria musical não tenham gostado muito do álbum.

 

Morrissey - Years Of Refusal Morrissey - Years of Refusal
O ex-vocalista dos Smiths permanece como um dos poucos tiozões da música que ainda está no auge de sua criatividade. Letras inspiradas e que te fazem pensar acompanhadas de melodias marcantes.Também lançou o álbum Swords no final desse ano, mostrando que o show deve continuar.

 

Folder Arctic Monkeys - Humbug
Cercado de expectativa, o disco surpreendeu os fãs. Onde estavam os garotos que cantavam canções que faziam o público pular nas pistas? À primeira audição, minha conclusão foi um "Eu acho que não gostei". Dando mais uma chance, tomei gosto pelas mudanças do álbum, e já fiquei com uma pulga atrás da orelha: o que será que os macacos do ártico irão aprontar da próxima vez?

 

Manners Passion Pit - Manners
Difícil um disco de estreia entrar numa lista de melhores - mas esse merece. Pop dançante, com riffs memoráveis e voz em falsete fizeram do Passion Pit uma das mais interessantes bandas que apareceram nos últimos tempos. E Little Secrets é muito viciante!

Comentários

  1. Eu sabia que alguma coisa do Belle and Sebastian apareceria em sua lista, cliquei nos melhores internacionais só para confirmar a minha suspeita!! Mas vou ouvi-los depois postarei minhas opiniões a respeito. By the way, saudadess...
    Marcela T.

    ResponderExcluir
  2. Mas Belle and Sebastian é bom mesmo!

    ResponderExcluir
  3. Opa, muito bom gosto!! Desde que escutei o clássico Tiger Milk, não deixei de acompanhar a banda haueha baixei tudo, discografia e etcs. vc já viu o dvd 'Fans Only'? dá pra notar que eles tem um carinho especial pelo brasil :D

    Mto estranho, só baixei esses dias o album do julian e passion pit, gostei pra caramba tb xD

    Arctic monkeys, vou nem falar, sou fã mortal dessa banda :P como vc disse, foi um choque ver uma mudança drástica no estilo... mas depois de ouvir mais de uma vez, viciei geral xD qndo vi o meu last.fm, o album era um dos mais tocados haha :)

    Gostei do Blog, irei acompanhar sempre que der!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…