Pular para o conteúdo principal

As figurinhas da Copa do Mundo

Álbum da Copa 2010

Sempre gostei muito de álbuns de figurinhas, mas sempre tive dificuldade para trocar as repetidas. Enquanto todo mundo colecionava os álbuns de futebol, eu tentava completar as coleções do Jurassic Park, Rei Leão, Changeman e Marvel Super Heroes, entre outras - ou seja - ninguém colecionava os mesmo álbuns que eu.

Confesso que na última semana, pela primeira vez tive vontade de colecionar o álbum de figurinhas da Copa do Mundo. Como é uma diversão que envolve um custo considerável, resolvi refletir um pouco e tomar uma decisão racional.

E cheguei a algumas conclusões que me direcionam fortemente a não comprar o álbum.

Vejam só, são 640 figurinhas. Cada uma custa R$0,15. Somadas ao preço do álbum, o gasto total chega a R$99,90 – valor mínimo, pois a probabilidade de não sair nenhuma figurinha repetida é ínfima. Sem contar que se eu quiser personalizar uma figurinha com a minha foto (no álbum tem um espaço para colá-la) vou gastar no mínimo mais R$25,60.

As seleções ainda não foram escaladas. Por esse motivo, os times do álbum não são necessariamente os mesmos que jogarão na África do Sul.

Do ponto de vista da sustentabilidade, o álbum é um desperdício enorme de papel.

E de qualquer forma, se eu realmente quiser ter acesso à todas as informações contidas no álbum, eu posso muito bem comprar uma revista. Usualmente, a Placar e outras publicações esportivas sempre lançam uma edição especial com fotos de todos os jogadores, estádios, etc. Isso por um preço mais de 10 vezes menor, e com as escalações oficiais dos times. E gastando muito menos papel.

Eu nunca tinha pensado assim, mas o álbum de figurinhas é umas das maiores exaltações de consumismo da sociedade moderna.

Comentários

  1. Anônimo8:02 PM

    É cara..vc nunca ouviu falar em ter prazer de fazer algo? pois pronto álbum de figurinha da Copa é um dos meus vícios prediletos desde criaça. E vc deve ser anti social eu não conseguir trocar suas figurinhas, e tenho dito!

    ResponderExcluir
  2. Na primeira vez que tinha escrito não tinha ficado clara a causa da minha incapacidade de trocar as repetidas - é porque ninguém nunca colecionava os mesmos álbuns que eu!
    Já corrigi o texto.

    ResponderExcluir
  3. Pedro8:07 PM

    Realmente, vendo por este lado você tem razão. Porém existem várias formas de se ver o significado de se colecionar um álbum de figurinhas. Quando criança eu colecionava também vários, não apenas de copa do mundo. E o que eu mais gostava era realmente estar envolvido no jogo de se trocar figurinhas, de ter que trocar com outras pessoas, ir atrás para tentar completar o álbum e não sobrar com muitas figurinhas na mão. Pra mim, hoje mais ainda, olhando como uma pessoa que estuda o jogo e sua relação histórico-cultural na sociedade, o jogo em si é o que torna mais divertida a coleção e o que me faz colecionar, além claro de estar proporcionando uma relação muito bacana com minha enteada.
    Claro que existem pessoas que compram 500 pacotinhos de uma vez e completam o álbum no primeiro dia, acabando com a graça, mas garanto que a maioria dos meus amigos colecionam também com o intuito da brincadeira toda, e não se vão conseguir completar ou não. Eu mesmo hoje nem tenho nenhum álbum que completei. Pois o término do álbum significa o término da brincadeira também.

    ResponderExcluir
  4. Anônimo8:20 PM

    Bom amigo acho que você não foi muito feliz no seu comentário. Essa é a primeira vez que tento completar um album e estou adorando essa terapia.É como se fala por ai, gosto é que nem bunda, cada um tem a sua.

    ResponderExcluir
  5. Anônimo9:50 PM

    ...
    quanta merda!!!

    ResponderExcluir
  6. Anônimo12:36 AM

    ele nao tem dinheiro pra completar o album! Tá com inveja de quem tem!! é cada uma que tem que ler!

    ResponderExcluir
  7. Anônimo1:50 AM

    Bem cara, acho hoje em dia meio por fora isso de figurinha e de ficar comprando e trocando q nem um doido rsss, sei la tem os Guias ai q serao lançados e info na internet pra kem kiser sobre tudo da copa, li no Uol q andam faltando figurinhas nas bancas crianças e jovens colecionando e comprando demais, a Panini pode vencer o album completo nas bancas ou lojas e ai pronto, mas parece q o pessoal gosta de sofrer e ficar trocando por ai rss, é meio esquisito essa parada.

    ResponderExcluir
  8. Anônimo1:50 PM

    Não concordo...o album é uma diversão,tenha o album e vc vai ver como e legal trocar figurinhas com os outros...e depois é claro que as escalações vem erradas.Eles lançam o album um pouco antes pra todos terem tempo de terminar ate o inicio da copa!

    ResponderExcluir
  9. Já vi um cara gastar 800 reais em argolas de ferro. Isso mesmo, argolas de ferro. Segundo ele era pra construir um tal de Peitoral - pro cavalo dele. Já vi outros gastarem mais de 40 mil reais em som de carro. Isso é incrível. Eu também gosto bastante de investir em eletro-eletronicos.
    Quanto ao álbum acho que é a mesma coisa. Colecionei o PLOC RECORDS quando era pequeno. Completei tudo e tals.. mas não colecionei mais nada depois disso.. nem sequer as legendárias figurinhas do Cavaleiros do Zodíaco.. :)

    PS:Acho que você deveria proibir comentários anônimos.. veja só quanta asneira gratuita.

    ResponderExcluir
  10. Eu colecionei o Ping Pong Records Guinness. Deve ser esse que você colecionou também. Ele veio logo depois do Álbum Ping Pong do Rei Leão.

    Eu acho interessante ler as asneiras gratuitas. Não me ofende e eu acabo tendo um feedback dos leitores.

    ResponderExcluir
  11. Anônimo2:04 AM

    é meu amigo eu não concordo com vc, pois sempre gostei de colecionar figurinhas desde criança.

    ResponderExcluir
  12. Eu começo o texto dizendo que adoro colecionar figurinhas.

    Os questionamentos principais são o custo da diversão, e o resultado final, insatisfatório (= escalação diferente da Copa).

    Não recomendo ninguém a comprar o álbum. Nem a não comprar. Só digo que minhas conclusões me direcionam a não comprar - mas é uma decisão pessoal.

    Se alguém acha que estou fazendo campanha para que não comprem o álbum, é porque refletiu acerca dos pontos que levantei e achou os argumentos coerentes.

    Tem gente que com 100 reais paga o almoço durante o mês inteiro. Tem gente que gasta tudo numa garrafa de vodka em uma balada. E tem gente que coleciona figurinhas. Cada um com suas prioridades, que devem ser respeitadas.

    Percebam que eu não desrespeitei ninguém. Ao contrário de muitos que passaram por esse blog.

    ResponderExcluir
  13. Anônimo11:46 PM

    A diversão está no durante, e não no depois. Está no meio, e não no fim. Muitos gastam R$500,00 em figurinhas durante a coleção, mas não pagariam R$30,00 se o mesmo album fosse vendido completo na banca.

    ResponderExcluir
  14. Anônimo12:37 AM

    kkkk e eu pensando se garanto pagar um apartamento.. o cara preocupado com 100 pila

    ResponderExcluir
  15. Li o seu post e todos os comentários. Ao ler o post eu pensei: "não vou comprar o álbum da copa que meu filho pediu". Ao ler os comentários eu ponderei. Agora, neste exato momento, já me arrependi de não ter comprado na banca no momento que ele me pediu. Realmente pode ser uma brincadeira muito interessante. Não que meu dinheiro seja capim e não dou a mínima pra ele, mas que uma coleção de figurinhas poderá incrementar o relacionamento pai e filho de uma forma bastante saudável, isso poderá. Sempre procurei não incentivar meu filho ao consumismo, mas também nunca tive uma postura radical quanto a isso. Cada coisa no seu tempo. Meu filho tem 10 anos e daqui a pouquíssimo anos poderá não querer compartilhar da minha companhia como deseja atualmente. Nada melhor que tornar nossos momentos juntos ainda mais agradáveis e construindo juntos interesses em comum que nos acompanharão por toda a vida. Não que um álbum de figurinhas seja um elemento chave fundamental, mas pode ser um interessante mecanismo de interação que junto a tantos outros podem formar um canal perene de diálogo e interação pai e filho.

    Conheci seu blog hoje e estou adorando.

    Parabéns!

    ResponderExcluir
  16. Madson,

    eu escrevi esse texto todo, mas no fim das contas acabei comprando o álbum pra mim também. E já o completei.

    Uma coisa que notei nos pontos de encontro pra troca de figurinhas é que não havia nenhuma criança sozinha. Todas estavam acompanhadas dos pais, que ajudavam a gerenciar as trocas dos filhos.

    Realmente é uma diversão interessante para pai e filho. E pra muita gente isso compensa todos os pontos negativos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…