boo-box

25 abril 2010

Alice, de Tim Burton



Cercado de expectativa, e com um considerável atraso em relação à estreia mundial, o filme Alice no País das Maravilhas passou a ocupar boa parte das salas de cinema do Brasil.

Seguindo a tendência do mercado, o filme saiu em uma versão 3D. Mas os efeitos não impressionaram - não sei se pelo fato de eu já estar ficando acostumado com a tecnologia ou simplesmente porque não fazem muita diferença mesmo. E eu acho que é a segunda opção.

Alice, de Tim Burton não é uma adaptação dos livros "As aventuras de Alice no país das maravilhas" e "Através do espelho e o que Alice encontrou por lá". É uma continuação. Dessa forma, o diretor foge de comparações com a obra original e tem uma maior liberdade de criação. Mas dessa vez não sei se isso foi bom.

Tim Burton se apodera das personagens de Lewis Carroll e cria uma história diferente. Alice não é mais uma criança curiosa que se surpreende a todo instante e passa a ser uma heroína que, de acordo com uma profecia, irá salvar o mundo. Salvar o mundo? Profecia? Não tinha nada mais clichê não?

O roteiro escorrega e a história não cativa tanto. Nada tem cara de novidade. Tudo bem que Alice está revisitando o local, mas não há surpresas.

Ainda assim, o filme é um espetáculo visual belíssimo. As personagens desenhadas em computador são convicentes e interessantes. E embora Johnny Depp não esteja em sua melhor forma, Helena Bonham Carter e Anne Hathaway estão ótimas como a Rainha Vermelha e Rainha Branca.

Ao sair da sessão, a impressão que fica é de que faltou algo. Mas não sei dizer o quê.

AVISO: SÓ LEIA A PARTIR DAQUI SE JÁ ASSISTIU AO FILME - OU SE NÃO SE IMPORTA EM ESTRAGAR SURPRESAS

No final do primeiro livro, Lewis Carroll mostra que tudo foi um sonho. No segundo, levanta a questão: será que é sonho ou verdade? E Tim Burton termina a trilogia dizendo que era tudo verdade.

Mas será que o autor queria que a saga de Alice terminasse assim? De certa forma, pode até parecer lógico que Tim Burton siga esse caminho, o problema é que o final muda tudo que se sabia sobre o país das maravilhas. Ou será que isso nem é um problema?

2 comentários:

  1. Confesso que fiquei tensa com tanto sensacionalismo no pré-lançamento... até passou o making-off na tv, mas eu não quis ver.
    Apesar disso, gostei bastante da montagem, os efeitos me impressionaram e não digo que foi melhor que Avatar pq o enredo do mesmo me influencia fortemente a criticar as outras caraterísticas. =P
    Helena Bonham Carter está demais! Será que ela se inspirou em Robespierre da Revolução Francesa? rsrsrs

    ResponderExcluir