Pular para o conteúdo principal

Luís Fabiano e o Fair Play

Luís Fabiano - Braço - Costa do Marfim

Na partida entre o Brasil e a Costa do Marfim que aconteceu no último domingo,  cerca de 190 milhões de brasileiros comemoram o gol que Luís Fabiano fez após ajeitar a bola com o braço duas vezes. O primeiro toque foi aparentemente involuntário, o segundo foi bizarro.

Não dá pra negar que foi um dos mais belos gols da Copa do Mundo de 2010 até agora, mas ficou manchado pelo toque irregular do artilheiro. Ou não.

Após o gol, as câmeras mostraram o árbitro Stéphane Lannoy perguntar a Luís Fabiano se houve toque. O jogador negou, e como se não acreditasse no que estava ouvindo, o juiz riu.

Maradona é motivo de piada entre os brasileiros pelo famoso gol que fez com a “mão de Deus”. Henry deu a classificação à França nessa edição da Copa com uma ajeitadinha de mão e foi bastante ironizado pela torcida canarinho. E o fabuloso pode?

Aí está o problema. Houve muita reclamação sobre as jogadas desleais dos atletas da Costa do Marfim – e realmente eles se excederam e praticaram jogadas maldosas, mas por quê os brasileiros não reclamam da jogada de Luís Fabiano? Os dois lados não estavam infringindo as regras do jogo?

A FIFA prega tanto o fair play, o chamado “jogo limpo”, e duvido que esse tipo de jogada sofra algum tipo de repreensão. No máximo um afastamento do juiz.

O jogador, malandro que é, ainda é exaltado como herói porquê deu uma de “espertalhão”, enganou o juiz e ganhou um gol. Lembrando que só o brasileiro pode ser malandro, se for argentino ou francês é criminoso, ok?

A verdade é que o árbitro achou o gol tão bonito que não teve coragem de anulá-lo. E numa Copa do Mundo marcada por placares magros e jogos feios, um gol assim é um show à parte.

Foto: Globoesporte

Comentários

  1. o lance foi duvidoso...
    tanto que não vimos nem esboço de reclamação por parte dos marfinenses...

    ResponderExcluir
  2. O gol de mão do Maradona foi muito evidente, o Henry claramente deu um tapão na bola, já a matada do Luís Fabiano foi bem mais sutil, ficando clara de verdade apenas no replay. Foi tão sutil que nem os jogadores da Costa do Marfim foram reclamar na hora.

    No Campeonato Paulista de 2008 o Adriano fez um gol de mão muito mais absurdo do que todos esses na semi contra o Palmeiras, e não conheço um são-paulino que não tenha gostado.

    Mas mesmo assim eu acho que o gol foi irregular e deveria ter sido anulado, assim como todos os outros comentaristas cujos blogs eu li. No Linha de Passe da ESPN ontem à noite foi unânime a discussão de que o gol deveria ter sido anulado, independentemente de isso ter favorecido o Brasil. Muitos inclusive falaram desse gol com a mesma ironia que falaram do gol do Maradona. Mas não vi exaltarem o Luís Fabiano por ter sido malandro, e sim por ter feito um "gol de Pelé", como definiu o Juca Kfouri.

    Além disso, o que li na imprensa internacional ontem (Marca e Gazzetta dello Sport) foram elogios ao gol mais bonito da Copa, sinal de que mesmo os europeus não estão criticando a atitude do árbitro nesse lance, mas sim enaltecendo o golaço do Fabuloso. Os europeus também acharam a expulsão do Kaká injusta.

    Só pra finalizar: falam mal desse gol de mão do Maradona mas se esquecem que no mesmo jogo ele anotou o gol mais bonito da história das Copas. Por isso que ele foi um gênio.

    ResponderExcluir
  3. Acho que na hora foi difícil ver, pra qualquer um. Eu só vi no replay.
    Nao nego que foi irregular, mas fazer o que? Os franceses e argentinos nao reclamam dos proprios gols tambem.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…

O que acontece se um vampiro morder um zumbi? E se um zumbi morder um vampiro?

Já parou pra pensar no que acontece quando um vampiro morde um zumbi? Será que o zumbi vira um vampiro? E quando a situação é a inversa? Será que uma mordida de zumbi transforma o ser de dentes pontudos?
Tanto vampiros quanto zumbis são seres que podem ser classificados como "mortos-vivos". Isso significa que, apesar deles conseguirem executar certas ações que usualmente apenas os seres vivos são capazes, eles estão mortos. Na prática, se um vampiro morder um zumbi ou vice-versa não acontece nada. 

A razão desse efeito (ou da ausência de efeito) é que os zumbis mordem apenas seres vivos. Por esse motivo, eles não mordem outros zumbis, vampiros e múmias, por exemplo.
Por outro lado, os vampiros precisam se alimentar de sangue de seres vivos. E, embora os zumbis tenham sangue circulando em suas veias, eles já estão mortos.
Assim sendo, se um vampiro cruzar com um zumbi, certamente eles não se atacarão. E mesmo supondo que seja um vampiro doidão que queira morder um ser um put…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…