Pular para o conteúdo principal

Nerd criança x nerd adulto

À medida em que o tempo passa, algumas coisas que eram legais passam a não ser tão interessantes assim. Outras você descobre que são realmente boas só depois de algum tempo.

Afinal, a mente de um garoto de 7 anos é diferente de um rapaz de 25. Eu tava refletindo sobre o assunto e resolvi preparar uma lista. Uma não, três.

Coisas que eram legais mas não são mais

Onde está Wally?

Onde está Wally - DesenhoNão falo sobre os livros, qua ainda podem ser divertidos. Estou me referindo ao desenho animado que passava na TV Colosso. Era o primeiro do dia, que me obrigava a acordar cedo só pra assistí-lo. Recentemente comprei um DVD com alguns episódios e foi difícil chegar até o final.

Spice Girls

spice-girls-banda-5941d

Eu tinha até o CD delas! O que elas podem me proporcionar hoje são bons momentos de nostalgia, que duram 3 minutos ou menos. Acho que é o maior tempo possível que consigo passar ouvindo a banda.

Changeman

Changeman

Quase comprei o box de DVDs lançado recentemente com a série. Mas resolvi assistir um episódio antes. Ou melhor, meio episódio. É muito chato!

MTV

MTV Logo

Se fosse pra passar 24 horas na frente da telinha, que fosse na MTV. Ela ainda tem alguns programas interessantes, mas são a minoria. O grande problema é que os ídolos da moda dão ânsia de vômito.

Tamagotchi

Tamagotchi

Eu não era um criador ideal para meus bichinhos virtuais. Costumava dar muito sorvete e eles ficavam engordando. Mas tem comida melhor que sorvete?

Coisas que não eram legais mas agora são

Gol de Quem?, do Pato Fu

Pato Fu - Gol de quem “Olha só o disco que ganhei de uma bandinha daqui de Belo Horizonte!” Não consegui gostar. Em 1994, aos 10 anos de idade eu ainda não tinha maturidade musical pra ouvir o som revolucionário do Pato Fu.

Quadrinhos de super-heróis

Capitao América 182Minha motivação pra aprender a ler antes de ensinarem na escola foram os quadrinhos da Turma da Mônica, que passaram a acompanhar minha rotina diária. Mas um dia ganhei um gibi do Capitão América. Não entendi nada. Apenas alguns anos depois passei a ler super-heróis, rotina que mantenho até os dias de hoje.

Homer Simpson

Homer Simpson SupermanEu adorava o Bart Simpson, me identificava com o pentelho embora meu comportamento fosse muito melhor que o dele. E o Homer era só um besta. Ele continua um besta, mas hoje isso é motivo de minha admiração pela personagem.

Futebol

São Paulo LogoEu realmente não estava nem aí pra futebol. Com o primeiro título mundial do São Paulo, resolvi escolher um time pra torcer. Paulistano de nascença, a escolha acabou sendo óbvia e virando uma paixão ao longo dos anos.

Sílvio Santos

Sílvio SantosAchava Sílvio Santos era insuportável. De uns tempos pra cá, ele vem mudando. Parece que está caducando e tem resquícios de taradisse. No entanto, agora eu morro de rir do velho, e o reconheço como um fantástico apresentador. O mais engraçado é que ele sempre fala as mesmas frases, na mesma ordem, e eu acho graça todas as vezes que assisto.

Coisas que sempre foram legais

Caverna do Dragão

Caverna do DragãoFoi um desenho que marcou época e se destacou entre os demais. Não era o meu preferido, mas me divertia. Acabou me influenciando a gostar de RPG e Senhor dos Anéis.

Super Mario Bros

Super Mario Bros - NESPular na cabeça de tartarugas, comer cogumelos, derrotar o Bowser e salvar a princesa. Esse é o script dos melhores jogos de videogame desde sempre. A única diferença é que o Bowser se chamava Koopa.

Chaves

Chaves Humor puro e nonsense. Repetitivo, sempre engraçado.

Dinossauros

Jurassic ParkSe fosse pra eu ter um animal de estimação seria um dinossauro. Mas isso é impossível no atual status de desenvolvimento da ciência, então continuo sem nenhum bichinho no quintal.

E.T.

et“E.T. telefone minha casa.” Essa frase aparentemente sem nexo já me emocionou. Várias vezes, em várias épocas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…