Pular para o conteúdo principal

Brincadeira de adulto

(ou como o Pato Fu conseguiu gravar um disco inteiro só com instrumentos de brinquedo)

Pato Fu - Música de brinquedo

O mês de agosto marcou o lançamento de Música de Brinquedo, novo álbum do Pato Fu. O trabalho anunciado há alguns meses foi recebido pelos fãs com um misto de expectativa e curiosidade.

O décimo disco continua a tradição da banda de nunca fazer nenhum trabalho parecido com o anterior. Ou melhor, o trabalho não pode ser parecido com nada que já surgiu no mundo da música.

Todas as 12 faixas do CD são regravações. O que poderia parecer uma estratégia de vendas na verdade se encaixa no conceito do álbum. Cada canção segue o arranjo original, nota a nota, com uma diferença: o Pato Fu usou apenas instrumentos de brinquedo.

Para completar a banda, foram convidadas as crianças Nina Takai e Matheus D’Alessandro para cantar em quase todas as músicas. Mariana Devin, João Lucas Ulhoa e André Ulhoa também tiveram participações pontuais.

Essa participação infantil acabou transformando o disco em um disco para crianças. Ou não.

O repertório escolhido é muito variado, e composto por canções que de certa forma já se tornaram clássicas no mundo da música popular.

Primavera, popular na voz de Tim Maia e Live and Let Die, de Paul McCartney foram as primeiras a serem divulgadas para o público em vídeos há alguns meses.

Love Me Tender, já tocada pelos patos com instrumentos de verdade, ganhou nova versão. A música de Elvis parece até uma canção de ninar.

Rock and Roll Lullaby, de B. J. Thomas e My Girl, de The Temptations são aquelas músicas que todo mundo no Brasil conhece mas não sabe quem gravou. O que é suficiente para fazer todos cantarem juntos.

As origens do rock brasileiro são representadas por versões de Roberto Carlos e Rita Lee na divertida Todos Estão Surdos e na fofíssima Ovelha Negra.

Os anos 80 marcam presença com Sonífera Ilha, dos Titãs, Ska, dos Paralamas e a baranguinha Pelo Interfone, de Ritchie.

Fernada volta a cantar em japonês em Twiggy Twiggy, do Pizzicato Five. O clima de brincadeira do disco é explicitado num diálogo da cantora com as crianças Nina e Matheus.

Ainda há espaço para Frevo Mulher, de Zé Ramalho, que parecia impossível de ser regravada por uma banda de rock.

Aliás, não se pode rotular Música de Brinquedo como um disco de rock. Nem pop. Nem infantil. Vai ser um álbum pra dar trabalho para os lojistas, que não saberão em qual prateleira colocá-lo à venda.

O Pato Fu, com quase 20 anos de carreira é uma das poucas bandas brasileiras que ainda consegue produzir discos relevantes. Criativa, original, e outras coisas difíceis de se ver por aí.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

(Re)instalando o Android 4.1.2 no Samsung Galaxy S3

Atualizado em 18 de maio de 2013

No começo de fevereiro, Samsung Brasil fez a alegria dos proprietários do Galaxy S3 ao liberar mais uma atualização do Android para o aparelho. Conhecida como Premium Suite, a nova versão do firmware tem o Android Jelly Bean 4.1.2 com diversas customizações da fabricante coreana.

Acontece que alguns aparelhos passaram a apresentar inúmeros problemas após essa atualização (o meu entrou nessa lista). Procurei em diversos fóruns e sites a solução, e acabei não encontrando. Apenas constatei que eu não era o único que estava angustiado.

Entre os problemas apresentados após a atualização, estão:

Telefone não carrega a bateria ao plugar na tomada;Aparelho desliga sozinho;Aplicativos travam, forçando o reinício do sistema operacional;Sobreaquecimento;Telefone não recebe dados conectado ao Wi-Fi;Lentidão extrema;Interface TouchWiz sem fluidez;Consumo excessivo de energia. Meu telefone apresentou quase todos esses sintomas. Isso é meio bizarro, pois de uma hora p…

O que acontece se um vampiro morder um zumbi? E se um zumbi morder um vampiro?

Já parou pra pensar no que acontece quando um vampiro morde um zumbi? Será que o zumbi vira um vampiro? E quando a situação é a inversa? Será que uma mordida de zumbi transforma o ser de dentes pontudos?
Tanto vampiros quanto zumbis são seres que podem ser classificados como "mortos-vivos". Isso significa que, apesar deles conseguirem executar certas ações que usualmente apenas os seres vivos são capazes, eles estão mortos. Na prática, se um vampiro morder um zumbi ou vice-versa não acontece nada. 

A razão desse efeito (ou da ausência de efeito) é que os zumbis mordem apenas seres vivos. Por esse motivo, eles não mordem outros zumbis, vampiros e múmias, por exemplo.
Por outro lado, os vampiros precisam se alimentar de sangue de seres vivos. E, embora os zumbis tenham sangue circulando em suas veias, eles já estão mortos.
Assim sendo, se um vampiro cruzar com um zumbi, certamente eles não se atacarão. E mesmo supondo que seja um vampiro doidão que queira morder um ser um put…

Anderlaine

Meu e-mail é "Gregório underline Fonseca @ Gregório's Corporation ponto com". Sabe onde está o erro? No underline. Na verdade, não existe nenhum e-mail no mundo com underline. Nem o seu.

A origem dessa designação para o símbolo "_" no Brasil é desconhecida. O correto, em inglês, seria underscore. A tradução para o português é "traço baixo". Mas em algum momento da história da humanidade, alguém resolveu chamar o "traço baixo" de underline, e assim o termo se popularizou.

Já experimentou dizer um termo com um underscore no meio? Na maioria das vezes, se a pessoa não faz uma careta de que não está entendendo, ela responde com a pergunta: "Underline, né?" Mas eu insisto em dizer o termo correto. Por mais que possa ser chato pra mim, acho importante ter esse papel educativo.

Underline deve ser usado para se referir ao texto sublinhado, desse jeito, ó!

Apesar disso tudo, acho que essa é uma batalha perdida. É mais um estrangeirismo que …