Pular para o conteúdo principal

Brincadeira de adulto

(ou como o Pato Fu conseguiu gravar um disco inteiro só com instrumentos de brinquedo)

Pato Fu - Música de brinquedo

O mês de agosto marcou o lançamento de Música de Brinquedo, novo álbum do Pato Fu. O trabalho anunciado há alguns meses foi recebido pelos fãs com um misto de expectativa e curiosidade.

O décimo disco continua a tradição da banda de nunca fazer nenhum trabalho parecido com o anterior. Ou melhor, o trabalho não pode ser parecido com nada que já surgiu no mundo da música.

Todas as 12 faixas do CD são regravações. O que poderia parecer uma estratégia de vendas na verdade se encaixa no conceito do álbum. Cada canção segue o arranjo original, nota a nota, com uma diferença: o Pato Fu usou apenas instrumentos de brinquedo.

Para completar a banda, foram convidadas as crianças Nina Takai e Matheus D’Alessandro para cantar em quase todas as músicas. Mariana Devin, João Lucas Ulhoa e André Ulhoa também tiveram participações pontuais.

Essa participação infantil acabou transformando o disco em um disco para crianças. Ou não.

O repertório escolhido é muito variado, e composto por canções que de certa forma já se tornaram clássicas no mundo da música popular.

Primavera, popular na voz de Tim Maia e Live and Let Die, de Paul McCartney foram as primeiras a serem divulgadas para o público em vídeos há alguns meses.

Love Me Tender, já tocada pelos patos com instrumentos de verdade, ganhou nova versão. A música de Elvis parece até uma canção de ninar.

Rock and Roll Lullaby, de B. J. Thomas e My Girl, de The Temptations são aquelas músicas que todo mundo no Brasil conhece mas não sabe quem gravou. O que é suficiente para fazer todos cantarem juntos.

As origens do rock brasileiro são representadas por versões de Roberto Carlos e Rita Lee na divertida Todos Estão Surdos e na fofíssima Ovelha Negra.

Os anos 80 marcam presença com Sonífera Ilha, dos Titãs, Ska, dos Paralamas e a baranguinha Pelo Interfone, de Ritchie.

Fernada volta a cantar em japonês em Twiggy Twiggy, do Pizzicato Five. O clima de brincadeira do disco é explicitado num diálogo da cantora com as crianças Nina e Matheus.

Ainda há espaço para Frevo Mulher, de Zé Ramalho, que parecia impossível de ser regravada por uma banda de rock.

Aliás, não se pode rotular Música de Brinquedo como um disco de rock. Nem pop. Nem infantil. Vai ser um álbum pra dar trabalho para os lojistas, que não saberão em qual prateleira colocá-lo à venda.

O Pato Fu, com quase 20 anos de carreira é uma das poucas bandas brasileiras que ainda consegue produzir discos relevantes. Criativa, original, e outras coisas difíceis de se ver por aí.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…