Pular para o conteúdo principal

E você, como vai ler livros no futuro?

Livros digitais já existem há muito tempo, mas só nos últimos meses que o mercado parece ter se consolidado e entrado num caminho sem volta.

Na Amazon.com o volume de vendas de livros digitais (e-books) já supera o de livros impressos, e as lojas brasileiras já estão investindo no mercado.

O aliado mais forte desse mercado são so leitores de e-books. Com a evolução da tecnologia, já é possível encontrar modelos modernos e acessíveis.

Tive a felicidade de poder testar 4 aparelhos no último final de semana. Vale ressaltar que fui pego de surpresa, e não estava preparado para o teste. As impressões aqui reproduzidas são o que pude concluir nos cerca de 30 minutos que comparei os dispositivos.

Três deles são equipados com tela de e-ink (tinta eletrônica). A grande vantagem dessa tela é que ela não possui iluminação e reproduz a sensação de se olhar para uma folha de papel. A e-ink é boa para telas estáticas, o que pode fazer que uma navegação em um menu item a item torre a sua paciência se a lista for grande, pois a transição entre cada frame (ou página) é um pouco lenta. Isso também implica que você seja privado da sensação de folhear o livro.

Cool-er

cooler-jackblackO Cool-er é o leitor oficial da loja de e-books do Submarino. Possui tela de e-ink e poucos botões, mas a navagação é simples e intuiva. O acabamento externo, no entanto, deixa a desejar. Parece um pouco grosseiro. Mas é o que tem o preço mais baixo.

Sony Reader

sony-reader-touch-800Boa parte do marketing do Sony Reader é baseado na tela touchscreen. Isso é uma vantagem significativa na navegação, pois você não precisa esperar a mudança de cada frame da tela de e-ink para acessar o livro desejado. Pode ser besteira, mas achei ele feio. Parece um palmtop, e isso já é muito old school

Kindle

Kindle

O Kindle, da Amazon, é o que tem mais botões e isso é bom pra quem acha que a tecnologia touchscreen ainda não consegue reproduzir a sensação de se apertar um botão fisicamente. A navegação precisa de alguns instantes de prática para se acostumar. Ele é fino, leve, e o design é bonito. Dos 3 leitores com tela de e-ink é o mais interessante, e é o principal concorrente do…

…iPad

iPadO iPad pode parecer só um iPhone grande, sem telefone. E é. Mas ele tem uma infinidade de recursos e representa uma mudança de paradigma enorme na computação pessoal. Entretanto, isso pode ser um problema para a leitura. No pouco tempo que tive o aparelho em mãos nem liguei para o leitor de livros, queria era conhecer as funcionalidades do dispositivo.

A impressão que dá é que com um iPad em mãos você vai navegar na internet, jogar, escutar música, mas vai ler na mesma frequência com que você lê livros em PDF na tela do seu computador. Ou seja: quase nunca.

As conclusões

O Cool-er, o Reader e o Kindle são voltados para leitura, e a limitação de recursos te impede de desviar o foco. A tela de e-ink é muito agradável de se ler, mas ainda peca na lentidão das transições. Outro problema é que só é possível visualizar páginas em preto e branco.

O iPad é o computador do futuro. A tela de LCD pode não ser muito atrativa para se passar horas e horas lendo. Design moderno, interface simples e intuitiva, milhões de possibilidades. Mas ele é consideravelmente mais caro que todos os aparelhos.

Pra mim, o mercado dos leitores com tela de e-ink não é o mesmo mercado do iPad. Mas a Apple não acha isso. Ou será que o fato de eu estar comparando o iPad com o resto já indica que minha primeira afirmação está errada?

Aproveito pra deixar um recado para o Papai Noel: qualquer um dos gadjets desse post vai me deixar muito feliz no Natal!

Para ler mais:

A internet está deixando você burro? – Galileu, agosto, 2010

Quase Nada – Folha de São Paulo, de Fábio Moon e Gabriel Bá, agosto de 2010

Turista vai poder trazer Kindle ao Brasil sem pagar impostos – R7, agosto de 2010

Dia histórico para o livro digital – Veja, julho de 2010

Comentários

  1. e ai gregório!
    bem, eu uso meu ipod touch pra ler, o programa utilizado é o kindle da applestore
    já comprei alguns livros e pirateei vários (pois a amazon por algum motivo não identificado não vende alguns livros digitais para o brasil ) tipo a coleção inteira do terry pratchett, muito, mas muito rara mesmo aqui no brasil
    .
    enfim, experiência com o ipod touch foi a melhor q eu tive até hj, comparando com o kindle e o ipad que tive contato nos EUA
    Motivo: Ipod touch é o mais leve de todos, tem gente q reclama prontamente do tamanho da tela, mas isso é absurdo, já q quando você lê um livro vc não tem visão inteira da página e a tela do ipod cabe uns dois parágrafos grandes(porem o tamanho da letra é ajustável) que pra mim virou o melhor tipo de exibição.
    Sobre minhas experiencias com o kindle e ipad: mais leves que um livro, mas nao significa muita coisa depois q vc provou as leves 114 gramas de um ipod touch q cabe em qualquer bolso
    Enfim, antigamente eu lia uns 15 livros por ano, agora em menos de 3 meses de ipod touch eu já li o mesmo tanto!

    ResponderExcluir
  2. Lennon,
    não tinha pensado no iPod Touch, pois nunca me imaginei lendo numa tela tão pequena. Mas também pode ser uma boa alternativa.
    Acho que só falta criarem um dispositivo que reproduza o insubstituível cheiro do papel!

    ResponderExcluir
  3. Droga! por causa de um pau no site estou tendo que digitar tudo denovo!

    Concordo com o que o lennon disse em relação ao tamanho da tela do ipod para leitura, mas com uma observação: Quando vc está lendo livros com imagens, gráficos e etc, junto aos quais vc lê um texto em paralelo a história é outra. Um tela grande (ou um livro) nesse caso é mais que conveniente. Este é o meu caso. Estou pensando seriamente em comprar um ipad com o seguinte pensamento: eu duvido que vou usar a função e-book dele normalmente, pois os únicos e-books q eu leio, são alguns livros tecnicos ou documentos em pdf que eu normalmente leio no computador. Os EPCs do professor de ASL, por exemplo. Quando eu posso imprimir eu imprimo, quando não, vai na tela mesmo.
    Outra grande vantagem em relação a leitura que eu vejo no ipad é em relação aos jornais. Hoje em dia eu leio muito mais jornais online do que impressos. E nisso o ipad com certeza é muito bom.
    Para literatura em si, entretanto, estou longe de substituir o livro. Muito longe.

    ResponderExcluir
  4. Eu também achava que estava longe de substituir o livro. E que continuo longe.

    Mas até o final do ano um leitor de e-books vai dividir minha atenção com toda a pilha de livros que tenho - e só aumenta.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

O custo de um carro popular é muito maior do que você pensa (uma história real)

Nunca tive o sonho de comprar um carro, até mesmo porque nem gosto de dirigir fora do videogame. E como até pouco tempo atrás eu tinha transporte da empresa para o trabalho, comprar um carro seria um capricho muito caro e desnecessário. Até que voltei para Belo Horizonte e senti a necessidade de comprar um automóvel para ter um pouco mais de conforto. Comprei meu primeiro carro em maio de 2014.

Em 30 meses e pouco mais de 43.000 km rodados, o meu carro gerou um custo mensal de R$1407,02.


Esse valor não inclui o valor que paguei no automóvel, ele refere-se apenas a gastos realizados que não poderão ser repostos com a venda do carro. Pode até parecer um valor muito alto, mas ele foi rigorosamente calculado e pode surpreender os desavisados.

E veja só, meu carro não é extravagante: é um Volkswagen up! com a maioria dos opcionais. Tem motor 1.0, consome muito pouco combustível e a manutenção é relativamente barata. É que mesmo um carro popular pode sair muito caro.

R$27.044,14 com despesas …

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…