Pular para o conteúdo principal

Trilogia Millennium, de Stieg Larrson

trilogia millenniumNa primeira vez que vi a trilogia Millennium numa livraria, não me interessei. As capas eram feias, e o nome, horrível. “Millennium” pra mim eram os produtos com pinta de hi-tech que eram vendidos antes da virada do milênio. Os livros também eram caros, e assim fiquei longe da série por um bom tempo.

Mas eis que a Companhia das Letras resolve relançar a coleção escrita pelo sueco Stieg Larrson com novas capas (essas bonitonas aí em cima) em uma “edição econômica”. E numa dessas promoções da Americanas.com resolvi arriscar e comprei a coleção completa.

E que surpresa agradável foi ler a série.

As duas personagens centrais são o jornalista Mikael Blomkvist, da revista Millennium, e a misteriosa hacker Lisbeth Salander, duas figuras politicamente incorretas, mas com alto nível de carisma. O leitor acaba aprovando as ações dos dois, por mais transgressoras que sejam.

A narrativa é ágil, com reviravoltas sem exageros. A trama envolvente, convincente e cativante.

Cada livro possui uma história independente, mas eles são sequenciais. No terceiro livro, A Rainha do Castelo de Ar, a história cresce tanto que Mikael e Lisbeth dividem a cena com diversas outras personagens. Acontecimentos aparentemente sem importância de um volume voltam à tona na edição seguinte e uma grande rede conspiratória se forma.

A trilogia completa já foi adaptada para o cinema, numa produção cult sueca. O primeiro filme, Os Homens Que Não Amavam as Mulheres, passou no Brasil sem muita repercussão. É um grande filme, com uma trama fiel à história original. Mas dificilmente os outros dois longa-metragens europeus estrearão por aqui. O motivo: a trilogia está sendo filmada novamente, agora em Hollywood.

Millennium é realmente uma série fantástica, mas minha birra com o nome permanece. O consolo é que esse nome não foi escolhido pelo autor. Stieg Larsson faleceu enquanto escrevia o quarto volume das aventuras de Salander e Blomkvist. Chamar a coleção de “Trilogia Millennium” foi uma decisão dos editores, posterior a esse incidente.

Comentários

  1. Gregor, muito bom post!
    Coincidentemente resolvi romper o jejum de 200 anos sem ler um livro para ler justamente Os Homens que Não Amavam e, realmente, que surpresa agradável.

    Quanto à versão cult do primeiro livro no cinema sueco, não sei se estava com muito sono ou se o problema é outro, mas não gostei do filme.

    Nunca imaginei que fosse dizer isso mas 'espero que a versão de Hollywood seja melhor'.

    Será?

    Abraço!
    Vital

    ResponderExcluir
  2. Millennium pra mim era aquele seriado criado pelo mesmo autor do Arquivo X, não associava com coisas do milênio mesmo.

    Não entendi a frase: dificilmente os outros dois longas estrearão por aqui pois estão sendo filmados em Hollywood. Isso não aumenta as chances de eles estrearem aqui?

    ResponderExcluir
  3. Drewa, os dois longa-metragens que não devem passar por aqui são da versão sueca.

    A versão Hollywoodiana deve passar inteira por aqui, inclusive o primeiro filme.

    Alterei o texto para ficar mais claro.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

(Re)instalando o Android 4.1.2 no Samsung Galaxy S3

Atualizado em 18 de maio de 2013

No começo de fevereiro, Samsung Brasil fez a alegria dos proprietários do Galaxy S3 ao liberar mais uma atualização do Android para o aparelho. Conhecida como Premium Suite, a nova versão do firmware tem o Android Jelly Bean 4.1.2 com diversas customizações da fabricante coreana.

Acontece que alguns aparelhos passaram a apresentar inúmeros problemas após essa atualização (o meu entrou nessa lista). Procurei em diversos fóruns e sites a solução, e acabei não encontrando. Apenas constatei que eu não era o único que estava angustiado.

Entre os problemas apresentados após a atualização, estão:

Telefone não carrega a bateria ao plugar na tomada;Aparelho desliga sozinho;Aplicativos travam, forçando o reinício do sistema operacional;Sobreaquecimento;Telefone não recebe dados conectado ao Wi-Fi;Lentidão extrema;Interface TouchWiz sem fluidez;Consumo excessivo de energia. Meu telefone apresentou quase todos esses sintomas. Isso é meio bizarro, pois de uma hora p…

O que acontece se um vampiro morder um zumbi? E se um zumbi morder um vampiro?

Já parou pra pensar no que acontece quando um vampiro morde um zumbi? Será que o zumbi vira um vampiro? E quando a situação é a inversa? Será que uma mordida de zumbi transforma o ser de dentes pontudos?
Tanto vampiros quanto zumbis são seres que podem ser classificados como "mortos-vivos". Isso significa que, apesar deles conseguirem executar certas ações que usualmente apenas os seres vivos são capazes, eles estão mortos. Na prática, se um vampiro morder um zumbi ou vice-versa não acontece nada. 

A razão desse efeito (ou da ausência de efeito) é que os zumbis mordem apenas seres vivos. Por esse motivo, eles não mordem outros zumbis, vampiros e múmias, por exemplo.
Por outro lado, os vampiros precisam se alimentar de sangue de seres vivos. E, embora os zumbis tenham sangue circulando em suas veias, eles já estão mortos.
Assim sendo, se um vampiro cruzar com um zumbi, certamente eles não se atacarão. E mesmo supondo que seja um vampiro doidão que queira morder um ser um put…

Anderlaine

Meu e-mail é "Gregório underline Fonseca @ Gregório's Corporation ponto com". Sabe onde está o erro? No underline. Na verdade, não existe nenhum e-mail no mundo com underline. Nem o seu.

A origem dessa designação para o símbolo "_" no Brasil é desconhecida. O correto, em inglês, seria underscore. A tradução para o português é "traço baixo". Mas em algum momento da história da humanidade, alguém resolveu chamar o "traço baixo" de underline, e assim o termo se popularizou.

Já experimentou dizer um termo com um underscore no meio? Na maioria das vezes, se a pessoa não faz uma careta de que não está entendendo, ela responde com a pergunta: "Underline, né?" Mas eu insisto em dizer o termo correto. Por mais que possa ser chato pra mim, acho importante ter esse papel educativo.

Underline deve ser usado para se referir ao texto sublinhado, desse jeito, ó!

Apesar disso tudo, acho que essa é uma batalha perdida. É mais um estrangeirismo que …