Pular para o conteúdo principal

SWU Music + Arts Festival

Itu foi tomada pelo festival Starts With You (SWU) no últimos dias. A cidade é conhecida por ter coisas grandes, e o SWU foi assim. Preço grande, filas grandes, problemas enormes de infraestrutura, longas caminhadas. E algumas das maiores bandas do Brasil e do mundo – o que fez o festival ter valido a pena.

P1000141Benvindo ao SWU

O primeiro dia teve como atração principal o Rage Against The Machine. Para uns 70% do público, mas não pra mim.

P1000144Tartarugas da mostra de arte sustentável

The Apples In Stereo tocaram no palco de bandas novas (apesar de seus quase 20 anos de carreira) tiveram a ingrata incumbência de disputar o público com Os Mutantes e Los Hermanos, duas das minhas bandas preferidas. Ainda assim, optei pela apresentação dos norte-americanos – que foi a melhor da noite.

P1000104 The Apples In Stereo

Vi só o comecinho d’Os Mutantes e o final do Los Hermanos. Mas foi o suficiente pra constatar que o grupo de Sérgio Dias perdeu muito com a saída de Arnaldo e Zélia Duncan e confirmar que os cariocas não tem mais a unidade de uma banda.

Com as decepções acima, o show do palco principal que mais me agradou foi o do Brothers of Brazil. A mistura de punk e bossa nova de Supla e João conseguiu surpreender boa parte do público.

P1000050Brothers of Brazil 

Ainda assisti o show inteiro da Mallu Magalhães que, conquistou os presentes com a fofurice de suas músicas, mas esbanjou insegurança.

P1000067Mallu Magalhães

Ainda vi um pouco de Superguidis, Black Drawing Chalks, Cidadão Instigado, Curumin & The Aipins, Infectious Grooves, Sobrado 112, The Mars Volta e Rage Against The Machine.

P1000079Cidadão Instigado 

O segundo dia do festival prometia mais, com atrações internacionais mais interessantes.

foto(1) Longa caminhada

Musicalmente, o dia começou com a surpreendente apresentação dos pernambucanos do Volver.

P1000149Volver

Passei por shows d’O Teatro Mágico, Jota Quest e Luisa Maita. Ainda à luz do dia e com cansaço acumlado do dia anterior fiquei boa parte do tempo sentado enquanto a multidão ainda era pequena.

P1000156 Não reparem na ausência de cabelos em determinadas regiões de minha cabeça 

Tulipa Ruiz levou muito gente para o palco de novas bandas. Eu, inclusive.

P1000158Tulipa Ruiz

Depois das bandas brasileiras, começou a série de shows da constelação de estrelas internacionais.

Conhecia apenas duas músicas do Sublime with Rome. Mas mesmo se não conhecesse, seria impossível ficar parado no animadíssimo show dos californianos.

Atravessei 50 mil pessoas para chegar na grade do show da Regina Spektor. Ainda assim, longe do palco, por causa da pista premium. Foi nesse show que me lembrei que o festival ainda tinha uma tenda de música eletrônica – pois o som estava tão alto que atrapalhava o show da cantora e pianista russa.

P1000171 Regina Spektor, o mais perto o possível, ainda assim longe

Hora da Joss Stone, num show dançante em que mesmo com o corpo cansado e dolorido, não fiquei parado. E eu ainda tinha que guardar energias para o grande finale. Mais uma vez estava lá na grade.

P1000174Joss Stone no telão

Quando a Dave Mathews Band subiu no palco, minha cabeça já estava pensando no Kings of Leon. Então o efeito de tempo psicológico foi horrível, e os minutos não passavam de jeito nenhum.

Finalmente, a banda que me convenceu a me deslocar para uma fazenda no meio do estado de São Paulo começou seu show. O Kings of Leon desfiou hits e ainda tocou duas músicas do novo disco. E assim terminou minha grande aventura no SWU, em Itu.

P1000178Kings of Leon

 DSC02967_cropA trupe joseense em Itu

Comentários

  1. Bom comentário, menino. =)

    Vi muitas reclamações do som da tenda eletrônica ter atrapalhado alguns shows, como o do Josh Rouse (que seria minha atração principal =D). Um puta erro da produção, mas no geral creio que valeu à pena sim e eu teria sofrido isso sem me arrepender, não fosse o Paul aí e minha atual liseira. =P Espero que eles corrijam as falhas para o ano que vem e que eu vá. \o/

    ResponderExcluir
  2. Júlia10:50 PM

    Que fofurisse!!!
    Morri de inveja do show da Joss Stone!!!
    Adooooro!
    Mas Mika lá vou eu!

    ResponderExcluir
  3. Você se dividiu em quantos pra ver esse tanto de show no sábado?? heheh Fiquei quietinho perto dos palcos principais e me limitei a estes shows, afinal de contas, estou sem duvida alguma nestes 70% que você citou aí.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Grande Lord, o que aconteceu foi que no primeiro dia eu não vi quase nenhum show inteiro. Ainda assim, foi muito bom!

    Você ainda deu sorte do Los Hermanos ser no mesmo palco do RATM e não precisou se mover!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

O custo de um carro popular é muito maior do que você pensa (uma história real)

Nunca tive o sonho de comprar um carro, até mesmo porque nem gosto de dirigir fora do videogame. E como até pouco tempo atrás eu tinha transporte da empresa para o trabalho, comprar um carro seria um capricho muito caro e desnecessário. Até que voltei para Belo Horizonte e senti a necessidade de comprar um automóvel para ter um pouco mais de conforto. Comprei meu primeiro carro em maio de 2014.

Em 30 meses e pouco mais de 43.000 km rodados, o meu carro gerou um custo mensal de R$1407,02.


Esse valor não inclui o valor que paguei no automóvel, ele refere-se apenas a gastos realizados que não poderão ser repostos com a venda do carro. Pode até parecer um valor muito alto, mas ele foi rigorosamente calculado e pode surpreender os desavisados.

E veja só, meu carro não é extravagante: é um Volkswagen up! com a maioria dos opcionais. Tem motor 1.0, consome muito pouco combustível e a manutenção é relativamente barata. É que mesmo um carro popular pode sair muito caro.

R$27.044,14 com despesas …

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…