boo-box

25 julho 2010

A despedida do ogro

Shrek Para SempreO primeiro filme do Shrek representou uma mudança de paradigma no cinema de animação. Transformou um ogro em um ser fofinho e rompeu a barreira do politicamente correto. Shrek 2 conseguiu ser uma sequência memorável, mas o terceiro filme teve uma queda significativa de qualidade.

Shrek para sempre surgiu como uma tentativa de dar um final mais digno à série. Mas é difícil superar os dois primeiros longa-metragens.

O quarto filme tem menos cenas de humor e mais de aventura. No entanto, há muitas piadas recicladas e as cenas de ação não empolgam. Comparando com outras animações que passaram no cinema nos últimos anos, consegue ser superior. Ainda assim, fica na sombra do começo da saga do ogro verde.

Você ri pouco, se empolga pouco, se emociona pouco, se diverte pouco. Shrek merecia mais na sua despedida.

Nerd criança x nerd adulto

À medida em que o tempo passa, algumas coisas que eram legais passam a não ser tão interessantes assim. Outras você descobre que são realmente boas só depois de algum tempo.

Afinal, a mente de um garoto de 7 anos é diferente de um rapaz de 25. Eu tava refletindo sobre o assunto e resolvi preparar uma lista. Uma não, três.

Coisas que eram legais mas não são mais

Onde está Wally?

Onde está Wally - DesenhoNão falo sobre os livros, qua ainda podem ser divertidos. Estou me referindo ao desenho animado que passava na TV Colosso. Era o primeiro do dia, que me obrigava a acordar cedo só pra assistí-lo. Recentemente comprei um DVD com alguns episódios e foi difícil chegar até o final.

Spice Girls

spice-girls-banda-5941d

Eu tinha até o CD delas! O que elas podem me proporcionar hoje são bons momentos de nostalgia, que duram 3 minutos ou menos. Acho que é o maior tempo possível que consigo passar ouvindo a banda.

Changeman

Changeman

Quase comprei o box de DVDs lançado recentemente com a série. Mas resolvi assistir um episódio antes. Ou melhor, meio episódio. É muito chato!

MTV

MTV Logo

Se fosse pra passar 24 horas na frente da telinha, que fosse na MTV. Ela ainda tem alguns programas interessantes, mas são a minoria. O grande problema é que os ídolos da moda dão ânsia de vômito.

Tamagotchi

Tamagotchi

Eu não era um criador ideal para meus bichinhos virtuais. Costumava dar muito sorvete e eles ficavam engordando. Mas tem comida melhor que sorvete?

Coisas que não eram legais mas agora são

Gol de Quem?, do Pato Fu

Pato Fu - Gol de quem “Olha só o disco que ganhei de uma bandinha daqui de Belo Horizonte!” Não consegui gostar. Em 1994, aos 10 anos de idade eu ainda não tinha maturidade musical pra ouvir o som revolucionário do Pato Fu.

Quadrinhos de super-heróis

Capitao América 182Minha motivação pra aprender a ler antes de ensinarem na escola foram os quadrinhos da Turma da Mônica, que passaram a acompanhar minha rotina diária. Mas um dia ganhei um gibi do Capitão América. Não entendi nada. Apenas alguns anos depois passei a ler super-heróis, rotina que mantenho até os dias de hoje.

Homer Simpson

Homer Simpson SupermanEu adorava o Bart Simpson, me identificava com o pentelho embora meu comportamento fosse muito melhor que o dele. E o Homer era só um besta. Ele continua um besta, mas hoje isso é motivo de minha admiração pela personagem.

Futebol

São Paulo LogoEu realmente não estava nem aí pra futebol. Com o primeiro título mundial do São Paulo, resolvi escolher um time pra torcer. Paulistano de nascença, a escolha acabou sendo óbvia e virando uma paixão ao longo dos anos.

Sílvio Santos

Sílvio SantosAchava Sílvio Santos era insuportável. De uns tempos pra cá, ele vem mudando. Parece que está caducando e tem resquícios de taradisse. No entanto, agora eu morro de rir do velho, e o reconheço como um fantástico apresentador. O mais engraçado é que ele sempre fala as mesmas frases, na mesma ordem, e eu acho graça todas as vezes que assisto.

Coisas que sempre foram legais

Caverna do Dragão

Caverna do DragãoFoi um desenho que marcou época e se destacou entre os demais. Não era o meu preferido, mas me divertia. Acabou me influenciando a gostar de RPG e Senhor dos Anéis.

Super Mario Bros

Super Mario Bros - NESPular na cabeça de tartarugas, comer cogumelos, derrotar o Bowser e salvar a princesa. Esse é o script dos melhores jogos de videogame desde sempre. A única diferença é que o Bowser se chamava Koopa.

Chaves

Chaves Humor puro e nonsense. Repetitivo, sempre engraçado.

Dinossauros

Jurassic ParkSe fosse pra eu ter um animal de estimação seria um dinossauro. Mas isso é impossível no atual status de desenvolvimento da ciência, então continuo sem nenhum bichinho no quintal.

E.T.

et“E.T. telefone minha casa.” Essa frase aparentemente sem nexo já me emocionou. Várias vezes, em várias épocas.

11 julho 2010

Os Sousa

(Maurício para adultos)

Os Sousa - Desventuras em familia Maurício é o maior autor de quadrinhos infantis do Brasil, e talvez do mundo. Nos últimos tempos tem expandido sua área de atuação para o público adolescente, com as revistas da Turma da Mônica Jovem e da Tina. Mas houve um tempo que ele também fazia quadrinhos para adultos.

Os Sousa é uma tira que foi publicada em jornais entre 1968 e 1989 e parecia esquecida pelo tempo. Mas a LP&M Editora acaba de tirar as personagens do limbo com a publicação do livro Desventuras em família.

O enredo é simples, mas tem uma gama de infinitas possibilidades de situações. A tira mostra sacadas do cotidiano de um casal com problemas de convivência. Pra completar, um irmão vagabundo e folgado do rapaz mora na residência do casal.

Embora tenha sido publicado originalmente há mais de 20 anos, o humor politicamente incorreto d’Os Sousa é atemporal. E justamente por ser tão politicamente incorreto surpreende quem não conhecia essa faceta do criador da turma da Mônica.

Fica a torcida para que Maurício de Sousa retome as personagens, ou no mínimo republique mais histórias. Afinal, eu cresci, mas ainda quero aproveitar o talento do maior quadinhista do Brasil.

Príncipe da Pérsia – As areias do tempo

jake-gyllenhaal-prince-of-persia-movie-poster_a Adaptações de videogames para o cinema são sempre cercadas de expectativa e sucedidas por uma grande decepção. Engraçado é que, mesmo com resultados tão ruins, cada vez que um novo filme é anunciado os gamemaníacos passam a acompanhar a produção e realmente acreditam que pode sair ujma coisa boa.

Pelo histórico, a adaptação do jogo Prince of Persia tinha tudo pra se tornar uma bomba. Mas eu obviamente tinha que assitir pra pelo menos ter o direito de falar mal.

Embora o jogo tenha uma versão recente em 3D, o seu grande sucesso foi no começo da era dos computadores pessoais. Passei boas horas no meu 486 até concluir a difícil saga do príncipe da Pérsia (e só consegui usando códigos secretos).

O filme é repleto de referências ao jogos. A características movimentações da personagem principal, os puzzles, as cenas com a tela em scroll lateral, está tudo lá. E a história convence.

O filme nada mais é que uma grande história de aventura e agrada mesmo quem não conhece o jogo. Seria o Príncipe da Pérsia a melhor adaptação de um videogame para o cinema feita até o momento? Eu acho que sim.