Pular para o conteúdo principal

Radiohead e a música como forma de arte

thekingoflimbs

Com a popularização do MP3 e dos tocadores portáteis como o iPod, a maneira das pessoas consumirem música mudou completamente. O conceito de “álbum” como um trabalho que tenha uma sequência lógica e conceitual de músicas está cada vez mais distante da maioria do público, que prefere ouvir faixas avulsas, às vezes sem nunca ter visto o disco que está ouvindo fisicamente.

Para a música pop descartável, essa mudança poderia ser até interessante, se não fosse a queda vertiginosa das vendas de discos. Nos anos 90 era comum uma banda ser obrigada a ser lançada vários discos em sequência, muitas vezes com uma ou duas canções razoáveis e o consumidor era obrigado a comprar o disco inteiro. Ou então comprar o CD da trilha sonora da novela.

O clássico álbum OK Computer, do Radiohead foi lançado em 1997 e ironicamente prevê o advento do MP3. É como se ele dissesse: “OK, computador, você venceu”. Para muitos críticos, ele marca o início da morte dos discos. Mas o Radiohead, como de costume, tenta ditar tendências e remar contra a maré.

Em 2007, com o mercado numa crise cada vez maior, a banda encerrou seu contrato com a gravadora e lançou o álbum In Rainbows de forma independente, cobrando do fã apenas o que ele estivesse disposto a pagar pela versão em MP3. Mesmo que não fosse nem um centavo. Ainda havia uma versão em CD, e um vinil duplo, com músicas exclusivas.

Pouco mais de 3 anos depois, o Radiohead inovou mais uma vez. Na última semana começou a pré-venda do que eles estão chamando de “first newspaper album”, ou primeiro álbum de jornal. Ainda não se sabe o que exatamente virá nesse pacote. O que está certo é que ele inclui 1 CD, 2 vinis, várias folhas com desenhos, 625 pedacinhos de papel e um tipo de plástico para juntar tudo isso. A partir de maio as pessoas vão começar a receber o pacote, mas já é possível baixar o disco em MP3 pelo site The King of Limbs.

Nesse caso, a música já está disponível, mas para a banda, o trabalho não se resume a isso. Qualquer um pode simplesmente ouvir o single Lotus Flower e parar por aí. Mas todo esse material adicional, serve para complementar a obra. E os discos de vinil são para resgatar o ritual de se escolher colocar uma música para ouvir e ouvir na ordem em que os autores esperam que você escute (ou pelo menos, ter um pequeno trabalho pra mudar de faixa), ao contrário de simplesmente colocar o iPod na função shuffle e alternar músicas do Radiohead com Capital Inicial e Bonde do Tigrão.

Assim, o trabalho não se resume a 40 minutos de MP3 para serem ouvidos, apagados e esquecidos. Difícil responder qual será o impacto do newspaper album no mercado. Talvez nenhum. O importante é que um álbum assim retoma a música como forma de arte, conceito que ela nunca devia ter perdido. 

Comentários

  1. honey, seu texto é muito confuso. não entendi o que você quis dizer, afinal de contas inúmeros cantores têm lançado seus discos no formato vinil (o radiohead, nesse aspecto está muito distante de re-reinventar a roda) e o vinil também permite que o ouvinte escute músicas isoladas. só pra finalizar: música sempre foi arte.

    bayjos

    ResponderExcluir
  2. Vitor, vou tentar reescrever a postagem pra ficar mais claro.

    A ideia central que quis passar não é relativa ao vinil em si, e sim em todo o material que complementa o disco, o conceito de "newspaper album" que ainda está nebuloso até que ele realmente seja enviado aos compradores.
    Na minha opinião todo esse material tenta mostrar que o trabalho da banda como um todo, não só a música, é arte.

    ResponderExcluir
  3. sim sim, agora entendi. então é melhor, as vezes, deixar pra falar disso quando soubermos o que é um "newspaper album".

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…