Pular para o conteúdo principal

Muse e o desafio de abrir o show do U2

Na Europa e nos Estados Unidos, o Muse está acostumado a ser headliner de festivais, e tocar em estádios lotados, com multidões afoitas para ouvirem suas canções. A diferença agora é que, no braço latino-americano da turnê 360º do U2,o estádio está lotado para ver outra banda.

Estive presente no estádio do Morumbi no último sábado e pude ter uma noção do desafio enfrentado pelo Muse.

P1010279

Durante um show de apenas oito músicas, a banda enfrentou a indiferença e desinteresse da maior parte dos fãs dos irlandeses do U2. Tinha gente dormindo, batendo papo, passeando. No setor da arquibancada que fiquei, num espaço amostral de 500 pessoas, apenas 3 ficaram de pé no show de abertura. Fazendo um cálculo proporcional ao público presente, estimo que cerca de 540 pessoas estavam realmente interessadas na banda de abertura, o que dá cerca de 0,5% do público.

O Muse fez um show intenso e impecável, utlizando da melhor maneira a vitrine que foi lhe dada para a divulgação do seu trabalho. Creio que em pouco tempo o Muse também será grande no Brasil. Bono ressaltou que a banda é um dos melhores power trios da história do rock. Pode parecer exagerado, mas concordo. E digo mais: o Muse é melhor que o U2.

Irônico é pensar que boa parte do público que sequer deu chance ao Muse no último sábado em 5 anos poderá estar indo a um show solo da banda em um Morumbi lotado nos próximos anos.

Abaixo, um vídeo do fã que foi embora antes do U2 começar a tocar.

Comentários

  1. Valéria2:41 AM

    Melhor que o U2 tb não!
    É um rock mais pesado e, exatamente por isso, tem um público diferente.
    O show deles foi bom, mas não é o meu gosto.
    Bjoooo

    ResponderExcluir
  2. ué... entao vc acabou indo no show?

    ResponderExcluir
  3. Eu não fiz parte dos 540.... Oooo, show ruim, viu!!!

    ResponderExcluir
  4. Caro Gregório, estou aqui para concordar com você "O Muse fez um show intenso e impecável, utilizando da melhor maneira a vitrine que foi lhe dada para a divulgação do seu trabalho". Para mim, depois que acabou o show do Muse a sensação foi de "dever cumprido, já posso ir embora". Juro que se eu não estivesse em grupo e não estivesse colada na grade as chances de isso acontecer eram grandes. Afinal, naquele momento pensei: dificilmente o show do U2 por melhor que seja, vai me proporcinar tamanha euforia, prazer, entusiasmo e outras grandes emoções como foi ouvir o Muse. "knigth of cidonia" foi o auge, que me deu a lembrança por exatos 5 dias de intenso torcicolo. E eu teria torcicolo novamente sem titubear. E de fato, o show do U2 por melhor que tenha sido, em alguns pontos chegou a ser quase decepcionante. Nem tocou minha musica preferida deles.. (stay).
    Anyway... como diria um amigo meu: SHOW do MUSE com encerramento do U2. Espero que muito em breve, eu possa ir a um show solo do MUSE e curtir toda a grandiosidade dos espetaculos de estadio que eles produzem. Antes que eu me esqueça: TODAS as pessoas com quem conversei que foram ao show e que não conheciam o MUSE, AMARAM a banda, sendo que alguns amigos "metal" baixaram a discografia já no dia seguinte. Fica a promessa =)

    ResponderExcluir
  5. "Irônico é pensar que boa parte do público que sequer deu chance ao Muse no último sábado em 5 anos poderá estar indo a um show solo da banda em um Morumbi lotado nos próximos anos." Concordo Gregorio!! Aposto que isso vai acontecer!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

O custo de um carro popular é muito maior do que você pensa (uma história real)

Nunca tive o sonho de comprar um carro, até mesmo porque nem gosto de dirigir fora do videogame. E como até pouco tempo atrás eu tinha transporte da empresa para o trabalho, comprar um carro seria um capricho muito caro e desnecessário. Até que voltei para Belo Horizonte e senti a necessidade de comprar um automóvel para ter um pouco mais de conforto. Comprei meu primeiro carro em maio de 2014.

Em 30 meses e pouco mais de 43.000 km rodados, o meu carro gerou um custo mensal de R$1407,02.


Esse valor não inclui o valor que paguei no automóvel, ele refere-se apenas a gastos realizados que não poderão ser repostos com a venda do carro. Pode até parecer um valor muito alto, mas ele foi rigorosamente calculado e pode surpreender os desavisados.

E veja só, meu carro não é extravagante: é um Volkswagen up! com a maioria dos opcionais. Tem motor 1.0, consome muito pouco combustível e a manutenção é relativamente barata. É que mesmo um carro popular pode sair muito caro.

R$27.044,14 com despesas …

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…