Pular para o conteúdo principal

A volta do vinil e a morte do CD

(e é tudo culpa do MP3)

Enquanto as vendas de CDs caem a cada dia, o disco de vinil voltou a figurar nas prateleiras das lojas e nas coleções dos apreciadores de música. E minha coleção de vinil, que inclui discos comprados em sebos a preço de banana e lançamentos recentes que sequer chegaram a sair em CD,  cresce a cada dia.

Discos de vinil

Dizer que o som análogico é melhor pra mim é balela. Que é pior, também. São diferentes, e o som depende muito do equipamento que você está utilizando pra reproduzir. E eu não acredito que eu tenha um ouvido sensível a ponto de escolher a mídia assim.

Falar que é saudosismo seria mentira. O único LP que eu tive nos primeiros 25 anos da minha vida foi do Bozo. E em casa eu ouvia algumas histórias da coleção “Disquinho” também. Saudosismo pra mim seria voltar a comprar fitas K7 – essas eu tive aos montes.

Pra mim as grandes vantagens do CD quando esse tipo de mídia surgiu eram a facilidade de se escolher a música a ser ouvida (apertando apenas um botão!) e a portabilidade, que permitia carregar uma quantidade grande de músicas num item relativamente pequeno. Com a popularização do MP3, isso deixou de ser vantagem. Hoje há aparelhos sonoros com entradas USB, SD e que sequer tocam CDs.

E é aí que entra o vinil novamente. Para alguém que valoriza uma coleção de discos, que gosta de ter o material fisicamente, o LP é muito mais atrativo. É maior, mais bonito, e exige um pouco mais de cuidado para a sua reprodução – e consequentemente você acaba dando um valor maior ao disco. Como item de coleção o vinil é muito melhor. Pra quem não liga pra coleções, o MP3 é mais do que o suficiente. Some a isso o fato de que boa parte dos lançamentos recentes em vinil contém um código para download em MP3, e a morte do CD passa a ser eminente.

Não creio que o vinil volte a ter a popularidade de duas décadas atrás. O MP3 já revolucionou o mercado municipal e parece não ter adversários à altura. Mas eu ainda prefiro uma coleção de discos bonita a um HD cheio de arquivos musicais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

(Re)instalando o Android 4.1.2 no Samsung Galaxy S3

Atualizado em 18 de maio de 2013 No começo de fevereiro, Samsung Brasil fez a alegria dos proprietários do Galaxy S3 ao liberar mais uma atualização do Android para o aparelho. Conhecida como Premium Suite, a nova versão do firmware tem o Android Jelly Bean 4.1.2 com diversas customizações da fabricante coreana. Acontece que alguns aparelhos passaram a apresentar inúmeros problemas após essa atualização (o meu entrou nessa lista). Procurei em diversos fóruns e sites a solução, e acabei não encontrando. Apenas constatei que eu não era o único que estava angustiado. Entre os problemas apresentados após a atualização, estão: Telefone não carrega a bateria ao plugar na tomada; Aparelho desliga sozinho; Aplicativos travam, forçando o reinício do sistema operacional; Sobreaquecimento; Telefone não recebe dados conectado ao Wi-Fi; Lentidão extrema; Interface TouchWiz sem fluidez; Consumo excessivo de energia. Meu telefone apresentou quase todos esses sintomas. Isso é meio

O que acontece se um vampiro morder um zumbi? E se um zumbi morder um vampiro?

Já parou pra pensar no que acontece quando um vampiro morde um zumbi? Será que o zumbi vira um vampiro? E quando a situação é a inversa? Será que uma mordida de zumbi transforma o ser de dentes pontudos? Tanto vampiros quanto zumbis são seres que podem ser classificados como "mortos-vivos". Isso significa que, apesar deles conseguirem executar certas ações que usualmente apenas os seres vivos são capazes, eles estão mortos. Na prática, se um vampiro morder um zumbi ou vice-versa não acontece nada.  A razão desse efeito (ou da ausência de efeito) é que os zumbis mordem apenas seres vivos. Por esse motivo, eles não mordem outros zumbis, vampiros e múmias, por exemplo. Por outro lado, os vampiros precisam se alimentar de sangue de seres vivos. E, embora os zumbis tenham sangue circulando em suas veias, eles já estão mortos. Assim sendo, se um vampiro cruzar com um zumbi, certamente eles não se atacarão. E mesmo supondo que seja um vampiro doidão que queira m

Anderlaine

Meu e-mail é "Gregório underline Fonseca @ Gregório's Corporation ponto com". Sabe onde está o erro? No underline . Na verdade, não existe nenhum e-mail no mundo com underline . Nem o seu. A origem dessa designação para o símbolo "_" no Brasil é desconhecida. O correto, em inglês, seria underscore . A tradução para o português é "traço baixo". Mas em algum momento da história da humanidade, alguém resolveu chamar o "traço baixo" de underline , e assim o termo se popularizou. Já experimentou dizer um termo com um underscore no meio? Na maioria das vezes, se a pessoa não faz uma careta de que não está entendendo, ela responde com a pergunta: " Underline , né?" Mas eu insisto em dizer o termo correto. Por mais que possa ser chato pra mim, acho importante ter esse papel educativo. Underline deve ser usado para se referir ao texto sublinhado, desse jeito, ó ! Apesar disso tudo, acho que essa é uma batalha perdida. É mais um e