Pular para o conteúdo principal

Capitão América – O Primeiro Vingador

capitao-america-o-primeiro-vingador-1024x768Após o sucesso das franquias X-Men e Homem-Aranha (cujos direitos para o cinema são da Fox e Sony, respectivamente) a Marvel resolveu investir de verdade em seus super heróis no cinema e até criou um estúdio próprio para tomar conta de suas criações, o Marvel Studios.

Os filmes lançados a partir daí passaram a ter elos uns com os outros, para que tudo culminasse num filme do super grupo Vingadores, reunindo os maiores heróis da editora. Homem de Ferro, Hulk, Thor e, finalmente, o Capitão América.

Enquanto os filmes do Homem de Ferro surpreendentemente tiveram um sucesso avassalador, Hulk e Thor ganharam filmes razoáveis. O maior desafio, no entanto, ficou para o final: fazer com que um filme do Capitão América seja popular fora da América do Norte. O herói tem como uniforme uma bandeira dos Estados Unidos, e o anti-americanismo está em alta no mundo. Há países em que o título do filme foi apenas “O Primeiro Vingador”.

O resultado, no entanto, foi satisfatório. O Capitão América do filme é realmente um patriota, mas isso não é um problema. Por ser situado na Segunda Guerra Mundial, fica mais fácil dizer que o lado bonzinho é o dos Estados Unidos, e o filme não tenta convencer a plateia de que os Estados Unidos são melhores que o resto do mundo.

O filme do Capitão América é bom, mas não chega a ser revolucionário. O longa metragem não se parece com um filme de guerra. Nem com um de super herói. Fica no meio termo, o que acaba dando a história uma personalidade própria. Não agride os fãs xiitas dos quadrinhos é é de fácil entendimento para qualquer pessoa que não tenha um conhecimento prévio da personagem.

Depois dos créditos, há um teaser trailer do filme dos Vingadores, a aposta mais ousada da Marvel Studios. Fica a expectativa por mais um grande filme baseado em histórias em quadrinhos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…