Pular para o conteúdo principal

Dom Casmurro e os discos voadores

Passei 27 anos da minha vida sem ler o livro Dom Casmurro. Mas foi só colocarem alienígenas e andróides no meio da história que fiquei atraído pela trama. O livro Dom Casmurro e os discos voadores tem sua autoria creditada a Machado de Assis e Lúcio Manfredi. Parece estranho, e na verdade é um pouquinho.

dom-casmurro-e-os-discos-voadores

A história da paixa entre Bentinho e Capitu é conhecida por todos que prestaram o mínimo de atenção nas aulas de literatura e também por quem sabe um pouquinho de cultura geral – mesmo que não tenha lido o livro.

A obra completa de Machado de Assis é de domínio público. Você pode até baixar nesse site e ler tudo em seu PC ou tablet, legalmente e gratuitamente. E se é de domínio público, você também pode fazer o que bem entender com ela.

Aí entra o Lúcio Manfredi. O escritor e roteirista reescreveu a história clássica de Dom Casmurro, adicionando elementos ditos “fantásticos”, tais como discos voadores, extraterrestres e andróides.

O livro pode desagradar aos mais conservadores, mas fato é que o resultado final ficou muito bom. As alterações na história começam de forma sutil e a trama vai crescendo até se tornar algo completamente novo.

No fim das contas, o livro ainda cumpriu um papel pedagógico: fiquei com vontade de ler a versão original de Dom Casmurro.

Fica até difícil imaginar como é que esse romance funcionou sem ter ETs no meio.

Comentários

  1. Diane9:38 PM

    Bacana! Fiquei com vontade de ler! A propósito, um cara chamado Domício Proença Filho, professor e escritor, reescreveu a história sob as perspectivas de Capitu! Ainda não li, mas tbm parece ser bem interessante! Ah, o nome do livro é: Capitu, memórias póstumas. :)

    ResponderExcluir
  2. Greg, desculpe se estou sendo chato, mas uma vez que você mesmo disse que não leu o texto original, queria só esclarecer uma coisa.

    Esse livro sobre o qual você escreveu pode até ser interessante, a história pode até funcionar muito bem. Talvez até lesse este livro se não estivesse com tantos outros na fila. Mas daí pra você dizer que fica difícil imaginar como que um dos maiores romances da nossa literatura funcionou sem ter ETs no meio já é um pouco exagerado, não acha?

    Enfim, procure ler Dom Casmurro na versão original. Espero que você goste. Acho que esse é meu livro preferido da nossa Literatura. Um dos poucos que li mesmo que nenhuma professora me mandasse ler.

    Mas veja que o mais importante nesse livro, de fato, não é a estória em si que ele conta, mas sim a maneira como ele conta. Nesse quesito acho realmente muito difícil o texto original ser superado. Tanto é que até hoje tem gente debatendo sem chegar a um consenso sobre se houve não a traição. E tudo isso sem ter ETs no meio.

    Novamente, desculpe-me se estou sendo chato. Talvez eu seja um daqueles conservadores que você comentou =)

    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Drewa, eu realmente acho exagerado o que escrevi, mas foi de propósito! Quando eu disse que não imaginava o romance funcionando sem os ETs no meio foi só uma pequena ironia. Eu não acredito que o livro original seja ruim, tanto é que fiquei com vontade de lê-lo.

    É que literatura clássica nacional pra mim sempre foi uma leitura que fiz obrigado pela escola. No resto do tempo, acabava lendo algum livro de fantasia ou ficção científica.

    Mas eu vou ler Dom Casmurro de verdade. E em breve!

    ResponderExcluir
  4. Júlia9:42 PM

    E eu não consigo imaginar Dom Casmurro com ETs!! hehe
    Tenho o original lá em casa, fica a vontade! Eu adorei!
    Sempre li esses livros obrigada pela escola, mas esse eu amei!

    ResponderExcluir
  5. Júlia, o livro extraterrestrificado está à sua disposição!

    ResponderExcluir
  6. Como eu posso fazer pra baixar esse livro gratuitamente no meu TABLET?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

O custo de um carro popular é muito maior do que você pensa (uma história real)

Nunca tive o sonho de comprar um carro, até mesmo porque nem gosto de dirigir fora do videogame. E como até pouco tempo atrás eu tinha transporte da empresa para o trabalho, comprar um carro seria um capricho muito caro e desnecessário. Até que voltei para Belo Horizonte e senti a necessidade de comprar um automóvel para ter um pouco mais de conforto. Comprei meu primeiro carro em maio de 2014.

Em 30 meses e pouco mais de 43.000 km rodados, o meu carro gerou um custo mensal de R$1407,02.


Esse valor não inclui o valor que paguei no automóvel, ele refere-se apenas a gastos realizados que não poderão ser repostos com a venda do carro. Pode até parecer um valor muito alto, mas ele foi rigorosamente calculado e pode surpreender os desavisados.

E veja só, meu carro não é extravagante: é um Volkswagen up! com a maioria dos opcionais. Tem motor 1.0, consome muito pouco combustível e a manutenção é relativamente barata. É que mesmo um carro popular pode sair muito caro.

R$27.044,14 com despesas …

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…