boo-box

21 maio 2011

A oração da banda mais bonita da cidade

Por mais que o clipe fosse original, interessante e bem produzido, dificilmente A Banda Mais Bonita da Cidade deve ter imaginado a repercussão que o vídeo de “Oração” teve durante essa semana na internet. Afinal, atingir 800 mil visualizações em apenas quatro dias, para uma banda desconhecida do grande público, é uma tarefa difícil. Aliás, mesmo para as bandas mais conhecidas.

A verdade é que o clipe caiu nas graças dos internautas. Diverte, empolga, emociona. Dá vontade de ter participado da gravação.

No vídeo, os cinco membros da banda se juntam aos seus amigos e saem cantando e tocando pela casa. Tudo num clima familiar, com as pessoas transmitindo a sensação que estão realmente sentindo a música. E quem assiste sente junto.

Quem ainda não viu, fica a recomendação. E quem já viu, com certeza vai querer ver de novo. E de novo.

09 maio 2011

Por outras bandas

A frequência de atualização do blog tem sido bem menor que nos últimos anos. Fato é que estou escrevendo menos. Pelo menos, no que se refere a textos que torno públicos.

No entanto, tenho colaborado com outros blogs musicais, o Move That Jukebox! e o Disco Pops. A seguir, listo minhas contribuições recentes na blogosfera musical brasileira.

Move That Jukebox Logo

Shows

Lollapalooza @ Chile, dia 2 (03/04/11)

Lollapalooza @ Chile, dia 1 (02/04/11)

Discos

Apanhador Só – Acústico-Sucateiro

Tiê – A Coruja e o Coração

The Pains of Being Pure At Heart – Belong

Notícias

Baixe o show completo do The Pains of Being Pure At Heart no Webster Hall

Brother lança single de “Still Here”

Mona libera música para download gratuito

Disco Pops

Shows

Vampire Weekend @ Via Funchal, SP, 01/02/2011

Belle and Sebastian @ Circo Voador, RJ, 12/11/2010

Garotas Suecas @ SESC Pompeia, SP, 06/11/2010

Discos

The Vaccines – What Did You Expect From The Vaccines?

Cérebro Eletrônico – Deus e o Diabo no Liquidificador

Belle and Sebastian – Write About Love

 

Móveis Coloniais de Acaju

Bônus track:

Depoimento sobre minha invasão de palco no show dos Móveis Coloniais de Acaju

 Foi um sonho?

08 maio 2011

Max Steel não, mamãe!

As lojas de brinquedo só perdem para as livrarias e lojas de discos no meu ranking de preferência de visita em Shopping Centers. Até hoje compro umas bobagens pra mim (há algo mais irresistível que um autorama de Mario Kart?).

Normalmente visito só a seção de brinquedos para meninos, até porque a rosa Barbie que permeia toda a seção das meninas me cega. Mas um efeito semelhante ocorre nas prateleiras de action figures: não aguento o verde das embalagens do Max Steel!

Max Steel

Sou um ferrenho defensor dos “bonequinhos” e acho que toda criança deve ganhá-los ao invés de ganhar carrinhos. Com bonecos, ela pode fantasiar histórias de super-heróis ou guerras interestelares. Com carrinhos, o máximo que sai é um “Velozes e Furiosos”. Mas é importante que não seja um Max Steel.

Eu explico: existem dezenas de versões do boneco colocadas lada a lado, o equivalente às várias versões da Barbie. Tem o mergulhador, o motociclista, o esportista, sei lá. Mas não precisava disso tudo…

No auge dos meus 6 anos, me divertia à beça com meus bonecos do He-man, Esqueleto, Mentor, Aquático, Mandíbula e Maligna entre outros. Eles formavam a turma completa, o ideal para a brincadeira. O que seria de mim se eu tivesse dezenas de He-mans? Provavelmente eu teria que inventar histórias de clonagem ou irmãos gêmeos para justificar a interação de todas as versões da personagem.

Quando for presentear uma criança, não dê Max Steel. Compre um boneco da Liga da Justiça, Star Wars ou mesmo Pokémon e Bakugan. Assim ela terá muitas possibilidades para brincar e imaginar. Sem contar que o Max Steel é feio pra caramba!

05 maio 2011

A volta do vinil e a morte do CD

(e é tudo culpa do MP3)

Enquanto as vendas de CDs caem a cada dia, o disco de vinil voltou a figurar nas prateleiras das lojas e nas coleções dos apreciadores de música. E minha coleção de vinil, que inclui discos comprados em sebos a preço de banana e lançamentos recentes que sequer chegaram a sair em CD,  cresce a cada dia.

Discos de vinil

Dizer que o som análogico é melhor pra mim é balela. Que é pior, também. São diferentes, e o som depende muito do equipamento que você está utilizando pra reproduzir. E eu não acredito que eu tenha um ouvido sensível a ponto de escolher a mídia assim.

Falar que é saudosismo seria mentira. O único LP que eu tive nos primeiros 25 anos da minha vida foi do Bozo. E em casa eu ouvia algumas histórias da coleção “Disquinho” também. Saudosismo pra mim seria voltar a comprar fitas K7 – essas eu tive aos montes.

Pra mim as grandes vantagens do CD quando esse tipo de mídia surgiu eram a facilidade de se escolher a música a ser ouvida (apertando apenas um botão!) e a portabilidade, que permitia carregar uma quantidade grande de músicas num item relativamente pequeno. Com a popularização do MP3, isso deixou de ser vantagem. Hoje há aparelhos sonoros com entradas USB, SD e que sequer tocam CDs.

E é aí que entra o vinil novamente. Para alguém que valoriza uma coleção de discos, que gosta de ter o material fisicamente, o LP é muito mais atrativo. É maior, mais bonito, e exige um pouco mais de cuidado para a sua reprodução – e consequentemente você acaba dando um valor maior ao disco. Como item de coleção o vinil é muito melhor. Pra quem não liga pra coleções, o MP3 é mais do que o suficiente. Some a isso o fato de que boa parte dos lançamentos recentes em vinil contém um código para download em MP3, e a morte do CD passa a ser eminente.

Não creio que o vinil volte a ter a popularidade de duas décadas atrás. O MP3 já revolucionou o mercado municipal e parece não ter adversários à altura. Mas eu ainda prefiro uma coleção de discos bonita a um HD cheio de arquivos musicais.