Pular para o conteúdo principal

The Vaccines, finalmente no Brasil

Falar que uma banda que apareceu pro mundo só ano passado “finalmente” vem ao Brasil pode parecer exagero, mas nesse caso não é.

O The Vaccines tinha participação confirmada no Planeta Terra Festival no ano passado, mas infelizemente cancelou sua apresentação. Naturalmente, fiquei frustrado: foi uma das bandas que mais ouvi em 2011.

Pra compensar o cancelamento (e pra encher o bolso de dinheiro também), a banda confirmou dois shows no Brasil no mês de abril. A venda de ingressos começou hoje, e pouco mais de meia-hora depois, o primeiro lote constava como esgotado no site. Seria minha segunda frustração?

Algumas horas depois, consegui garantir meu ingresso. Eles ainda não estão com essa bola toda de esgotar tudo em uma hora, mas se eu fosse você já comprava sua entrada! Agora é esperar até abril.The Vaccines Reproduzo na sequência a resenha que fiz para o álbum de estreia da banda, What Did You Expect From The Vaccines?, publicada originalmente no site Discopops em março do ano passado.

“Não vi nenhum texto sobre a banda The Vaccines sem a palavra hype, e já a inseri no meu na primeira frase. Os ingleses têm sido apontados como a maior promessa do rock para 2011 desde o ano passado, quando suas primeiras músicas começaram a circular na internet, e acabam de lançar seu primeiro álbum. What Did You Expect From The Vaccines? é um dos títulos de discos mais originais a surgir nos últimos anos e é absolutamente adequado à situação da banda. Dependendo do que você esperava dos Vaccines, o álbum pode te surpreender ou te decepcionar.

Não poderia haver cartão de visitas melhor que a primeira faixa, "Wreckin' Bar (Ra Ra Ra)". Dançante e contagiante, resume em 1 minuto e 22 segundos o que há de melhor na banda. No entanto, sua curta duração cria uma sensação de coito interrompido – e dá vontade de colocar a canção no modo repeat. Aliás, ao observar o tempo total de cada uma das músicas, tem-se a impressão de que na verdade é um disco de punk rock.

"If You Wanna", que poderia ser confundida com uma música do Kaiser Chiefs, continua o ritmo de festa indie até a desaceleração de uma trinca de baladas. "A Lack of Understanding", "Blow it Up" e "Wetsuit" são canções marcadas pela melodia, para tocar em rádios e novelas, mas sem perder sua cerne roqueira. É o indie acessível para o mundo pop.

"Norgaard" é mais uma das canções que vão direto ao ponto e fazem você acreditar na salvação do rock em menos de dois minutos – embora eu nunca tenha acreditado que o rock precisasse ser salvo. E se o The Vaccines tem um hit, é "Post Break-Up Sex", ponto alto do disco, com potencial para ser a mais cantada pela plateia nos concorridos shows da banda. "Under Your Thumb" é uma música que você fica esperando começar, mas quando percebe, ela já está acabando. Parece uma introdução para a música seguinte, "All In White", a primeira a ultrapassar quatro minutos e que conta com o maior trecho instrumental do disco. Pra terminar, ainda tem a agitada "Wolf Pack" e a melancólica "Family Friend", que dá ao final do disco um clima completamente oposto ao seu início.

Chega a ser injusto exigir de uma banda nova que se grave uma obra-prima logo no primeiro álbum. Com todos os holofotes voltados para o grupo, o The Vaccines conseguiu segurar o hype e lançou um disco coeso, original e muito bom. Certamente What Did You Expect From The Vaccines? entrará em diversas listas de melhores do ano ao final de 2011, mas também se ausentará de algumas. E, sim, eles justificam o hype. The Vaccines é a melhor banda a lançar seu LP de estreia em 2011. Pelo menos até o momento.”

Como previ, o disco entrou em diversas listas de melhroes do ano, inclusive a do Move That Jukebox, que participei da votação. Se você ainda não ouviu, é uma boa oportunidade pra conhecer a banda e ser convencido a ir aos shows!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…

O que acontece se um vampiro morder um zumbi? E se um zumbi morder um vampiro?

Já parou pra pensar no que acontece quando um vampiro morde um zumbi? Será que o zumbi vira um vampiro? E quando a situação é a inversa? Será que uma mordida de zumbi transforma o ser de dentes pontudos?
Tanto vampiros quanto zumbis são seres que podem ser classificados como "mortos-vivos". Isso significa que, apesar deles conseguirem executar certas ações que usualmente apenas os seres vivos são capazes, eles estão mortos. Na prática, se um vampiro morder um zumbi ou vice-versa não acontece nada. 

A razão desse efeito (ou da ausência de efeito) é que os zumbis mordem apenas seres vivos. Por esse motivo, eles não mordem outros zumbis, vampiros e múmias, por exemplo.
Por outro lado, os vampiros precisam se alimentar de sangue de seres vivos. E, embora os zumbis tenham sangue circulando em suas veias, eles já estão mortos.
Assim sendo, se um vampiro cruzar com um zumbi, certamente eles não se atacarão. E mesmo supondo que seja um vampiro doidão que queira morder um ser um put…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…