Pular para o conteúdo principal

Belle and Sebastian - Write About Love

Pouco mais de um ano e meio atrás, o Belle and Sebastian lançou seu disco mais recente, Write About Love. Na ocasião, fiz uma resenha, que foi publicada no blog Disco Pops. Escrevi por uns tempos nesse blog, antes de entrar no Move That Jukebox. Atualmente, o Disco Pops anda sem atualizações, mas todo o seu conteúdo continua disponível online.

Reproduzo a seguir minhas impressões iniciais sobre o álbum.


Desde o primeiro disco, o Belle and Sebastian traz um conceito diferente a cada trabalho. Write About Love, primeiro álbum de estúdio desde 2006, não tem essa característica. Parece um apanhado de canções de cada fase da banda – dos primórdios de melancolia até os tempos ensolarados dos discos mais recentes. Dessa forma, todos que já curtiram a banda em algum momento de sua trajetória podem gostar do novo álbum.

A abertura, "I Didn’t See It Coming", é uma pérola pop cantada pela voz quase sussurrada de Sarah Martin, que recebe o reforço do vocalista principal Stuart Murdoch nos momentos mais fortes. As harmonias vocais, por sinal, são um dos pontos altos do disco. A canção é seguida por "Come On Sister", com sintetizadores que causam estranheza na primeira audição, mas se tornam indispensáveis na segunda.

Norah Jones rouba a cena e canta com Murdoch em "Little Lou, Ugly Jack, Prophet John", a principal surpresa do álbum. A mistura de jazz parece difícil de rotular – a parceria foi tão bem sucedida que também fará parte do próximo disco da cantora. Outra participação inusitada, mas com um resultado fabuloso, é a da atriz (isso mesmo, atriz) Carey Mulligan na faixa que dá nome ao disco. "Write About Love" é um single radiofônico sem tirar a identidade da banda.

Com os títulos na primeira pessoa, "I Want the World to Stop" e "I'm Not Living In The Real World" têm pegada suficiente para deixar os indies mais desinibidos dançando com os braços levantados e punhos cerrados enquanto os tímidos apreciam as letras inspiradas e melodias contagiantes. O Belle and Sebastian melancólico do fim da década de 90 está presente em "Calculating Bimbo", "Ghost Of Rockschool" e "Read The Blessed Pages", que mostram que a banda mesmo mudando sua sonoridade ao longo dos anos, ainda consegue compôr, gravar e produzir canções relevantes no estilo que os consagrou.


O trompete no início de "I Can See Your Future" parece iniciar uma canção de despedida. Aliás, esse é mesmo o clima da faixa que tem Sarah como principal vocalista: um fim de festa, mas em grande estilo. Antes do término do disco, o ouvinte ainda é presenteado com "Sunday’s Pretty Icons", com cara de faixa bônus.

Write About Love não tem uma unidade como álbum e soa como um disco de “Greatest Hits” dada a quantidade de hits em potencial, mas sem relações entre si. Se o disco fosse dividido em 3 EPs, o trabalho poderia soar mais coeso, porém os fãs teriam que esperar mais. Eu não queria esperar. No fim das contas, o que importa é que as músicas sejam boas. E algumas delas tem tudo para se tornarem clássicos do twee pop.

Comentários

  1. Anônimo12:48 AM

    We are a bunch of volunteers and opening a brand new scheme in our
    community. Your website offered us with valuable
    info to work on. You've performed a formidable process and our whole neighborhood will probably be grateful to you.

    My web page: musicos ()

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…