Pular para o conteúdo principal

Belle and Sebastian - Write About Love

Pouco mais de um ano e meio atrás, o Belle and Sebastian lançou seu disco mais recente, Write About Love. Na ocasião, fiz uma resenha, que foi publicada no blog Disco Pops. Escrevi por uns tempos nesse blog, antes de entrar no Move That Jukebox. Atualmente, o Disco Pops anda sem atualizações, mas todo o seu conteúdo continua disponível online.

Reproduzo a seguir minhas impressões iniciais sobre o álbum.


Desde o primeiro disco, o Belle and Sebastian traz um conceito diferente a cada trabalho. Write About Love, primeiro álbum de estúdio desde 2006, não tem essa característica. Parece um apanhado de canções de cada fase da banda – dos primórdios de melancolia até os tempos ensolarados dos discos mais recentes. Dessa forma, todos que já curtiram a banda em algum momento de sua trajetória podem gostar do novo álbum.

A abertura, "I Didn’t See It Coming", é uma pérola pop cantada pela voz quase sussurrada de Sarah Martin, que recebe o reforço do vocalista principal Stuart Murdoch nos momentos mais fortes. As harmonias vocais, por sinal, são um dos pontos altos do disco. A canção é seguida por "Come On Sister", com sintetizadores que causam estranheza na primeira audição, mas se tornam indispensáveis na segunda.

Norah Jones rouba a cena e canta com Murdoch em "Little Lou, Ugly Jack, Prophet John", a principal surpresa do álbum. A mistura de jazz parece difícil de rotular – a parceria foi tão bem sucedida que também fará parte do próximo disco da cantora. Outra participação inusitada, mas com um resultado fabuloso, é a da atriz (isso mesmo, atriz) Carey Mulligan na faixa que dá nome ao disco. "Write About Love" é um single radiofônico sem tirar a identidade da banda.

Com os títulos na primeira pessoa, "I Want the World to Stop" e "I'm Not Living In The Real World" têm pegada suficiente para deixar os indies mais desinibidos dançando com os braços levantados e punhos cerrados enquanto os tímidos apreciam as letras inspiradas e melodias contagiantes. O Belle and Sebastian melancólico do fim da década de 90 está presente em "Calculating Bimbo", "Ghost Of Rockschool" e "Read The Blessed Pages", que mostram que a banda mesmo mudando sua sonoridade ao longo dos anos, ainda consegue compôr, gravar e produzir canções relevantes no estilo que os consagrou.


O trompete no início de "I Can See Your Future" parece iniciar uma canção de despedida. Aliás, esse é mesmo o clima da faixa que tem Sarah como principal vocalista: um fim de festa, mas em grande estilo. Antes do término do disco, o ouvinte ainda é presenteado com "Sunday’s Pretty Icons", com cara de faixa bônus.

Write About Love não tem uma unidade como álbum e soa como um disco de “Greatest Hits” dada a quantidade de hits em potencial, mas sem relações entre si. Se o disco fosse dividido em 3 EPs, o trabalho poderia soar mais coeso, porém os fãs teriam que esperar mais. Eu não queria esperar. No fim das contas, o que importa é que as músicas sejam boas. E algumas delas tem tudo para se tornarem clássicos do twee pop.

Comentários

  1. Anônimo12:48 AM

    We are a bunch of volunteers and opening a brand new scheme in our
    community. Your website offered us with valuable
    info to work on. You've performed a formidable process and our whole neighborhood will probably be grateful to you.

    My web page: musicos ()

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

O custo de um carro popular é muito maior do que você pensa (uma história real)

Nunca tive o sonho de comprar um carro, até mesmo porque nem gosto de dirigir fora do videogame. E como até pouco tempo atrás eu tinha transporte da empresa para o trabalho, comprar um carro seria um capricho muito caro e desnecessário. Até que voltei para Belo Horizonte e senti a necessidade de comprar um automóvel para ter um pouco mais de conforto. Comprei meu primeiro carro em maio de 2014.

Em 30 meses e pouco mais de 43.000 km rodados, o meu carro gerou um custo mensal de R$1407,02.


Esse valor não inclui o valor que paguei no automóvel, ele refere-se apenas a gastos realizados que não poderão ser repostos com a venda do carro. Pode até parecer um valor muito alto, mas ele foi rigorosamente calculado e pode surpreender os desavisados.

E veja só, meu carro não é extravagante: é um Volkswagen up! com a maioria dos opcionais. Tem motor 1.0, consome muito pouco combustível e a manutenção é relativamente barata. É que mesmo um carro popular pode sair muito caro.

R$27.044,14 com despesas …

A regra básica para verificar se algo é verdade na internet

Um dia eu ainda quero compreender o que se passa na cabeça de alguém que inventa um boato e espalha pelo mundo. Será que o objetivo é apenas ser um agente do caos ou simplesmente rir das pessoas que acreditam. Só sei que não é de hoje que essas coisas existem (ou você realmente acredita que a Xuxa fez um pacto com o demônio e o Fofão tinha um punhal dentro do seu boneco?), só sei que a internet amplificou o alcance e a velocidade de todo tipo de boatos.

Por muitas vezes atuei (e continuo atuando) como um desmascarador de mensagens falsas entre os membros da minha família e amigos mais próximos, mas não adianta: se antes as bobagens eram espalhadas via e-mail, a diferença é que agora elas chegam via WhatsApp. Tento fazer o papel de mensageiro da verdade, mas é difícil ter sucesso...

Não espalho nada que eu não tenha verificado ou não confie na fonte. Se já espalhei alguma bobagem, pode ter certeza que foi na ignorância e que sinto vergonha por isso. Hoje em dia é muito fácil procurar …