Pular para o conteúdo principal

O ingresso é caro e a culpa é sua

Ontem as mídias sociais ficaram movimentadas com o anúncio das informações detalhadas sobre o festival Lollapalooza Brasil. Em primeiro lugar, por causa do line up que, na minha humilde opinião, é a melhor escalação de bandas em um festival que já vi no Brasil. E em segundo lugar por causa do preço: a pré-venda custa 900 reais para três dias.

Caixa Forte

Não pesquisei a fundo, mas pelo que conheço, acredito que o ingresso é um dos mais caros do mundo. Me sinto à vontade pra afirmar que há dois motivos que fazem com que os preços dos shows internacionais sejam tão altos no Brasil.

1 – Carteiras de estudante falsas

A lei de meia-entrada já foi boa (principalmente quando eu era estudante), mas o público em geral não soube aproveitar o benefício e hoje ela só serve pra fazer as pessoas honestas se darem mal. O motivo é a quantidade de documentos falsos que as pessoas fazem para usufruir do benefício da meia-entrada.

Só no Lollapalooza desse ano, 87% das entradas vendidas foram meia. Sinceramente, não creio que metade delas sejam para estudantes de verdade (embora não tenha dados concretos para provar essa teoria).

Na prática, as pessoas honestas pagam um preço muito mais alto pela inteira, enquanto uns espertalhões falsificam suas identidades estudantis para pagar menos. Além de prejudicar o próximo, é crime. Ilegal, imoral e tomara que engorde.

Se você é meu amigo e falsifica seus documentos, não me conte. Parte do seu ingresso sou eu quem estou pagando. E se eu ficar sabendo que você faz isso, vou ficar decepcioando.

2 – As pessoas pagam o preço cobrado

Aí é lei básica de mercado. Os produtores jogam o preço lá pra cima. O pessoal reclama, mas esgota os ingressos. Nos próximos shows, os preços são ainda maiores. Até chegarmos a um momento em que as pessoas vão deixar de comprar.

O ideal seria não comprarmos os ingressos quando eles forem muito caros. Mas como ninguém quer perder o show de seu artista favorito que pode nem voltar ao Brasil, a gente acaba cedendo e pagando.

Nesse item eu me incluo como culpado. Já paguei caro por shows. Acho que a maioria compensou (mas deve ter compensado muito mais para os produtores que pra mim).

Concluindo

Se as pessoas parassem de falsificar documentos (por um mundo melhor) e não comprassem os ingressos quando eles forem muito caros, é possível reverter a situação.

Mas é difícil. O Lollapalooza colocou algumas dezenas de milhares de ingressos à venda nessa madrugada. Antes do dia terminar, se esgotaram.

Se tem carteirinha de estudante falsa e paga quanto dinheiro for necessário para ir aos seus shows favoritos, não reclame dos preços dos ingressos. Mais do que dos produtores que definem o valor das entradas, a culpa é sua.

Comentários

  1. Gregs, mto bom seu post. Ontem fui ao show do KISS aqui em Monterrey (Mexico). Paguei cerca de R$300,00 POREM era cadeira, acolchoada, com serviço de garçon (nao precisei sair da minha cadeira para comprar nada) E a 10, talvez 15m da banda. Ah... esse era o segundo preço mais caro e em um arena fechada (mto menos gente que nos grandes estadios onde são os shows no Brasil).
    Uma pena ser assim.

    ResponderExcluir
  2. Estevan10:49 PM

    Se não pode vencê-los, junte-se a eles Gregs. Posso te arrumar um comprovante de matrícula se quiser, tenho da UFMG e da UFRJ kkkkk
    Mas sério, hoje em dia temos dois tipos de entrada: a normal e a dobrada, já virou tão de praxe fazer isso que em alguns lugares nem cobram mais a comprovação da meia-entrada...
    Brasiu-siu-siu!
    Abração, brother!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me arruma um comprovante de matricula da UFMG, mano?

      Excluir
  3. Ou melhora o sistema de meia-entrada, ou acaba com ele. E como a Thais falou, é caro e sem conforto, isso que irrita! E nao apenas os precos dos ingressos, carro tambem - aqui tem uma parte que é imposto, mas mesmo sem imposto o preco é caro, e o carro ainda vem sem opcionais.

    ResponderExcluir
  4. So esperar sair os outros shows das mesmas bandas na argentina, o preço da passagem de aviao ida e volta e hospedagem fica uns 200 reais mais baratos que o ingresso no preço cheio, igual o foo fighters ano passado no kilmes rock.

    ResponderExcluir
  5. O maior problema é justamente o da meia entrada. Se houvesse pelo menos um limite de idade nessa bagaça, já ajudaria muito, pois um artifício que foi criado para estimular/facilitar o acesso de estudantes quebrados a eventos culturais é muito mais utilizado por gente que já está inserida no mercado de trabalho.

    Eu sou otário e pago inteira, mas tenho vergonha na cara.

    ResponderExcluir
  6. Ano passado eu fui no Lolla (ou filapraloser) e além de caro (ingresso e bebidas), tivemos que enfrentar intermináveis filas para entrar no jockey, pegar a pulseira para comprar cerveja, comprar ficha e finalmente pegar a bebida. Perdemos shows na fila. Ou seja além de caro é muito desorganizado.

    ResponderExcluir
  7. As "carteirinhas falsas" são meras desculpas dos produtores para cobrarem preços absurdos que só são praticados no Brasil. Duvido muito que se fossem retiradas todas as carteirinhas falsas de circulação, ou mesmo se retirassem este benefício, os preços baixariam. pelo simples motivo de que as produtoras já sabem que podem jogar o preço lá no alto que as pessoas pagam. É o mesmo casos dos mercados que dizem que embutem o preço das sacolas plásticas no valor dos produtos, as sacolas foram proibidas e os preços continuaram os mesmos. Acho que é preciso muito cuidado na hora de defender megacorporações , pq para elas o consumidor sempre será o culpado.Sem falar que quando fui comprar ingresso pro Lolla 1, junto comigo saiu um cambista com um pacote pardo (devia haver uns 500 ingressos lá dentro), Ele saiu direto de lá de dentro, no primeiro dia de venda de ingressos. Se o esquema já é praticado lá de dentro, sério mesmo que vcs querem que acreditemos que a culpa é dos estudantes?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade, não que eu acredite que a culpa seja dos estudantes. Parte da culpa é dos não-estudantes que se passam por estudantes.

      E você levantou outro problema: cambistas. Basicamente, se ninguém comprasse de cambistas, o problema acabaria. Já paguei o dobro do preço de um ingresso na bilheteria ao invés de comprar de um cambista justamente para não alimentar esse tipo de comércio ilegal.

      Excluir
    2. Ok, Daniel. Mas daí a dizer que carteirinha falsa é 'mera desculpa' só me deixa pensando que você é justamente o tipo de pessoa que tira benefício desse crime (sim, crime... estelionato, falsidade ideológica, etc.) e está tentando justificar o cheiro da sua merda com o bafo de cu dos produtores que cobram caríssimo pelo ingresso. Espero que não seja o caso.

      Você leu bem?! 87% de ingressos vendidos na meia-entrada. Uau! Todos legais, não é mesmo?! Brasil, um país de estudantes e idosos. Ah, claro...

      Excluir
  8. ótimo post. estava disposto a sair de Fortaleza com minha esposa por concordar com tua opinião quanto ao line-up do festival, mas sem falsas carteirinhas para os ingressos a viagem tornou-se inviável.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…

O que acontece se um vampiro morder um zumbi? E se um zumbi morder um vampiro?

Já parou pra pensar no que acontece quando um vampiro morde um zumbi? Será que o zumbi vira um vampiro? E quando a situação é a inversa? Será que uma mordida de zumbi transforma o ser de dentes pontudos?
Tanto vampiros quanto zumbis são seres que podem ser classificados como "mortos-vivos". Isso significa que, apesar deles conseguirem executar certas ações que usualmente apenas os seres vivos são capazes, eles estão mortos. Na prática, se um vampiro morder um zumbi ou vice-versa não acontece nada. 

A razão desse efeito (ou da ausência de efeito) é que os zumbis mordem apenas seres vivos. Por esse motivo, eles não mordem outros zumbis, vampiros e múmias, por exemplo.
Por outro lado, os vampiros precisam se alimentar de sangue de seres vivos. E, embora os zumbis tenham sangue circulando em suas veias, eles já estão mortos.
Assim sendo, se um vampiro cruzar com um zumbi, certamente eles não se atacarão. E mesmo supondo que seja um vampiro doidão que queira morder um ser um put…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…