Pular para o conteúdo principal

Star Wars Episódio VII vai ser o melhor da série. Pelo menos para algumas pessoas

(e um pouco sobre a sensação de ter visto o melhor filme de minha vida – um tal de “A Ameaça Fantasma”)

George-Lucas-at-Disney-World-235343105George Lucas não comando mais o império que criou. O cineasta vendeu a LucasFilm para a Disney por mais de 4 bilhões, e agora terá tempo e dinheiro para apoiar iniciativas educacionais enquanto produz seus filmes independentes.

Sem sombra de dúvida, o ativo mais valioso da LucasFilm é a série Star Wars, que ganhará mais um filme em 2015.

Há quem diga que a saga dos cinemas deveria permanecer intocada, pois uma segunda trilogia já foi o suficiente para quebrar a magia da série original. Mas eu acho que uma terceira trilogia de Star Wars realmente será interessante.

Fora uns trechos vistos na Sessão da tarde que foram apagados da minha memória, meu primeiro contato de verdade com a série (que ainda se chamava “Guerra nas estrelas”) foi em 1997, quando versões remasterizadas dos filmes foram lançadas nos cinemas. Foi nessa época que fiquei fã da saga, e passei a aguardar ansiosamente o lançamento da recém-anunciada nova trilogia.

Quando o Episódio I foi lançado, em 1999, eu morava em uma cidade sem cinema. Viajei para poder ver o filme e voltei com a sensação de que tinha visto o melhor filme da minha vida. Isso mesmo, achei que Star Wars Episódio I: A Ameaça Fantasma era realmente fantástico.

Hoje discordo da  opinião que tinha na época, mas ela tem uma explicação. Era a primeira vez que eu via um Star Wars inédito no cinema, estava envolvido com o filme anos antes dele ser lançado, comprei todo tipo de merchandising associado e cheguei no cinema esperando ver o melhor filme do mundo, sem saber que, independentemente do que se passasse na tela, a minha opinião já estava pronta.

Os episódios que se sucederam tiveram um recepção semelhante (saí embasbacado da sessão de 00:01 do Episódio III) e a série tem um lugar especial no meu coração até hoje (comprei um chaveirinho do Mestre Yoda na semana passada, por exemplo).

Cada geração deveria ter uma trilogia Star Wars inédita. Muitas crianças de hoje estão crescendo assistindo os episódios de Clone Wars e jogando os jogos da série Lego Star Wars. Elas merecem uma trilogia nova nos cinemas.

Naturalmente, não vou achar os novos filmes tão legais quanto a segunda trilogia. E os mais velhos vão continuar achando os filmes originais insuperáveis. Mas pode ter certeza que em 2015 vai estar cheio de garotos saindo do cinema com a sensação de que viram o melhor filme de suas vidas. Blockbusters criam esse tipo de sensação. É natural, e é saudável.

Comentários

  1. Hehehehe, Gregório, matou a pau. Eu estou entre os mais velhos que vc citou. Vi o então Guerra nas Estrelas (e não Uma Nova Esperança!) em 1978. Sim, sei que o filme é de 1977, mas naquela época tinha filme que demorava quase um ano para passar no Brasil. Eu me lembro da fila que peguei no cinema da cidadezinha que eu morava no interior do Estado do Rio. Dobrava quarteirão. Vi duas sessões! Na segunda entrou uma menina que eu gostava. Eu olhava para a tela e via o seu rosto iluminado pela luz do deserto de Tatooine! Saí do cinema maravilhado! Até meu pai com seus 50 e tantos anos resolveu ir ver tal filme alguns dias depois. Foi uma das raríssimas vezes que vi indo a um cinema. Minha irmã tinha falado tanto na cabeça dele que ele resolveu ir. E eu fui ver, porque além de gostar muito de FC, havia tido um Globo Repórter com o Sérgio Chapelin (sim, já tinha este programa com ele apresentando naquela época) contando quase todo o filme. Mesmo assim foi muito bom! No entanto, nunca imaginei que tantos anos depois ainda estaria falando sobre isto! E sabe, Gregório, você tem razão: "Cada geração deveria ter uma trilogia Star Wars inédita." Seja bem vinda à galáxia, Disney!

    ResponderExcluir
  2. Demorou, mas chegou... Acontece em qualquer fusão entre empresas: http://g1.globo.com/tecnologia/games/noticia/2013/04/disney-fecha-estudio-lucasarts-cancela-games-e-demite-funcionarios.html

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…