Pular para o conteúdo principal

Como cedi ao Crocs

Parece unanimidade dizer que o Crocs é horroroso. Um calçado de borracha de peça única, desproporcional ao tamanho do pé humano, não tem como ser apreciado pela sua beleza. Ainda assim é um sucesso de vendas em diversos países - no Brasil, inclusive.

Resisti por anos até colocar um Crocs no pé. Pasmem, é muito confortável. É o típico produto em que o conforto compensa a feiúra.

Passei uns dias no Uruguai e notei que lá o Crocs é muito popular. Arrisco dizer que tanto quanto as Havaianas são no Brasil (que também são encontradas no país vizinho, mas a preço de ouro). Achei que um Crocs poderia ser útil na minha visita pela possibilidade de ser utilizado tanto em longas caminhadas quanto nas visitas às praias. E comprei o danado.

Mas laranja? Sim. Eu queria preto, mas estava esgotado em todas as lojas possíveis. Foi a única cor disponível para o meu pé. De qualquer forma, não creio que alguma cor no mundo faria o calçado ser bonito.

Mas que é confortável, isso é! Os Crocs são como pantufas que podem ser usadas em público, fora de casa.

Se me virem usando essa pata de dinossauro laranja, não riam de mim. Tenho consciência de que não é o calçado mais adequado para um desfile de moda, mas saibam que meus pés estarão sorrindo de alegria.

Comentários

  1. Angélica8:26 PM

    Adorei seu texto.

    ResponderExcluir
  2. Valéria, sua prima querida.8:59 PM

    Eu adoro o meu!
    De tanto que usei tá com o solado lisinho.
    Preciso de outro pra evitar meus constantes escorregões. rsrs
    Devia ter te encomendado um...
    Achei o máximo vc comprar pra vc, viu?
    Sempre me surpreendendo!...
    bjoooooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O preço lá era praticamente o mesmo do Brasil, não ia fazer diferença.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

O custo de um carro popular é muito maior do que você pensa (uma história real)

Nunca tive o sonho de comprar um carro, até mesmo porque nem gosto de dirigir fora do videogame. E como até pouco tempo atrás eu tinha transporte da empresa para o trabalho, comprar um carro seria um capricho muito caro e desnecessário. Até que voltei para Belo Horizonte e senti a necessidade de comprar um automóvel para ter um pouco mais de conforto. Comprei meu primeiro carro em maio de 2014.

Em 30 meses e pouco mais de 43.000 km rodados, o meu carro gerou um custo mensal de R$1407,02.


Esse valor não inclui o valor que paguei no automóvel, ele refere-se apenas a gastos realizados que não poderão ser repostos com a venda do carro. Pode até parecer um valor muito alto, mas ele foi rigorosamente calculado e pode surpreender os desavisados.

E veja só, meu carro não é extravagante: é um Volkswagen up! com a maioria dos opcionais. Tem motor 1.0, consome muito pouco combustível e a manutenção é relativamente barata. É que mesmo um carro popular pode sair muito caro.

R$27.044,14 com despesas …

A regra básica para verificar se algo é verdade na internet

Um dia eu ainda quero compreender o que se passa na cabeça de alguém que inventa um boato e espalha pelo mundo. Será que o objetivo é apenas ser um agente do caos ou simplesmente rir das pessoas que acreditam. Só sei que não é de hoje que essas coisas existem (ou você realmente acredita que a Xuxa fez um pacto com o demônio e o Fofão tinha um punhal dentro do seu boneco?), só sei que a internet amplificou o alcance e a velocidade de todo tipo de boatos.

Por muitas vezes atuei (e continuo atuando) como um desmascarador de mensagens falsas entre os membros da minha família e amigos mais próximos, mas não adianta: se antes as bobagens eram espalhadas via e-mail, a diferença é que agora elas chegam via WhatsApp. Tento fazer o papel de mensageiro da verdade, mas é difícil ter sucesso...

Não espalho nada que eu não tenha verificado ou não confie na fonte. Se já espalhei alguma bobagem, pode ter certeza que foi na ignorância e que sinto vergonha por isso. Hoje em dia é muito fácil procurar …