Pular para o conteúdo principal

Quinhentos


Esse é o post de número 500 desse blog, criado em 2004 mas que tornou-se ativo de verdade apenas em 2006. Não foi minha primeira home page: desde o século passado costumo arrisco-me a publicar conteúdo autoral na internet, mas nenhum desses antigos sites está ativo. Também não é a última: colaboro com o Move That Jukebox desde 2011 e já escrevi cerca de 180 posts por lá.

Considerando-se que levo em média 45 minutos para publicar um post (às vezes mais, às vezes menos), gastei 375 horas da minha vida mantendo esse blog. Esse tempo seria possível para, por exemplo:

  • ler O Senhor dos Anéis dezenove vezes;
  • assistir todos os episódios de Lost por quatro vezes;
  • correr 3 mil quilômetros;
  • escutar o disco Abbey Road, dos Beatles, 478 vezes;
  • jogar o game das Tartarugas Ninja de Super Nintendo até o final 250 vezes;
  • rever todos os jogos da seleção brasileira desde a primeira Copa do Mundo por duas vezes;
  • assistir todos os episódios da telenovela Avenida Brasil duas vezes;
  • assistir todas as aulas de um semestre de um curso de engenharia;
  • cozinhar 7500 porções de Miojo;
  • passar 4500 peças de roupa;
  • viajar de carro de Araxá para Belo Horizonte 83 vezes.
Só que eu usei esse tempo pra poder escrever aqui. Se compensou? Claro que sim. Por mais que eu não tenha virado um hit da internet nem ganhado dinheiro com isso, gosto de compartilhar minhas ideias e opiniões, e o blog é um espaço interessante para isso. Recebo visitas de todos os continentes do mundo, conhecidos e desconhecidos leem e compartilham o que escrevo. 

É um hobby, me faz bem. E vai ser o primeiro lugar que vão consultar quando resolverem escrever minha biografia e levar minha história para as telas do cinema.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…