Pular para o conteúdo principal

Fuleco, o melhor da Copa

Em meio à toda desorganização, desperdício de dinheiro e obras de mobilidade inacabadas (ou sequer iniciadas), a Copa do Mundo do Brasil teve um grande acerto: o seu mascote. Ou quase isso.

A sacada de utilizar um tatu-bola foi genial. É um animal tipicamente brasileiro, e se transforma em uma bola! Precisa de mais? 

Pra ficar ainda melhor, o grupo responsável por criar sua imagem desenhou um mascote com apelo infantil mas sem ofender os adultos. Super bonitinho e simpático.

Mas é claro que a FIFA tinha que arrumar um jeito de estragar tudo. A estratégia foi criar um concurso de nome, com três opções de dar medo.

Quando eu digo que meu filho vai se chamar Clark Kent, não estou falando sério. Escolher um nome é uma responsabilidade imensa, afinal ele vai acompanhar o filho (ou a personagem) até o fim dos tempos.

E em um evento como uma eleição brasileira, onde muitas vezes a alternativa possível é votar no "menos pior", o nome "Fuleco" foi o escolhido.

Teoricamente seria algo para remeter a "futebol" e "ecologia", mas não há como não pensar em "fuleiro", que significa algo de baixa qualidade.

Naturalmente, há um objetivo em um nome tão ruim. A FIFA teve como requisito a definição de um nome que não tivesse sido registrado para nada, em país nenhum, para garantir todos os royalties de vendas de produtos. A aparentemente todos os bons nomes do mundo já foram utilizados ao menos uma vez.

Mas agora já era. O nome é esse, e o tadinho do tatu vai ter que aguentá-lo. Ah, o meu preferido era o "Amijubi". Muito ruim, eu sei. Mas comparado a Fuleco e Zuzeco ele não parece um nome tão bizarro...


Comentários

  1. Cara, eu tenho vergonha desse nome! Assim como teria de qualquer uma das outras opções...

    ResponderExcluir
  2. Anônimo10:34 PM

    É só chamar de Tatu-bola e fica tudo certo! Abraço, Henrique Bibiano.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

O custo de um carro popular é muito maior do que você pensa (uma história real)

Nunca tive o sonho de comprar um carro, até mesmo porque nem gosto de dirigir fora do videogame. E como até pouco tempo atrás eu tinha transporte da empresa para o trabalho, comprar um carro seria um capricho muito caro e desnecessário. Até que voltei para Belo Horizonte e senti a necessidade de comprar um automóvel para ter um pouco mais de conforto. Comprei meu primeiro carro em maio de 2014.

Em 30 meses e pouco mais de 43.000 km rodados, o meu carro gerou um custo mensal de R$1407,02.


Esse valor não inclui o valor que paguei no automóvel, ele refere-se apenas a gastos realizados que não poderão ser repostos com a venda do carro. Pode até parecer um valor muito alto, mas ele foi rigorosamente calculado e pode surpreender os desavisados.

E veja só, meu carro não é extravagante: é um Volkswagen up! com a maioria dos opcionais. Tem motor 1.0, consome muito pouco combustível e a manutenção é relativamente barata. É que mesmo um carro popular pode sair muito caro.

R$27.044,14 com despesas …

A regra básica para verificar se algo é verdade na internet

Um dia eu ainda quero compreender o que se passa na cabeça de alguém que inventa um boato e espalha pelo mundo. Será que o objetivo é apenas ser um agente do caos ou simplesmente rir das pessoas que acreditam. Só sei que não é de hoje que essas coisas existem (ou você realmente acredita que a Xuxa fez um pacto com o demônio e o Fofão tinha um punhal dentro do seu boneco?), só sei que a internet amplificou o alcance e a velocidade de todo tipo de boatos.

Por muitas vezes atuei (e continuo atuando) como um desmascarador de mensagens falsas entre os membros da minha família e amigos mais próximos, mas não adianta: se antes as bobagens eram espalhadas via e-mail, a diferença é que agora elas chegam via WhatsApp. Tento fazer o papel de mensageiro da verdade, mas é difícil ter sucesso...

Não espalho nada que eu não tenha verificado ou não confie na fonte. Se já espalhei alguma bobagem, pode ter certeza que foi na ignorância e que sinto vergonha por isso. Hoje em dia é muito fácil procurar …