Pular para o conteúdo principal

Fuleco, o melhor da Copa

Em meio à toda desorganização, desperdício de dinheiro e obras de mobilidade inacabadas (ou sequer iniciadas), a Copa do Mundo do Brasil teve um grande acerto: o seu mascote. Ou quase isso.

A sacada de utilizar um tatu-bola foi genial. É um animal tipicamente brasileiro, e se transforma em uma bola! Precisa de mais? 

Pra ficar ainda melhor, o grupo responsável por criar sua imagem desenhou um mascote com apelo infantil mas sem ofender os adultos. Super bonitinho e simpático.

Mas é claro que a FIFA tinha que arrumar um jeito de estragar tudo. A estratégia foi criar um concurso de nome, com três opções de dar medo.

Quando eu digo que meu filho vai se chamar Clark Kent, não estou falando sério. Escolher um nome é uma responsabilidade imensa, afinal ele vai acompanhar o filho (ou a personagem) até o fim dos tempos.

E em um evento como uma eleição brasileira, onde muitas vezes a alternativa possível é votar no "menos pior", o nome "Fuleco" foi o escolhido.

Teoricamente seria algo para remeter a "futebol" e "ecologia", mas não há como não pensar em "fuleiro", que significa algo de baixa qualidade.

Naturalmente, há um objetivo em um nome tão ruim. A FIFA teve como requisito a definição de um nome que não tivesse sido registrado para nada, em país nenhum, para garantir todos os royalties de vendas de produtos. A aparentemente todos os bons nomes do mundo já foram utilizados ao menos uma vez.

Mas agora já era. O nome é esse, e o tadinho do tatu vai ter que aguentá-lo. Ah, o meu preferido era o "Amijubi". Muito ruim, eu sei. Mas comparado a Fuleco e Zuzeco ele não parece um nome tão bizarro...


Comentários

  1. Cara, eu tenho vergonha desse nome! Assim como teria de qualquer uma das outras opções...

    ResponderExcluir
  2. Anônimo10:34 PM

    É só chamar de Tatu-bola e fica tudo certo! Abraço, Henrique Bibiano.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…