Pular para o conteúdo principal

Carioca Girls, superexposição e vergonha alheia sem limites

Tem coisas que não devem ser divididas com milhões de pessoas. Ao publicar um conteúdo de maneira pública na internet, é grande a possibilidade de que apenas uns 30 amigos e uns outros 5 conhecidos tenham acesso ao material, e depois disso ele se perca no ciberespaço. Por outro lado, o seu material pode virar um fenômeno de audiência e as consequências disso podem ser tão boas quanto destrutivas.

A bola da vez é o garoto Max, de doze anos, e sua  música "Carioca Girls". Em um vídeo bem produzido e editado, Max canta sua versão da música California Girls, de Katy Perry, mas com uma letra que eu tenho vergonha de reproduzir e ficaria decepcionado se tivesse um filho que a cantasse.


A letra é uma homenagem às garotas de biquini das praias cariocas. Pior que a futilidade disso tudo, é ouvir as palavras saírem da boca de um garoto de doze anos com pose de mini-adulto.

Ao disponibilizar o vídeo na rede mundial (com um empurrãozinho do Não Salvo), Max ficou completamente exposto a todo tipo de crítica - tão vazias  e sem conteúdo como sua música. Se o vídeo ficasse só entre a família e o círculo de amigos do ~cantor~, tudo ficaria bem. Só que agora ele provavelmente será alvo de gozações por uns bons anos.

O caso é parecido com o de Nissim Ourfali, que teve um vídeo produzido para o seu Bar Mitzvah e também caiu na rede. O clipe foi divulgado pela própria família que, ao perceber a besteira que fez, retirou o vídeo do ar. Tarde demais, é verdade. O compartilhamento foi intenso, e diversas cópias são encontradas na web.



Há muito em comum entre os dois vídeos. Em primeiro lugar, a superexposição de uma criança. O segundo ponto é a ingenuidade de achar que algo que é legal para um grupo pequeno, ou uma família, também vai ser bem recebido pelo resto da humanidade. O por último, é que os vídeos geram uma sensação enorme de vergonha alheia. Certamente Max e Nissim lembrarão deles no futuro com um misto de alegria e vergonha pelos seus quinze minutos de fama.

São casos como esses nos fazem refletir. Será que queremos ser lembrados por tudo aquilo que colocamos na internet? Será que daqui a alguns anos eu terei vergonha deste texto e vai ser tarde demais para apagá-lo?

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

(Re)instalando o Android 4.1.2 no Samsung Galaxy S3

Atualizado em 18 de maio de 2013 No começo de fevereiro, Samsung Brasil fez a alegria dos proprietários do Galaxy S3 ao liberar mais uma atualização do Android para o aparelho. Conhecida como Premium Suite, a nova versão do firmware tem o Android Jelly Bean 4.1.2 com diversas customizações da fabricante coreana. Acontece que alguns aparelhos passaram a apresentar inúmeros problemas após essa atualização (o meu entrou nessa lista). Procurei em diversos fóruns e sites a solução, e acabei não encontrando. Apenas constatei que eu não era o único que estava angustiado. Entre os problemas apresentados após a atualização, estão: Telefone não carrega a bateria ao plugar na tomada; Aparelho desliga sozinho; Aplicativos travam, forçando o reinício do sistema operacional; Sobreaquecimento; Telefone não recebe dados conectado ao Wi-Fi; Lentidão extrema; Interface TouchWiz sem fluidez; Consumo excessivo de energia. Meu telefone apresentou quase todos esses sintomas. Isso é meio

O que acontece se um vampiro morder um zumbi? E se um zumbi morder um vampiro?

Já parou pra pensar no que acontece quando um vampiro morde um zumbi? Será que o zumbi vira um vampiro? E quando a situação é a inversa? Será que uma mordida de zumbi transforma o ser de dentes pontudos? Tanto vampiros quanto zumbis são seres que podem ser classificados como "mortos-vivos". Isso significa que, apesar deles conseguirem executar certas ações que usualmente apenas os seres vivos são capazes, eles estão mortos. Na prática, se um vampiro morder um zumbi ou vice-versa não acontece nada.  A razão desse efeito (ou da ausência de efeito) é que os zumbis mordem apenas seres vivos. Por esse motivo, eles não mordem outros zumbis, vampiros e múmias, por exemplo. Por outro lado, os vampiros precisam se alimentar de sangue de seres vivos. E, embora os zumbis tenham sangue circulando em suas veias, eles já estão mortos. Assim sendo, se um vampiro cruzar com um zumbi, certamente eles não se atacarão. E mesmo supondo que seja um vampiro doidão que queira m

Anderlaine

Meu e-mail é "Gregório underline Fonseca @ Gregório's Corporation ponto com". Sabe onde está o erro? No underline . Na verdade, não existe nenhum e-mail no mundo com underline . Nem o seu. A origem dessa designação para o símbolo "_" no Brasil é desconhecida. O correto, em inglês, seria underscore . A tradução para o português é "traço baixo". Mas em algum momento da história da humanidade, alguém resolveu chamar o "traço baixo" de underline , e assim o termo se popularizou. Já experimentou dizer um termo com um underscore no meio? Na maioria das vezes, se a pessoa não faz uma careta de que não está entendendo, ela responde com a pergunta: " Underline , né?" Mas eu insisto em dizer o termo correto. Por mais que possa ser chato pra mim, acho importante ter esse papel educativo. Underline deve ser usado para se referir ao texto sublinhado, desse jeito, ó ! Apesar disso tudo, acho que essa é uma batalha perdida. É mais um e