Pular para o conteúdo principal

Sim, o novo padrão brasileiro de tomadas é melhor pra você. Eu te ajudo a entender o porquê.

Todo mundo reclama do novo padrão brasileiro de tomadas, e ninguém elogia. Eu até entendo - as reclamações costumam vir em um momento de frustração, onde a pessoa tem dificuldades de utilizar uma tomada por não ter um plugue ou adaptador. É natural se incomodar com a situação em um primeiro momento, mas é preciso ter senso crítico e entender os motivos da mudança.


O principal motivo por si só já justifica a existência do novo padrão: a segurança.

Tenho flashes na minha memória de tomar muitos choques em tomadas quando era criança. Não sei com eu conseguia, mas isso acontecia. Com o novo padrão de tomadas, isso não aconteceria, simplesmente porque é impossível deixar os condutores metálicos do plugue expostos quando ligado à rede elétrica. A figura esquematiza a situação.
Outro ponto importante, é que agora o aterramento é obrigatório. O aterramento tem como objetivo principal a segurança do usuário. Ele serve como um caminho alternativo de corrente para proteger o usuário de descargas atmosféricas, e também para permitir que as cargas estáticas dos aparelhos eletroeletrônicos fluam para a terra.

De mais de 10 tipos diferentes de tomadas no Brasil, fomos para apenas dois, com a diferença apenas no diâmetro dos pinos (em função da corrente dos aparelhos).

O que pouca gente sabe, é que esse padrão não é uma invenção mirabolante do Brasil. E que a norma brasileira, NBR14136, é baseada num padrão internacional chamado IEC 60906-1, publicado pela Comissão Eletrotécnica Internacional numa galáxia muito distante, em 1986. Esse padrão foi desenvolvido com a participação de mais 50 países. Mas quase 30 anos depois, apenas o Brasil e a África do Sul se arriscaram a utilizá-lo. Todo mundo se conversou, achou bonito, e depois cada um voltou pra casa e foi viver sua vida. Se todos os outros países que se envolveram no acordo tivessem mudado suas tomadas, não haveria reclamação de compatibilidade internacional.

Eu entendo que a transição é sofrida, e vai continuar sendo por alguns anos. Mas é indiscutível que a conexão de um plugue em uma tomada no novo padrão é muito melhor do que a tínhamos anteriormente. Mais firme, mais segura. Por livre e espontânea vontade, troquei as tomadas de casa. Eu prefiro ficar usando adaptadores por um tempo pra poder usufruir dos benefícios do novo padrão de tomadas. 

Naturalmente, dentro de alguns anos, todos os plugues e tomadas seguirão a NBR14136, e ninguém terá mais nenhuma chateação. Vamos esperar, que vale a pena.

E se você ainda não está convencido, seguem alguns dados do DataSUS, reproduzidos no site do Inmetro. Nos últimos dez anos, o DataSUS registrou 13.776 internações com 379 óbitos e mais 15.418 mortes imediatas decorrentes de acidentes relativos à exposição a correntes elétricas em residências, escolas, asilos e locais de trabalho. Além disso, dentre os acidentados, o choque elétrico é a terceira maior causa de morte infantil.

As figuras foram reproduzidas a partir do site do Inmetro, que traz muita informação interessante. Sugiro a visita.

Comentários

  1. José2:43 AM

    Eu sempre achei que o "maior perigo" de um circuito elétrico residencial era o chuveiro. Ouvi muitas histórias de acidentes de pessoas tentando trocar o mesmo (sem a devida proteção).

    Engraçado que muito pouco evoluiu sobre isso, muitas casas nem conectores porcelana usam mas emendas diretas com uma fitinha isolantes depois.

    Sobre aterramento, há tempos falam isso com as antigas tomadas de 3 pinos mas muitos casos (inclusive prédios) continuam a deixar o pino de aterramento desligado (alguns fazem jump com neutro O.o).

    Nem critico o esforço do Inmetro, mas no país da gambiarra acho difícil fazer dar certo.

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. Eu não escreveria "amperagem", como já disse num post antigo (http://blogregorio.blogspot.com.br/2009/04/voltagem.html)

      Mas como a figura foi reproduzida a partir do site do Inmetro, o texto veio junto.

      Excluir
    2. Sim sim.
      Eu sabia q vc não escreveria. :-)
      Foi mais pra te perturbar mesmo, hehe.
      Abraços

      Excluir
  3. Anônimo12:00 PM

    Uma bosta esse novo padrão. O que a gente faz com os aparelhos que têm a tomada "antiga", essa sim, feita pro padrão universal? Joga fora e compra outro com o novo plug?

    Não precisava de nada disso. Bastava fabricar os plugs com a proteção plástica na base e o problema dos choques acabava.

    Com quem eu reclamo sobre esse padrão idiota que SÓ É ADOTADO AQUI?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

O custo de um carro popular é muito maior do que você pensa (uma história real)

Nunca tive o sonho de comprar um carro, até mesmo porque nem gosto de dirigir fora do videogame. E como até pouco tempo atrás eu tinha transporte da empresa para o trabalho, comprar um carro seria um capricho muito caro e desnecessário. Até que voltei para Belo Horizonte e senti a necessidade de comprar um automóvel para ter um pouco mais de conforto. Comprei meu primeiro carro em maio de 2014.

Em 30 meses e pouco mais de 43.000 km rodados, o meu carro gerou um custo mensal de R$1407,02.


Esse valor não inclui o valor que paguei no automóvel, ele refere-se apenas a gastos realizados que não poderão ser repostos com a venda do carro. Pode até parecer um valor muito alto, mas ele foi rigorosamente calculado e pode surpreender os desavisados.

E veja só, meu carro não é extravagante: é um Volkswagen up! com a maioria dos opcionais. Tem motor 1.0, consome muito pouco combustível e a manutenção é relativamente barata. É que mesmo um carro popular pode sair muito caro.

R$27.044,14 com despesas …

A regra básica para verificar se algo é verdade na internet

Um dia eu ainda quero compreender o que se passa na cabeça de alguém que inventa um boato e espalha pelo mundo. Será que o objetivo é apenas ser um agente do caos ou simplesmente rir das pessoas que acreditam. Só sei que não é de hoje que essas coisas existem (ou você realmente acredita que a Xuxa fez um pacto com o demônio e o Fofão tinha um punhal dentro do seu boneco?), só sei que a internet amplificou o alcance e a velocidade de todo tipo de boatos.

Por muitas vezes atuei (e continuo atuando) como um desmascarador de mensagens falsas entre os membros da minha família e amigos mais próximos, mas não adianta: se antes as bobagens eram espalhadas via e-mail, a diferença é que agora elas chegam via WhatsApp. Tento fazer o papel de mensageiro da verdade, mas é difícil ter sucesso...

Não espalho nada que eu não tenha verificado ou não confie na fonte. Se já espalhei alguma bobagem, pode ter certeza que foi na ignorância e que sinto vergonha por isso. Hoje em dia é muito fácil procurar …