Pular para o conteúdo principal

Sim, o novo padrão brasileiro de tomadas é melhor pra você. Eu te ajudo a entender o porquê.

Todo mundo reclama do novo padrão brasileiro de tomadas, e ninguém elogia. Eu até entendo - as reclamações costumam vir em um momento de frustração, onde a pessoa tem dificuldades de utilizar uma tomada por não ter um plugue ou adaptador. É natural se incomodar com a situação em um primeiro momento, mas é preciso ter senso crítico e entender os motivos da mudança.


O principal motivo por si só já justifica a existência do novo padrão: a segurança.

Tenho flashes na minha memória de tomar muitos choques em tomadas quando era criança. Não sei com eu conseguia, mas isso acontecia. Com o novo padrão de tomadas, isso não aconteceria, simplesmente porque é impossível deixar os condutores metálicos do plugue expostos quando ligado à rede elétrica. A figura esquematiza a situação.
Outro ponto importante, é que agora o aterramento é obrigatório. O aterramento tem como objetivo principal a segurança do usuário. Ele serve como um caminho alternativo de corrente para proteger o usuário de descargas atmosféricas, e também para permitir que as cargas estáticas dos aparelhos eletroeletrônicos fluam para a terra.

De mais de 10 tipos diferentes de tomadas no Brasil, fomos para apenas dois, com a diferença apenas no diâmetro dos pinos (em função da corrente dos aparelhos).

O que pouca gente sabe, é que esse padrão não é uma invenção mirabolante do Brasil. E que a norma brasileira, NBR14136, é baseada num padrão internacional chamado IEC 60906-1, publicado pela Comissão Eletrotécnica Internacional numa galáxia muito distante, em 1986. Esse padrão foi desenvolvido com a participação de mais 50 países. Mas quase 30 anos depois, apenas o Brasil e a África do Sul se arriscaram a utilizá-lo. Todo mundo se conversou, achou bonito, e depois cada um voltou pra casa e foi viver sua vida. Se todos os outros países que se envolveram no acordo tivessem mudado suas tomadas, não haveria reclamação de compatibilidade internacional.

Eu entendo que a transição é sofrida, e vai continuar sendo por alguns anos. Mas é indiscutível que a conexão de um plugue em uma tomada no novo padrão é muito melhor do que a tínhamos anteriormente. Mais firme, mais segura. Por livre e espontânea vontade, troquei as tomadas de casa. Eu prefiro ficar usando adaptadores por um tempo pra poder usufruir dos benefícios do novo padrão de tomadas. 

Naturalmente, dentro de alguns anos, todos os plugues e tomadas seguirão a NBR14136, e ninguém terá mais nenhuma chateação. Vamos esperar, que vale a pena.

E se você ainda não está convencido, seguem alguns dados do DataSUS, reproduzidos no site do Inmetro. Nos últimos dez anos, o DataSUS registrou 13.776 internações com 379 óbitos e mais 15.418 mortes imediatas decorrentes de acidentes relativos à exposição a correntes elétricas em residências, escolas, asilos e locais de trabalho. Além disso, dentre os acidentados, o choque elétrico é a terceira maior causa de morte infantil.

As figuras foram reproduzidas a partir do site do Inmetro, que traz muita informação interessante. Sugiro a visita.

Comentários

  1. José2:43 AM

    Eu sempre achei que o "maior perigo" de um circuito elétrico residencial era o chuveiro. Ouvi muitas histórias de acidentes de pessoas tentando trocar o mesmo (sem a devida proteção).

    Engraçado que muito pouco evoluiu sobre isso, muitas casas nem conectores porcelana usam mas emendas diretas com uma fitinha isolantes depois.

    Sobre aterramento, há tempos falam isso com as antigas tomadas de 3 pinos mas muitos casos (inclusive prédios) continuam a deixar o pino de aterramento desligado (alguns fazem jump com neutro O.o).

    Nem critico o esforço do Inmetro, mas no país da gambiarra acho difícil fazer dar certo.

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. Eu não escreveria "amperagem", como já disse num post antigo (http://blogregorio.blogspot.com.br/2009/04/voltagem.html)

      Mas como a figura foi reproduzida a partir do site do Inmetro, o texto veio junto.

      Excluir
    2. Sim sim.
      Eu sabia q vc não escreveria. :-)
      Foi mais pra te perturbar mesmo, hehe.
      Abraços

      Excluir
  3. Anônimo12:00 PM

    Uma bosta esse novo padrão. O que a gente faz com os aparelhos que têm a tomada "antiga", essa sim, feita pro padrão universal? Joga fora e compra outro com o novo plug?

    Não precisava de nada disso. Bastava fabricar os plugs com a proteção plástica na base e o problema dos choques acabava.

    Com quem eu reclamo sobre esse padrão idiota que SÓ É ADOTADO AQUI?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…