Pular para o conteúdo principal

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.

Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.

Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, houve um longo período entre o primeiro protótipo até as primeiras vendas.

O primeiro lote de 40 chinelos produzidos foi deixado em consignação em uma loja, que estava um pouco relutante em vendê-los. Rapidamente se esgotaram, e a partir do segundo lote as vendas começaram de verdade.

Mesmo com o produto definido, o espírito empreendedor de Carlos continuou atuante. Nos primeiros pares, o material usado era o mesmo para a parte em contato com o pé e para a sola. Ao notar que a sola não durava tanto, foi atrás do fornecedor buscar um material mais resistente para ser utilizado na sola do chinelo.

E tem mais mais: o chinelo surgiu das sobras de material dos tapetes, certo? Acontece que seu novo produto também deixava sobras. Que tal utilizar esses retalhos para produzir as tiras do chinelo? E assim aconteceu.



A empresa, sediada em Caraguatatuba, vende pela internet, e os preços são bons. O chinelo parece confortável (não usei pra testar) e são legais. Ainda existe um fator "cool" envolvido, pois como pouca gente conhece o produto, você pode desfilar por aí usando um item praticamente exclusivo.

Por último, mas não menos importante: a produção não tem sobras de material e o produto é 100% reciclável. Após usá-lo bastante, é só colocar no lixo destinado aos plásticos onde houver coleta seletiva, que o material será reaproveitado. Talvez até volte aos seus pés!

Quem quiser conhecer mais os produtos, pode visitar o site da empresa no www.florine.com.br

Esse post não é um publieditorial, nem ganhei um centavo para publicá-lo. Apenas achei a história interessante e inspiradora, um exemplo de empreendedorismo, e quis compartilhá-la com vocês.


Comentários

  1. Anônimo7:38 PM

    GENIO
    COMPRAMOS ALGUNS PARES DE FLORINE AQUI EM LONDRES POR INTERMEDIO DO FILHO DO CARLOS GASPARINI QUE MORA AQUI. ONDE VAMOS OS INGLESES PERGUNTAM ONDE CONSEGUIMOS OS CHINELOS, ELES DEVERIAM ABRIR UMA LOJA AQUI EM LONDRES...

    ResponderExcluir
  2. Ola bom dia! como faço para poder compra-los para revender..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabrina, entre no site do fabricante http://www.florine.com.br

      Excluir
  3. Anônimo11:56 AM

    SABRINA TEM ESTA MARCA AQUI TAMBEM WWW.SPONJAX.COM.BR

    ResponderExcluir
  4. Anônimo12:02 PM

    ADORO OS CHINELOS DA FLORINE SAO MARAVILHOSOS MAIS TEM UM POREM AGORA O PRAZO DE ENTREGA ELES NUNCA COLOCA NO DIA CERTO O TRABALHA NAO ESTA MAIS PERFEITO COMO ANTES JA ESTA VINDO COM DEFEITO OS CHINELOS E NAO TEM CONSIDERAÇAO PELO CLIENTE Q COMPRA COM ELES TODO SEMANA .SO Q VAI PERDE ESPAÇO NO MERCADO ASSIM ,SO EM SAO PAULO TEM DUAS EMPRESAS Q FABRICAM OS MESMOS CHINELOS FEITO DE CAPACHO E COM PREÇOS ACESSIVEIS PQ A FLORINE AUMENTO MUITO E COM ELES DA PRA COMPRA NO ATACADO ACIMA DE 50 PARES COM PREÇOS OTIMOS .....WWW.SPONJAX.COM.BR

    ResponderExcluir
  5. Por acaso essa marca(www.sponjax.com.br) nao tem a patente (que e exclusiva da florine) e vai ser indiciada judicialmente pela Florine ( ou ja foi).Fica muito facil reduzir precos quando nao se tem os mesmos custos.Comprando os mesmos tipos de chinelos dessa marca vc estara alimentando a pirataria que e CRIME.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

O custo de um carro popular é muito maior do que você pensa (uma história real)

Nunca tive o sonho de comprar um carro, até mesmo porque nem gosto de dirigir fora do videogame. E como até pouco tempo atrás eu tinha transporte da empresa para o trabalho, comprar um carro seria um capricho muito caro e desnecessário. Até que voltei para Belo Horizonte e senti a necessidade de comprar um automóvel para ter um pouco mais de conforto. Comprei meu primeiro carro em maio de 2014.

Em 30 meses e pouco mais de 43.000 km rodados, o meu carro gerou um custo mensal de R$1407,02.


Esse valor não inclui o valor que paguei no automóvel, ele refere-se apenas a gastos realizados que não poderão ser repostos com a venda do carro. Pode até parecer um valor muito alto, mas ele foi rigorosamente calculado e pode surpreender os desavisados.

E veja só, meu carro não é extravagante: é um Volkswagen up! com a maioria dos opcionais. Tem motor 1.0, consome muito pouco combustível e a manutenção é relativamente barata. É que mesmo um carro popular pode sair muito caro.

R$27.044,14 com despesas …

A regra básica para verificar se algo é verdade na internet

Um dia eu ainda quero compreender o que se passa na cabeça de alguém que inventa um boato e espalha pelo mundo. Será que o objetivo é apenas ser um agente do caos ou simplesmente rir das pessoas que acreditam. Só sei que não é de hoje que essas coisas existem (ou você realmente acredita que a Xuxa fez um pacto com o demônio e o Fofão tinha um punhal dentro do seu boneco?), só sei que a internet amplificou o alcance e a velocidade de todo tipo de boatos.

Por muitas vezes atuei (e continuo atuando) como um desmascarador de mensagens falsas entre os membros da minha família e amigos mais próximos, mas não adianta: se antes as bobagens eram espalhadas via e-mail, a diferença é que agora elas chegam via WhatsApp. Tento fazer o papel de mensageiro da verdade, mas é difícil ter sucesso...

Não espalho nada que eu não tenha verificado ou não confie na fonte. Se já espalhei alguma bobagem, pode ter certeza que foi na ignorância e que sinto vergonha por isso. Hoje em dia é muito fácil procurar …