Pular para o conteúdo principal

Todo mundo chatiado

O termo "chatiado" (com "I" mesmo) é um dos memes mais populares entre os usuários brasileiros da Internet (meme é o termo usado para alguma ideia ou conceito que se espalha pela rede, geralmente de cunho humorístico). Usualmente a palavra é empregada para mostrar tristeza ou descontentamento de uma forma engraçadinha.

Até aí tudo bem, não há nenhum problema em utilizar a palavra fora de sua forma culta quando o contexto da situação permita. Fico #chatiado é quando vejo alguém que teve acesso à educação escrevendo "chatiado" fora do contexto "memético", achando que a palavra está correta.


"Mas, Gregório, só nos dois parágrafos acima eu já encontrei inúmeros erros, ninguém é obrigado a saber português!"

OK, eu tenho consciência que cometo erros gramaticais, mas eles não são propositais (e acho que ninguém erra de propósito). Mas tem alguns erros mais fortes, que chamam mais a atenção. E os brasileiros estão desaprendendo a escrever a palavra "chateado".

O gráfico a seguir mostra o histórico de pesquisa da palavra "chatiado", com "I" no Google, desde 2004. Note que a primeira aparição relevante da palavra no histórico de buscas apareceu em maio de 2008, e teve um novo pico em novembro do mesmo ano. Mas foi em janeiro de 2012 que as buscas pela palavra se multiplicaram, chegando ao seu maior pico em setembro.


Em setembro de 2012, uma nova variação foi criada. É o "xatiado", com "I" e "X", que me cega um pouquinho toda vez que aparece na tela. Note pelo gráfico que era um termo praticamente inexistente há mais de um ano atrás (porque o que não está no Google não existe!)


Por outro lado, as buscas por "chateado" (que é a forma correta), com "E", não apresentam nenhum pico, e crescem gradualmente ao longo dos anos. Provavelmente o crescimento está associado ao aumento da base de usuários da rede no Brasil e da dúvida cada vez maior das pessoas sobre qual é a forma correta de se escrever a palavra.

Nos pontos onde o gráfico fica próximo do zero, a quantidade de buscas pelas palavras citadas não atingiu um número proporcionalmente relevante, pois os dados são relativos (e não absolutos).

Quando alguém faz uma busca procurando pela grafia correta da palavra, ao menos ela aprende a resposta. O triste é o fato dela precisar fazer uma busca para descobrir isso. E toda essa situação me deixa bem xatiado.

Os gráficos foram obtidos no Google Trends, uma ferramenta de análise de dados do Google.

UPDATE (09/09/2013)

Após compartilhar o texto na minha timeline do Facebook, meu amigo Elias Alberto fez uma análise mais aprofundada da situação, que faço questão de compartilhar por aqui também.

Os gráficos não estão em escala e não são comparáveis um com o outro. Note que todos tem como máximo o valor 100, porque eles indicam a proporção percentual em relação ao máximo de buscas que aquele termo já teve, sem no entanto revelar qual foi este valor precisamente.

Pra comparar os termos é necessário plotar todos no mesmo gráfico.


Nota-se que o termo chateado (o correto) é o mais usado, o que é um alívio.

Nota-se que a variação de uso no termo "chatiado" acompanha a variação de "chateado", o que indica que provavelmente tem uma galera que realmente confunde "chateado" e "chatiado", não sabendo a diferença entre eles. Ou talvez "chatiado" seja tenha sido a versão adotada e espalhada pelos blogs de humor e por isso a que se espalhou como subcultura de nicho, e o pessoal de fora desse nicho adotou o "trend" mas sem entender a origem fez questão de escrever o "chateado" corretamente. Uma evidência pra sustentar esta segunda hipótese é a de que houve um decréscimo no uso do termo "chatiado", indicando uma moda intencional que foi passando com o tempo.

Nota-se ainda que o termo xatiado demorou a surgir, provavelmente por ter sido lançado mais tardiamente pelos blogs de humor, e é ainda menos usado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

O custo de um carro popular é muito maior do que você pensa (uma história real)

Nunca tive o sonho de comprar um carro, até mesmo porque nem gosto de dirigir fora do videogame. E como até pouco tempo atrás eu tinha transporte da empresa para o trabalho, comprar um carro seria um capricho muito caro e desnecessário. Até que voltei para Belo Horizonte e senti a necessidade de comprar um automóvel para ter um pouco mais de conforto. Comprei meu primeiro carro em maio de 2014.

Em 30 meses e pouco mais de 43.000 km rodados, o meu carro gerou um custo mensal de R$1407,02.


Esse valor não inclui o valor que paguei no automóvel, ele refere-se apenas a gastos realizados que não poderão ser repostos com a venda do carro. Pode até parecer um valor muito alto, mas ele foi rigorosamente calculado e pode surpreender os desavisados.

E veja só, meu carro não é extravagante: é um Volkswagen up! com a maioria dos opcionais. Tem motor 1.0, consome muito pouco combustível e a manutenção é relativamente barata. É que mesmo um carro popular pode sair muito caro.

R$27.044,14 com despesas …

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…