boo-box

22 outubro 2013

Hoje é o dia em que Marty McFly viaja para o futuro. Ou será que não?

"Gregório, até você caiu nessa?"


A história é a seguinte: um fanfarrão faz uma montagem e compartilha na internet dizendo que o dia de hoje é o dia em que McFly viaja para o futuro no filme De Volta Para o Futuro 2. As pessoas começam a compartilhá-la e acreditar na suposta data. O fenômeno se repete de tempos em tempos. Mas se hoje não for o dia 21 de outubro de 2015, essa informação está errada.

Confira alguns exemplos de montagens:

Julho de 2010
Junho de 2012
Outubro de 2012
Janeiro de 2013
Abril de 2013
Ainda está desconfortável e não acredita na data verdadeira? A cena abaixo vai direto ao ponto. Que não reste dúvida que o futuro é apenas em 2015!




17 outubro 2013

Eu duvido que as pessoas não vão comprar o Playstation 4 por 4 mil reais

O assunto do dia entre os jogadores de videogame foi o preço anunciando pela Sony para o Playstation 4 no Brasil: a bagatela de R$3.999,00.



O que mais chocou no preço do videogame da Sony é que ele é 80% mais caro que o Xbox One, cujo preço americano é 25% maior. O XOne chegará ao Brasil por R$2199,00. As contas que estão por trás desses preços são um enigma, mas provavelmente ele deverá ser fabricado no Brasil (como o Xbox 360) e, consequentemente, ter uma taxação menor.

Não me surpreendi, isso não é nenhuma novidade. O primeiro preço do Playstation 3 no Brasil foi R$7,990, quando custava 600 dólares nos EUA. Não me lembro desse preço ter ficado dois meses nesse patamar. Devem ter sido poucos os loucos interessados em pagar essa quantia. O Wii era vendido a R$2400 ao passo que o preço original era de 240 dólares. O Xbox 360 também tinha um preço alto, cerca de 3 mil reais.




O tempo foi passando, o mercado foi se regulando, e os preços caindo. E não tenho dúvida alguma de que o processo irá se repetir. É a velha lei da oferta e procura. E naturalmente, os acionistas das empresas não tem como objetivo principal fazer caridade aos gamers. Nem preciso dizer qual é o objetivo, certo?

Não adianta só reclamar, todos são culpados. O governo, pelos impostos abusivos que tratam videogame como jogo de azar. As empresas, por uma margem de lucro incompatível com a realidade do mercado (ou será que não? As vendas dirão). E os jogadores que pagam esse preço no videogame. Achou caro, não compre.

E eu duvido que as pessoas não vão comprar o Playstation 4 por 4 mil reais. Vai ter fila nas lojas no dia do lançamento. O brasileiro está acostumado a pagar preço abusivos nos seus gadgets com um sorriso no rosto.


Mas se você estiver realmente interessado em pagar 4 mil no Playstation 4, fale comigo. Por menos que isso vou até os EUA, importo o videogame pagando todas as taxas necessárias e te entrego o aparelho quando chegar.

A propósito, já escolhi meu videogame da próxima geração. Optei pelo Nintendo Wii U que, quase um ano após seu lançamento nos EUA, Europa e Ásia, ainda não é encontrado nas lojas do Brasil. Mas é encontrado na minha sala de estar.


16 outubro 2013

Gregório, o (mais) velho


Parece que a cada ano, o tempo passa mais rápido. Ou então o meu raciocínio fica mais lento, e eu acabo tendo essa impressão.

Há poucos dias meu dei conta que meu próximo aniversário é de 30 anos, e eu não estava preparado pra isso (e ainda não estou, nem acho que um dia estarei).

Só que isso é pura inocência minha, afinal o tempo costuma nos dar sinais de que ele realmente está passando. Pouco mais de três anos atrás, escrevi o texto "Gregório, o velho", que trazia uma amostra desses sinais.

Eles continuam aparecendo. Compilei alguns abaixo. Com quais deles você se identifica?

  • Já dei aulas pra pessoas 10 anos mais novas que eu.
  • Não estava na faixa etária da pesquisa de melhores empresas para se começar a carreira.
  • Minha turma de faculdade organiza jogos de futebol de casados contra solteiros.
  • Sou fã de artistas que estão milionários e são muito mais novos que eu.
  • Não consigo mais comer um algodão doce inteiro, desisto no meio do caminho pois meu organismo rejeita tanto açúcar.
  • Encontro os filhos dos meus primos em bares.
  • As últimas entrevistas de estágio que fiz foram do lado oposto da mesa ao que fiz as primeiras.
  • Não consigo achar Power Rangers divertido.
  • O prédio onde cursei a maior parte da minha graduação não existe mais.
  • Não acho os desenhos animados atuais tão legais (fora o Phineas & Ferb, que é fabuloso).
  • Eu tive e-mail do Zipmail. E do Bol.
  • Em lojas de brinquedos perguntam se é pra embrulharem minha compra pra presente. Eu respondo que não.
  • Eu já publiquei um livro. E isso foi há 20 anos.
Leia também: Gregório, o velho