Pular para o conteúdo principal

Swiftkey - A reinvenção da escrita no celular

(e quando eu falo em reinvenção, é reinvenção mesmo, dessas de quebrar paradigmas)

Eu não acreditava que um teclado touchscreen pudesse ser melhor que um teclado físico até criarem o Swype. Eu não acreditava que um teclado pudesse ser melhor que o Swype até conhecer o SwiftKey.

Eu me lembro da preguiça enorme que eu tinha de digitar mensagens usando o teclado numérico dos telefones antigos. Ter que apertar a mesma tecla quatro vezes só pra conseguir inserir a letra "S" era um suplício. Mas por muito tempo essa foi a única opção disponível.


Depois criaram um recurso que completava as palavras automaticamente (conhecido como T9) que ajudava, mas ainda assim era muito arcaico.

Quando surgiram os teclados QWERTY para celular (teclados como os de computador, com uma tecla para cada letra), eu achei que havíamos chegado ao ápice da tecnologia de digitação em celulares. Nesse período também surgiram os primeiros teclados touchscreen, mas que costumavam ser bem piores devido à baixa sensibilidade e precisão.


A história começou a mudar com os surgimento dos smartphones. O teclado do iPhone surgiu como algo quase que revolucionário, pois era a primeira vez que era razoavelmente bom digitar em uma tela touchscreen. Ainda assim, ele ainda era inferior a um teclado físico. A tecnologia evoluiu rapidamente e hoje o teclado do iPhone parece muito arcaico se comparado aos do Android.


O Swype, disponível no Android, foi uma quebra enorme de paradigma. É um teclado onde você desliza o dedo pelas letras ao invés pressioná-las uma a uma. Quem nunca viu esse teclado em funcionamento normalmente sai impressionado após o primeiro contato.

Quando eu achava que não havia mais o que melhorar, surgiu o Swiftkey. Ele mistura o melhor do Swype com o melhor do iPhone. O mais impressionante é que você não necessariamente precisa apertar as teclas corretas para que as palavras sejam formadas. Ele corrige seus erros e prevê seu texto. O sistema de aprendizado é impressionante e, uma vez usando-o, você não vai conseguir abandoná-lo dada a melhoria na eficiência da sua digitação.

Qualquer argumento que eu tentar escrever vai parecer marketing. O melhor argumento nesse caso é a prática. Basta usar o Swiftkey por uns 3 dias (pra dar tempo dele se "acostumar" com seu estilo) para ver o quanto ele é bom. É importante passar ao menos um curto período utilizando-o, pois ele precisa "aprender". A experiência vai te mostrar.

Até algumas horas atrás, ele era um aplicativo pago (e relativamente caro). A grande notícia de hoje é que agora o Swiftkey é gratuito. E você pode baixá-lo aqui. Eu não perderia tempo e instalaria ele nesse mesmo instante no meu smartphone.

Ah, quem usa iPhone ou Windows Phone está de fora da brincadeira.

Baixe o Swiftkey aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…