Pular para o conteúdo principal

Antes de publicar qualquer coisa, é melhor analisar os dados. E é feio manipulá-los.

(Esse recado é pra você, Folha de São Paulo).

Embora eu tenha uma especialização em engenharia aeronáutica e um mestrado em engenharia pelo ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica), nunca falei sobre o mundo da aviação aqui no blog. Mas hoje achei que poderia prestar um serviço à sociedade.

A quantidade de bobagem que vejo a imprensa publicar é diretamente proporcional ao meu nível de conhecimento sobre o assunto que está sendo tratado. Hoje quando vi a notícia "Quase 70% dos acidentes aéreos têm apenas três causas" na Folha de São Paulo fiquei bastante incomodado. Toda pessoa minimamente envolvida com aviação sabe que qualquer acidente da avião só acontece quando ocorre uma combinação de inúmeros fatores  - nunca por apenas um motivo.
Consultei então a base do CENIPA (Centro de Investigação e e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos, ligado ao Ministério da Defesa) supostamente consultada na reportagem e filtrei por "acidente" no campo "classificação". Apareceram 625 ocorrências . A reportagem cita 617, imagino que as oito mais recentes foram inseridas posteriormente.

Acontece que as tais "causas" citadas pela reportagem da Folha de São Paulo na verdade se referem ao campo "Tipo de Ocorrência". A manchete correta seria algo do tipo "Quase 70%  dos acidentes reportados no Brasil se referem a 3 tipos de ocorrência". Falar em "tipo de ocorrência" é muito diferente de falar de "causa de acidente". 

Por exemplo: um dos tipos de ocorrência citados é o "baixo nível de combustível". Os motivos que levaram ao baixo nível de combustível é que seriam as causas (no plural, lembrem-se disso). Numa situação hipotética, imagine que os instrumentos que informam o nível de combustível podem ter falhado, as condições de voo podem ter levado à uma mudança de rota que fez com que o avião voasse por muito mais tempo, e o aeroporto estava congestionado, atrasando o pouso da aeronave. É bom deixar claro que a ocorrência dessas três situações simultaneamente está aqui apenas para ilustrar que um acidente aeronático só ocorre quando há várias causas (muito mais que três).

Em cada linha da tabela é possível abrir os relatórios de investigação e, aí sim, procurar pelas causas (normalmente múltiplas) de cada acidente. (Mas cada relatório leva um tempo infinito pra ser aberto). As supostas causas mencionadas pela reportagem da Folha ("Perda de controle", "Falha do motor" e "Colisão em voo") são listadas na base de dados do CENIPA como "Tipo de ocorrência".

Essa verificação que fiz não levou 10 minutos. Não posso afirmar que a redação da Folha manipulou os dados para gerar uma reportagem sensacionalista ou que simplesmente a redatora foi amadora (e o editor incapaz de vetar uma matéria como essa). De qualquer forma, fico preocupado ao ver reportagens como essa prestando um desserviço à população. Em determinado momento do dia de hoje, essa era a matéria mais lida do site. Olha só quanta gente tendo acesso à informação distorcida! Um jornal que devia ser uma fonte de informação confiável ajuda a disseminar conceitos errados que, de certa forma, fortalecem o medo que as pessoas tem de voar (e não deveria existir, afinal o avião é, estatisticamente, a forma mais segura de se viajar - já dizia Superman).

O que me deixa mais triste é que, quando conheço o assunto, eu até consigo analisar criticamente o que estou lendo. Mas imagine só a quantidade de bobagem que a gente lê na grande mídia por desconhecimento! E se até os grandes jornais erram (ou manipulam, sei lá), pense só na quantidade de bobagem que você lê na sua timeline do Facebook!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

O custo de um carro popular é muito maior do que você pensa (uma história real)

Nunca tive o sonho de comprar um carro, até mesmo porque nem gosto de dirigir fora do videogame. E como até pouco tempo atrás eu tinha transporte da empresa para o trabalho, comprar um carro seria um capricho muito caro e desnecessário. Até que voltei para Belo Horizonte e senti a necessidade de comprar um automóvel para ter um pouco mais de conforto. Comprei meu primeiro carro em maio de 2014.

Em 30 meses e pouco mais de 43.000 km rodados, o meu carro gerou um custo mensal de R$1407,02.


Esse valor não inclui o valor que paguei no automóvel, ele refere-se apenas a gastos realizados que não poderão ser repostos com a venda do carro. Pode até parecer um valor muito alto, mas ele foi rigorosamente calculado e pode surpreender os desavisados.

E veja só, meu carro não é extravagante: é um Volkswagen up! com a maioria dos opcionais. Tem motor 1.0, consome muito pouco combustível e a manutenção é relativamente barata. É que mesmo um carro popular pode sair muito caro.

R$27.044,14 com despesas …

A regra básica para verificar se algo é verdade na internet

Um dia eu ainda quero compreender o que se passa na cabeça de alguém que inventa um boato e espalha pelo mundo. Será que o objetivo é apenas ser um agente do caos ou simplesmente rir das pessoas que acreditam. Só sei que não é de hoje que essas coisas existem (ou você realmente acredita que a Xuxa fez um pacto com o demônio e o Fofão tinha um punhal dentro do seu boneco?), só sei que a internet amplificou o alcance e a velocidade de todo tipo de boatos.

Por muitas vezes atuei (e continuo atuando) como um desmascarador de mensagens falsas entre os membros da minha família e amigos mais próximos, mas não adianta: se antes as bobagens eram espalhadas via e-mail, a diferença é que agora elas chegam via WhatsApp. Tento fazer o papel de mensageiro da verdade, mas é difícil ter sucesso...

Não espalho nada que eu não tenha verificado ou não confie na fonte. Se já espalhei alguma bobagem, pode ter certeza que foi na ignorância e que sinto vergonha por isso. Hoje em dia é muito fácil procurar …