Pular para o conteúdo principal

Cavaleiros do Zodíaco e o filme que não precisava existir


Cavaleiros do Zodíaco é um desenho animado que marcou (muito) uma geração. Isso é o suficiente pra justificar o fato de que a média de idade na sala do cinema em que vi o filme era de 30 anos.

E recordações infantis às vezes devem permanecer apenas como recordações mesmo.

Quando lançaram o sofrível longa-metragem Dragonball Evolution eu insisti em ir ao cinema, mesmo com inúmeras recomendações para não fazer isso. Mas eu queria ver com meus próprios olhos, e analisar o filme pelo meu ponto de vista.

Não tive tempo de receber recomendações para não assistir "Os Cavaleiros do Zodíaco: A Lenda do Santuário", que estreou no cinema na semana passada. E minha reação ao sair do cinema foi semelhante à que tive ao ver o Dragonball: a de incredulidade pelo que fizeram com os personagens que tanto admirava.

Eu não tinha o nível de expectativa alto. Até achava que o filme poderia ser ruim, queria ver só pela nostalgia mesmo. Mas não esperava que fosse tão ruim assim. Personagens rasos, história incoerente e muitas mudanças que descaracterizaram a série original.

Sem dar spoilers, digo somente que a aparição do Máscara da Morte foi o momento em que desisti completamente do filme e fiquei apenas esperando ele acabar.

É claro que minha tendência natural foi de comparar com a história original, e isso nem sempre é positivo. Alguns filmes são destinados a adaptar histórias clássicas para as novas gerações. Só que esse filme praticamente só foi visto pelos nerds da velha guarda - e provavelmente não agradou muito.

Imagino que os objetivos de um longa-metragem como esse sejam agradar os antigos fãs, atrair novos admiradores e (obviamente) lucrar. Creio que ao menos nos dois primeiros, falharam miseravelmente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

O custo de um carro popular é muito maior do que você pensa (uma história real)

Nunca tive o sonho de comprar um carro, até mesmo porque nem gosto de dirigir fora do videogame. E como até pouco tempo atrás eu tinha transporte da empresa para o trabalho, comprar um carro seria um capricho muito caro e desnecessário. Até que voltei para Belo Horizonte e senti a necessidade de comprar um automóvel para ter um pouco mais de conforto. Comprei meu primeiro carro em maio de 2014.

Em 30 meses e pouco mais de 43.000 km rodados, o meu carro gerou um custo mensal de R$1407,02.


Esse valor não inclui o valor que paguei no automóvel, ele refere-se apenas a gastos realizados que não poderão ser repostos com a venda do carro. Pode até parecer um valor muito alto, mas ele foi rigorosamente calculado e pode surpreender os desavisados.

E veja só, meu carro não é extravagante: é um Volkswagen up! com a maioria dos opcionais. Tem motor 1.0, consome muito pouco combustível e a manutenção é relativamente barata. É que mesmo um carro popular pode sair muito caro.

R$27.044,14 com despesas …

A regra básica para verificar se algo é verdade na internet

Um dia eu ainda quero compreender o que se passa na cabeça de alguém que inventa um boato e espalha pelo mundo. Será que o objetivo é apenas ser um agente do caos ou simplesmente rir das pessoas que acreditam. Só sei que não é de hoje que essas coisas existem (ou você realmente acredita que a Xuxa fez um pacto com o demônio e o Fofão tinha um punhal dentro do seu boneco?), só sei que a internet amplificou o alcance e a velocidade de todo tipo de boatos.

Por muitas vezes atuei (e continuo atuando) como um desmascarador de mensagens falsas entre os membros da minha família e amigos mais próximos, mas não adianta: se antes as bobagens eram espalhadas via e-mail, a diferença é que agora elas chegam via WhatsApp. Tento fazer o papel de mensageiro da verdade, mas é difícil ter sucesso...

Não espalho nada que eu não tenha verificado ou não confie na fonte. Se já espalhei alguma bobagem, pode ter certeza que foi na ignorância e que sinto vergonha por isso. Hoje em dia é muito fácil procurar …