Pular para o conteúdo principal

O mapa dos filmes legendados (e dublados) em Belo Horizonte

Parece um pouco paradoxal: por um lado vemos abertura de inúmeras salas de cinema país afora, por outro está cada vez mais difícil encontrar sessões legendadas nos cinemas do Brasil. Pra não dar a impressão de afirmar sem ter informações o suficiente, resolvi fazer um levantamento das seções legendadas nos quatorze principais complexos de cinemas de Belo Horizonte. Os dados obtidos são relativos ao dia 7 de outubro de 2015.

A conclusão é triste, mas não me surpreendeu: apenas 29% das sessões em BH são legendadas. São 91 exibições em um universo de 318. Se considerarmos apenas os filmes estrangeiros o número sobre para 37%, o que ainda é baixo.

Os resultados detalhados estão expostos a seguir. A primeira tabela inclui os filmes estrangeiros, tanto dublados quanto legendados, e os filmes nacionais. O Ponteio liderou o ranking com 69% dos seus filmes legendados, seguido de perto pelo Cine Belas Artes com 67%. Outros quatro complexos exibiram mais da metade dos seus filmes legendados na data analisada: Diamond Mall, BH Shopping, Shopping Paragem e Pátio Savassi.


A segunda tabela excluiu os filmes brasileiros da análise, e o Cine Belas Artes assumiu a liderança com 100% dos filmes estrangeiros sendo exibidos com legendas. O Ponteio caiu para a vice-liderança com 85% dos filmes legendados.


Tempos atrás a revista Época publicou uma reportagem dizendo que assistir um filme legendado seria o equivalente a ler um livro de 30 páginas em duas horas. E isso significa um esforço considerável para boa parte da população, o que justifica o aumento da quantidade de filmes dublados no cinema.

Particularmente, prefiro filmes legendados. Sei que sou minoria, mas tenho meus motivos: por mais
que a dublagem brasileira seja excelente, perde-se muito da atuação original dos artistas, sem contar que os efeitos sonoros em muitas vezes são prejudicados. Acredito que ver um filme legendado é a forma mais próxima de se aproveitar uma obra da maneira como ela foi concebida originalmente.

Uma exceção que faço são as animações, pois mesmo em suas versões originais elas são dubladas. Nesse caso os estúdios de dublagem brasileiros costumam entregar resultados tão bons quanto os originais, e valem a pena ser vistos. Isso só é problemático quando escolhem alguma celebridade sem talento para dublagem para atuar.

Não vejo perspectivas de melhoras para os próximos anos: se o público prefere filmes dublados, os complexos de cinema vão exibir cada vez mais filmes dessa maneira. O que está ao meu alcance é deixar de ver um filme se ele não está sendo exibido com seu som original. Caso eu desse meu braço a torcer, a bilheteria de filmes dublados aumentaria e, consequentemente, os filmes legendados continuariam a perder espaço.

Será que é demais sonhar com um futuro onde as pessoas leiam mais e os filmes legendados possam voltar a ser maioria? Tomara que não...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…

O que acontece se um vampiro morder um zumbi? E se um zumbi morder um vampiro?

Já parou pra pensar no que acontece quando um vampiro morde um zumbi? Será que o zumbi vira um vampiro? E quando a situação é a inversa? Será que uma mordida de zumbi transforma o ser de dentes pontudos?
Tanto vampiros quanto zumbis são seres que podem ser classificados como "mortos-vivos". Isso significa que, apesar deles conseguirem executar certas ações que usualmente apenas os seres vivos são capazes, eles estão mortos. Na prática, se um vampiro morder um zumbi ou vice-versa não acontece nada. 

A razão desse efeito (ou da ausência de efeito) é que os zumbis mordem apenas seres vivos. Por esse motivo, eles não mordem outros zumbis, vampiros e múmias, por exemplo.
Por outro lado, os vampiros precisam se alimentar de sangue de seres vivos. E, embora os zumbis tenham sangue circulando em suas veias, eles já estão mortos.
Assim sendo, se um vampiro cruzar com um zumbi, certamente eles não se atacarão. E mesmo supondo que seja um vampiro doidão que queira morder um ser um put…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…