boo-box

19 outubro 2015

Dentro da caixa: unboxing da Nerd ao Cubo Box #6 - Terror

Dia desses conheci o serviço da Nerd ao Cubo e gostei da ideia. Eles trabalham vendem um sistema de assinaturas onde os participantes recebem mensalmente uma caixa repleta de produtos de temática nerd. A minha primeira caixa chegou ontem e tirei algumas fotos pra vocês saberem o que vem dentro.

A cada mês, um tema dentro do universo nerd é escolhido. Em meses anteriores, já distribuíram caixas com os títulos "Quest", "Renegados" e "Press Start", por exemplo. Provavelmente influenciados pelo retorno do seriado de The Walking Dead à TV, o tema da caixa foi "Terror".

Camiseta Dixon Army, inspirada em The Walking Dead

Box Cine Book Club, da Editora Darkside, com os livros Os Goonies, Psicose e A Noite dos Mortos-Vivos.


Desconto de 30% e aviso de porta do livro "Os Senhores dos Dinossauros" (nunca tinha ouvido falar, mas pelo comentário de que é a mistura de Jurassic Park com Game of Thrones fiquei interessado. Por mais marketeiro que isso possa parecer).


Bottom Walking Dead Survivor

Adesivo da editora Darkside

Bala Nerds, que foi encaixado no tema Terror fazendo-se uma referência ao "gostosuras ou travessuras".

Código para download do jogo Urban Legends, no Steam.

Sangue teatral comestível.

Fiquei satisfeito com o kit. Comprar esse tipo de produto é um tiro no escuro, porque você não sabe exatamente o que virá. Esse é um dos motivos desse post existir: mostrar para as pessoas o que tem na caixa. Antes de comprar, pesquisei bastante por publicações que mostrassem o conteúdo de caixas anteriores e só encontrei vídeos no Youtube. E eu não queria ficar vendo 10 minutos de vídeo.

Para assinar a box Nerd ao Cubo, visite o site deles em: http://nerdaocubo.com.br/. O próximo tema é "Revolução", então provavelmente alguma coisa de Jogos Vorazes virá dentro da caixa!


12 outubro 2015

O mapa dos filmes legendados (e dublados) em Belo Horizonte

Parece um pouco paradoxal: por um lado vemos abertura de inúmeras salas de cinema país afora, por outro está cada vez mais difícil encontrar sessões legendadas nos cinemas do Brasil. Pra não dar a impressão de afirmar sem ter informações o suficiente, resolvi fazer um levantamento das seções legendadas nos quatorze principais complexos de cinemas de Belo Horizonte. Os dados obtidos são relativos ao dia 7 de outubro de 2015.

A conclusão é triste, mas não me surpreendeu: apenas 29% das sessões em BH são legendadas. São 91 exibições em um universo de 318. Se considerarmos apenas os filmes estrangeiros o número sobre para 37%, o que ainda é baixo.

Os resultados detalhados estão expostos a seguir. A primeira tabela inclui os filmes estrangeiros, tanto dublados quanto legendados, e os filmes nacionais. O Ponteio liderou o ranking com 69% dos seus filmes legendados, seguido de perto pelo Cine Belas Artes com 67%. Outros quatro complexos exibiram mais da metade dos seus filmes legendados na data analisada: Diamond Mall, BH Shopping, Shopping Paragem e Pátio Savassi.


A segunda tabela excluiu os filmes brasileiros da análise, e o Cine Belas Artes assumiu a liderança com 100% dos filmes estrangeiros sendo exibidos com legendas. O Ponteio caiu para a vice-liderança com 85% dos filmes legendados.


Tempos atrás a revista Época publicou uma reportagem dizendo que assistir um filme legendado seria o equivalente a ler um livro de 30 páginas em duas horas. E isso significa um esforço considerável para boa parte da população, o que justifica o aumento da quantidade de filmes dublados no cinema.

Particularmente, prefiro filmes legendados. Sei que sou minoria, mas tenho meus motivos: por mais
que a dublagem brasileira seja excelente, perde-se muito da atuação original dos artistas, sem contar que os efeitos sonoros em muitas vezes são prejudicados. Acredito que ver um filme legendado é a forma mais próxima de se aproveitar uma obra da maneira como ela foi concebida originalmente.

Uma exceção que faço são as animações, pois mesmo em suas versões originais elas são dubladas. Nesse caso os estúdios de dublagem brasileiros costumam entregar resultados tão bons quanto os originais, e valem a pena ser vistos. Isso só é problemático quando escolhem alguma celebridade sem talento para dublagem para atuar.

Não vejo perspectivas de melhoras para os próximos anos: se o público prefere filmes dublados, os complexos de cinema vão exibir cada vez mais filmes dessa maneira. O que está ao meu alcance é deixar de ver um filme se ele não está sendo exibido com seu som original. Caso eu desse meu braço a torcer, a bilheteria de filmes dublados aumentaria e, consequentemente, os filmes legendados continuariam a perder espaço.

Será que é demais sonhar com um futuro onde as pessoas leiam mais e os filmes legendados possam voltar a ser maioria? Tomara que não...