Pular para o conteúdo principal

O futuro chegou e eu não abandonei os livros de papel

Há pouco mais de cinco anos, escrevi um texto intitulado "E você, como vai ler livros no futuro?" em que eu analisava uma série de e-readers (leitores digitais de livros) e o recém-lancado iPad. O tempo passou, tive dois e-readers (Kindle Touch e Kobo Aura HD) e três tablets (iPad 1, Samsung Galaxy Tab 10.1 e Sony Xperia Z2), e já me sinto apto a falar sobre como os livros e revistas digitais passaram a fazer parte da minha vida.

Atualmente estou apenas com o Kobo, com Xperia Z2 e papel, muito papel. Acabei percebendo que cada plataforma tem seus diferenciais - e incluo o livro tradicional como plataforma.



Quando o e-reader é melhor

Os e-readers como o Kobo ou o Kindle são os campeões disparados quando o seu objetivo é ler um livro de forma sequencial e que não tenha muitas ilustrações. São dispositivos leves, que podem ser utilizados usando apenas uma mão e com altíssima autonomia de bateria. Excelentes para viagens, para ler em pé no ônibus, metrô ou em um banco de praça (a tela não permite que reflexos atrapalhem a leitura). São dispositivos robustos, que podem tomar tombos, serem colocados em qualquer lugar e não emitem luz direcionada para seu olho.

As pessoas tendem a achar que um tablet ou um telefone celular substituem os leitores digitais de livros, e é muito difícil convencê-las do contrário. O que posso dizer como usuário é que a experiência de leitura em um e-reader como o Kobo ou o Kindle é muito mais agradável que a experiência em um tablet e só usando um que você pode ser convencido.



Quando o tablet é melhor

Essa é difícil responder, pois o tablet é um dispositivo que não possui nenhuma função em que ele é a melhor escolha. A sua principal vantagem é a integração de múltiplas funções e sua portabilidade. Meu tablet se tornou minha principal opção para ler revistas. Nesse caso, ainda sinto que a revista de papel provém uma experiência melhor, mas acabo escolhendo o tablet pois tenho acesso às publicações antes delas chegarem às bancas (ou em casa, no caso de assinatura), e posso mantê-las armazenadas sem ocupar espaço físico.

Em dezembro de 2015 as últimas assinaturas que tinha em papel acabaram, e agora só tenho assinaturas digitais. Há cerca de quatro anos fiz um texto curto falando sobre as revistas que estava lendo na época e duas delas já deixaram de existir.

Também uso o tablet para ler quadrinhos. A experiência do papel nesse caso também é superior. Além disso, HQs são pra mim um item de coleção, que gosto de ter para reler ou somente enfeitar a estante. Opto por ler HQs no tablet quando só estão disponíveis nos EUA (geralmente usando o serviço Comixology para comprá-las), ou pelo Social Comics, serviço brasileiro de streaming de quadrinhos que me tornei assinante.

O tablet também é bom para ler artigos acadêmicos em PDF quando estou na aula. Na maioria das vezes em que estou estudando, no entanto, prefiro fazer isso utilizando um monitor bem grande ligado ao meu computador.


Quando o papel é melhor

Continuo comprando livros de papel praticamente na mesma frequência com que compro livros digitais. A escolha pelo papel se dá naturalmente quando o livro não tem versão digital distribuída de forma legal. Também compro livros de papel quando eles tem um acabamento de luxo com capa dura, papel especial etc. E há os livros que tem muitas fotos ou ilustrações (muito comum em biografias, por exemplo) em que a versão de papel continua sendo a melhor escolha. Sem contar os quadrinhos, como mencionei acima.



Então os livros não vão acabar, né?

Eu acreditava que iria abandonar o digital substituiria o papel na maioria de suas aplicações em pouco tempo, O tempo me mostrou que o livro digital é uma plataforma adicional, que pode viver em paz e harmonia com o livro de papel.

Tempos atrás eu dizia que quando me aposentasse, iria abrir uma banca de revistas para continuar ocupado com um trabalho, mas hoje questiono se elas resistirão até lá. Enquanto um livro perdura por gerações, o caráter efêmero da revista a deixa em grande desvantagem com a produção de conteúdo na Internet.

Em 2021 eu revisitarei esse texto para ver o que mudou. Minha principal aposta para o período é o lançamento comercial do e-reader com tela colorida. Estou ansioso por um! Também acho que boa parte das revistas encontradas em bancas deixarão de existir (além de achar improvável que novas publicações se destaquem). Será que vou acertar?



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As notícias falsas que confundiram o público da Campus Party MG

Tive o prazer de ministrar uma palestra na última edição da Campus Party em MG com o tema "Fake News - Como viver num mundo de mentiras". Em breve, essa palestra estará disponível no YouTube e, assim que tiver o link, compartilho com você.



No início da minha apresentação, mostrei algumas notícias e pedi para o público preencher um questionário avaliando se cada publicação era verdadeira ou falsa. TODAS eram falsas, por mais convincentes que parecessem.

O público da Campus Party é jovem e ligado em tecnologia, o que poderia nos levar à hipótese de que estariam mais antenados e conseguiriam identificar o que realmente aconteceu. Os resultados foram um pouco diferentes.

A primeira notícia falava que o plantão da Globo nos atentados de 11 de setembro interromperam um episódio de Dragon Ball Z. 44% do público estava convencido de que isso era verdade. Esse é um caso curioso, pois é muito comum encontrarmos pessoas que afirmam se lembrar do ocorrido, mas essa é uma espécie de memória…

Pista premium, essa aberração dos shows no Brasil

O cantor inglês Ed Sheeran tocou ontem em Belo Horizonte em uma apresentação cheia de altos e baixos. Um problema que chamou a atenção foi o tamanho da semi-deserta pista premium. A impressão que dava é que nem um terço do espaço dedicado ao pessoal que pagou o dobro do preço estava ocupado. A foto abaixo tirada durante a apresentação do cantor dá um noção do vácuo existente.


A organização foi no mínimo incompetente para dimensionar o espaço. Fica feio e desagradável tanto para o público quanto para o cantor.

Reproduzo a seguir um texto que escrevi em 2014 para o Move That Jukebox onde falo um pouco sobre esse costume indigesto dos promotores de shows no Brasil.

******
O abismo entre a pista comum e a pista premium

A simples existência de uma pista premium em um show é o suficiente para prejudicar (e muito) a experiência de quem não está nela. Acho natural cobrar valores diferentes para lugares diferentes, mas desde que o lugar esteja marcado. É justo que a cadeira da primeira fila ten…

Quanta inovação pode conter um chinelo?

Não, eu não vou falar das Havaianas. A história da fabricante de chinelos brasileira que coloriu seus chinelos (que eram) feiosos e passou a ser um ícone da moda mundial já foi suficientemente explorada como exemplo de inovação no mundo dos negócios.

Eu vou falar é da Florine Chinelos, marca bem menor, mas com um produto interessantíssimo e um potencial de crescimento tremendo. Conheci a história da empresa em uma palestra de Alexandre Robazza, do SEBRAE SP.


Parece bucha de banho, né? Mas na verdade é o mesmo material utilizado para fazer tapetes. Aliás, o chinelo foi criado numa fábrica de tapetes.
Incomodado com as tiras que sobravam na fabricação dos tapetes, o criador do produto Carlos Gasparini, buscava alguma utilidade para os retalhos, até que um dia teve a ideia de fazer um chinelo. Após várias tentativas e com o protótipo em mãos, foi procurar o SEBRAE.
Com o apoio do SEBRAE, patenteou o produto, registrou a marca e começou a produção. Claro que não foi da noite para o dia, h…