Pular para o conteúdo principal

O futuro chegou e eu não abandonei os livros de papel

Há pouco mais de cinco anos, escrevi um texto intitulado "E você, como vai ler livros no futuro?" em que eu analisava uma série de e-readers (leitores digitais de livros) e o recém-lancado iPad. O tempo passou, tive dois e-readers (Kindle Touch e Kobo Aura HD) e três tablets (iPad 1, Samsung Galaxy Tab 10.1 e Sony Xperia Z2), e já me sinto apto a falar sobre como os livros e revistas digitais passaram a fazer parte da minha vida.

Atualmente estou apenas com o Kobo, com Xperia Z2 e papel, muito papel. Acabei percebendo que cada plataforma tem seus diferenciais - e incluo o livro tradicional como plataforma.



Quando o e-reader é melhor

Os e-readers como o Kobo ou o Kindle são os campeões disparados quando o seu objetivo é ler um livro de forma sequencial e que não tenha muitas ilustrações. São dispositivos leves, que podem ser utilizados usando apenas uma mão e com altíssima autonomia de bateria. Excelentes para viagens, para ler em pé no ônibus, metrô ou em um banco de praça (a tela não permite que reflexos atrapalhem a leitura). São dispositivos robustos, que podem tomar tombos, serem colocados em qualquer lugar e não emitem luz direcionada para seu olho.

As pessoas tendem a achar que um tablet ou um telefone celular substituem os leitores digitais de livros, e é muito difícil convencê-las do contrário. O que posso dizer como usuário é que a experiência de leitura em um e-reader como o Kobo ou o Kindle é muito mais agradável que a experiência em um tablet e só usando um que você pode ser convencido.



Quando o tablet é melhor

Essa é difícil responder, pois o tablet é um dispositivo que não possui nenhuma função em que ele é a melhor escolha. A sua principal vantagem é a integração de múltiplas funções e sua portabilidade. Meu tablet se tornou minha principal opção para ler revistas. Nesse caso, ainda sinto que a revista de papel provém uma experiência melhor, mas acabo escolhendo o tablet pois tenho acesso às publicações antes delas chegarem às bancas (ou em casa, no caso de assinatura), e posso mantê-las armazenadas sem ocupar espaço físico.

Em dezembro de 2015 as últimas assinaturas que tinha em papel acabaram, e agora só tenho assinaturas digitais. Há cerca de quatro anos fiz um texto curto falando sobre as revistas que estava lendo na época e duas delas já deixaram de existir.

Também uso o tablet para ler quadrinhos. A experiência do papel nesse caso também é superior. Além disso, HQs são pra mim um item de coleção, que gosto de ter para reler ou somente enfeitar a estante. Opto por ler HQs no tablet quando só estão disponíveis nos EUA (geralmente usando o serviço Comixology para comprá-las), ou pelo Social Comics, serviço brasileiro de streaming de quadrinhos que me tornei assinante.

O tablet também é bom para ler artigos acadêmicos em PDF quando estou na aula. Na maioria das vezes em que estou estudando, no entanto, prefiro fazer isso utilizando um monitor bem grande ligado ao meu computador.


Quando o papel é melhor

Continuo comprando livros de papel praticamente na mesma frequência com que compro livros digitais. A escolha pelo papel se dá naturalmente quando o livro não tem versão digital distribuída de forma legal. Também compro livros de papel quando eles tem um acabamento de luxo com capa dura, papel especial etc. E há os livros que tem muitas fotos ou ilustrações (muito comum em biografias, por exemplo) em que a versão de papel continua sendo a melhor escolha. Sem contar os quadrinhos, como mencionei acima.



Então os livros não vão acabar, né?

Eu acreditava que iria abandonar o digital substituiria o papel na maioria de suas aplicações em pouco tempo, O tempo me mostrou que o livro digital é uma plataforma adicional, que pode viver em paz e harmonia com o livro de papel.

Tempos atrás eu dizia que quando me aposentasse, iria abrir uma banca de revistas para continuar ocupado com um trabalho, mas hoje questiono se elas resistirão até lá. Enquanto um livro perdura por gerações, o caráter efêmero da revista a deixa em grande desvantagem com a produção de conteúdo na Internet.

Em 2021 eu revisitarei esse texto para ver o que mudou. Minha principal aposta para o período é o lançamento comercial do e-reader com tela colorida. Estou ansioso por um! Também acho que boa parte das revistas encontradas em bancas deixarão de existir (além de achar improvável que novas publicações se destaquem). Será que vou acertar?



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os patos de Patópolis e o Pato Fu

Recentemente, enquanto lia uma revista do Ducktales (os caçadores de aventuras, todos eles são grandes figuras), me deparei com um quadrinho onde o Capitão Bóing fazia uma ameaça aos seus adversários invocando o poder do Pato Fu (ou seja, o kung fu dos patos). Achei a referência divertida, postei no Twitter, a própria banda retweetou a publicação, mas achei que era um caso isolado.


Pra quem conhece a história da banda, o uso desses termos faz todo sentido. O nome Pato Fu foi inspirado em uma tira do Garfield onde ele lutava Gato Fu.


Normalmente esse tipo de referência é chamado de "easter egg", termo em inglês para ovo de páscoa. É uma surpresa escondida na narrativa (seja ela em quadrinhos, prosa, cinema etc) que não tem influência na história. Assim, quem conhece a referência acha interessante, se diverte um pouco mais e pra quem não conhece a vida continua como se nada tivesse acontecido.

Algumas semanas depois, lendo o volume "A Cidade Fantasma", da coleção do…

O custo de um carro popular é muito maior do que você pensa (uma história real)

Nunca tive o sonho de comprar um carro, até mesmo porque nem gosto de dirigir fora do videogame. E como até pouco tempo atrás eu tinha transporte da empresa para o trabalho, comprar um carro seria um capricho muito caro e desnecessário. Até que voltei para Belo Horizonte e senti a necessidade de comprar um automóvel para ter um pouco mais de conforto. Comprei meu primeiro carro em maio de 2014.

Em 30 meses e pouco mais de 43.000 km rodados, o meu carro gerou um custo mensal de R$1407,02.


Esse valor não inclui o valor que paguei no automóvel, ele refere-se apenas a gastos realizados que não poderão ser repostos com a venda do carro. Pode até parecer um valor muito alto, mas ele foi rigorosamente calculado e pode surpreender os desavisados.

E veja só, meu carro não é extravagante: é um Volkswagen up! com a maioria dos opcionais. Tem motor 1.0, consome muito pouco combustível e a manutenção é relativamente barata. É que mesmo um carro popular pode sair muito caro.

R$27.044,14 com despesas …

A regra básica para verificar se algo é verdade na internet

Um dia eu ainda quero compreender o que se passa na cabeça de alguém que inventa um boato e espalha pelo mundo. Será que o objetivo é apenas ser um agente do caos ou simplesmente rir das pessoas que acreditam. Só sei que não é de hoje que essas coisas existem (ou você realmente acredita que a Xuxa fez um pacto com o demônio e o Fofão tinha um punhal dentro do seu boneco?), só sei que a internet amplificou o alcance e a velocidade de todo tipo de boatos.

Por muitas vezes atuei (e continuo atuando) como um desmascarador de mensagens falsas entre os membros da minha família e amigos mais próximos, mas não adianta: se antes as bobagens eram espalhadas via e-mail, a diferença é que agora elas chegam via WhatsApp. Tento fazer o papel de mensageiro da verdade, mas é difícil ter sucesso...

Não espalho nada que eu não tenha verificado ou não confie na fonte. Se já espalhei alguma bobagem, pode ter certeza que foi na ignorância e que sinto vergonha por isso. Hoje em dia é muito fácil procurar …